Sindicato dos Jornalistas apela a boicote a declarações sem direito a perguntas

Estrutura lembra que o congresso dos jornalistas aprovou boicote informativo a eventos deste género. Na quarta, foi Rui Rio na apresentação da candidatura a líder do PSD; nesta quinta foi Ricardo Salgado sobre a Operação Marquês.

Rui Rio chamou a imprensa mas não permitiu perguntas quando apresentou a candidatura ao PSD
Foto
Rui Rio chamou a imprensa mas não permitiu perguntas quando apresentou a candidatura ao PSD LUSA/PAULO NOVAIS

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) apelou nesta manhã ao "boicote" às declarações sem direito a perguntas, como aquela para a qual Rui Rio convocou a comunicação social na quarta-feira à noite para anunciar a sua candidatura à presidência do PSD. Ou como fizeram o ex-banqueiro Ricardo Salgado e o seu advogado nesta quinta-feira de manhã para reagirem ao despacho final de acusação da Operação Marquês, mas sobre a qual o sindicato não se pronuncia.

Aquela estrutura sindical lembra que esta foi uma das temáticas abordadas no congresso dos jornalistas realizado em Janeiro. Na altura foi aprovada uma proposta de boicote jornalístico a supostas conferências de imprensa sem direito a perguntas dos jornalistas e também a entidades que façam blackout aos órgãos de comunicação social.

O sindicato considera "lamentável" que Rui Rio, candidatando-se à liderança do "principal partido da oposição, tenha, a priori, rejeitado responder a questões dos jornalistas, quando os convocou para a sua declaração de candidatura". E criticou o facto de o antigo presidente da Câmara do Porto ter recorrido "à figura de 'declaração sem direito a perguntas' quando, na realidade, queria que resultasse como uma conferência de imprensa".

Lembra, como bons exemplos de resposta a este comportamento, o caso do semanário Jornal de Barcelos que em Janeiro deixou uma página quase toda em branco e que tinha reservado para publicar uma notícia sobre a apresentação de candidatos do PS à câmara local porque depois dos discursos os jornalistas foram mandados sair da sala e não foi permitido fazerem perguntas, apesar dos protestos. E também as perguntas dos jornalistas da SIC a Rui Rio no final da intervenção, na quarta-feira à noite, mas que não tiveram resposta.

"O SJ não consegue compreender como é que um candidato político se recusa, num acto público, a responder a perguntas de jornalistas", insiste aquela estrutura sindical representativa dos jornalistas.