Presidente do PSG sob investigação por suborno a ex-secretário-geral da FIFA

Nasser Al-Khelaifi é suspeito de pagar subornos a Jerôme Valcke em matéria de direitos televisivos nos Mundiais de futebol de 2026 e 2030.

Reuters/Jacky Naegelen
Foto
Reuters/Jacky Naegelen

A Procuradoria Federal Suíça anunciou, nesta quinta-feira, a abertura de processos criminais contra Nasser Al-Khelaifi, presidente do Paris Saint-Germain, por alegados subornos em matéria de direitos televisivos nos Mundiais de futebol de 2026 e 2030.

O gabinete do procurador-geral suíço informou que a investigação diz respeito a subornos oferecidos ao antigo secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (FIFA) Jerôme Valcke, no sentido de entregar os direitos ao grupo BeIN, propriedade de Al-Khelaifi.

No processo são visados "Jérôme Valcke, o director executivo do Grupo BeIn Media Nasser Al-Khelaifi e um empresário ligado ao sector dos direitos desportivos", referem os procuradores federais suíços, que acrescentaram que Jérôme Valcke foi ouvido esta quinta-feira e que foram realizadas buscas em propriedades em França, Grécia, Itália e Espanha.

Jérôme Valcke, de 56 anos, ex-director de marketing e secretário-geral da FIFA, foi condenado em 16 de Fevereiro de 2016, em primeira instância, a uma suspensão de 12 anos de toda a actividade relacionada com o futebol e, numa segunda, viu a pena reduzida para dez anos. Na quarta-feira, foi ouvido no Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), para o qual tinha recorrido.