Escritor Raduan Nassar cancela presença no Festival Folio

O autor de 81 anos não faz muitas aparições em público mas cancelou a sua presença no evento literário de Óbidos por motivos de saúde.

O autor foi o 28.º galardoado do Prémio Camões no ano passado
Foto
O autor foi o 28.º galardoado do Prémio Camões no ano passado Flavio Florido/Folhapress

O escritor brasileiro Raduan Nassar, um dos nomes mais aguardados do Festival Literário de Óbidos, cancelou nesta terça-feira a sua presença no festival, por motivos de saúde. Nassar, vencedor do Prémio Camões em 2016, tinha confirmado há alguns meses a sua presença no evento, que decorre de 19 a 29 de Outubro.

Num email enviado à editora Penguin Random House, o autor de 81 anos pediu desculpas por “não comparecer ao evento na bela cidade de Óbidos, por motivo exclusivamente de saúde”, lamentando os “transtornos” causados pela sua desistência.

Nassar é conhecido pela extrema raridade das suas aparições públicas e, quando aceitou o convite para fazer parte do Fólio, fê-lo na condição de que não daria entrevistas. “Ele é muito recluso, mas uma pessoa simples. Não é recluso por arrogância”, disse ao PÚBLICO, em Maio do ano passado, o presidente do júri do Prémio Camões, Sérgio Alcides do Amaral. O escritor, descendente de libaneses, foi o 12.º brasileiro a receber o prémio Camões (e o 28.º autor galardoado).

O seu primeiro romance Lavoura Arcaica foi publicado em 1975, seguindo-se Um Copo de Cólera (1978) e o livro de contos Menina a Caminho (1994). Em Portugal, Raduan Nassar só começou a ser publicado em 1998, quando Um Copo de Cólera saiu na Relógio D'Água, que logo no ano seguinte editou também Lavoura Arcaica. No ano 2000, a Cotovia publicou Menina a Caminho e outros Contos.

O festival conta também com nomes como os franceses Laurent Binet e Maylis de Kerangal, os espanhóis Fernando Aramburo e César Antonio Molina, os colombianos Jeronimo Pizarro e Plínio Apuleyo, e o húngaro Viktor Sebestyn. Entre as presenças portuguesas confirmadas estão Manuel Alegre, vencedor do Prémio Camões deste ano, Mário de Carvalho, Dulce Maria Cardoso e Mário Cláudio.

O tema deste ano é Revoluções, Revoltas e Rebeldias, num ano em que o festival pretende ter uma edição mais internacional — o programa do festival será apresentado em breve, conforme o site do evento.