Furacão Nate tocou duas vezes em terra e perdeu força

Com ventos de 55 km/h, está classificado como uma depressão tropical.

A cadela Clara, da agência estadual de emergências no Luisiana, preparada para prestar auxílio em Nova Orleães
Foto
A cadela Clara, da agência estadual de emergências no Luisiana, preparada para prestar auxílio em Nova Orleães LUSA/DAN ANDERSON

O Furacão Nate perdeu força, depois de tocar terra duas vezes nos Estados Unidos. É agora uma depressão tropical, segundo o Centro Nacional de Furacões, organismo norte-americano, que descreve ventos na ordem dos 55km/h. A informação foi avançada pela Reuters.

Depois de galgar as águas quentes do Golfo do México, deixando para trás pelo menos 30 mortos na América Central, Nate entrou nos EUA no sábado à noite, pelo sudeste do estado do Luisiana, onde tocou solo firme pela primeira vez numa região próxima da foz do Mississípi, descreve a mesma agência de notícias. Era, na altura, um furacão de categoria 1, o primeiro deste estado, depois do Katrina.

Horas mais tarde, no domingo de manhã, Nate voltaria a tocar solo em Biloxi, no estado do Mississípi, mostrando que perdera força, com ventos de 110km/h. Era o quarto furacão a causar estragos no presente ano nos EUA, mas com consequências até agora bem menos graves do que os anteriores. Seguindo para Norte, a tempestade cruzou a fronteira do Alabama. 

A chuva inundou vias de comunicação importantes, como a Route 90 (que lixa o Texas à Florida) e ruas em diferentes comunidades também do Alabama. Cerca de 47 mil clientes ficaram sem energia eléctrica no Mississípi, onde mais de 1000 pessoas procuraram abrigo nos locais preparados pela agência estadual de emergências. No Alabama, cerca de 82 mil consumidores estavam também às escuras.

No sábado, tinha sido declarado estado de emergência nos estados do Luisiana, Mississípi e em mais de uma dúzia de condados da Florida. O Presidente Trump, diz a Reuters, declarou emergências federais para o Alabama e a Florida já neste domingo, o que permite ajuda adicional do governo aos afectados.

Além dos estragos em terra, o Nate obrigou a fechar as explorações de petróleo no golfo do México, reduzindo em 92% a produção diária de petróleo e em 77% da produção de gás natural.

Antes do Nate, os EUA tinham sido atingidos pelos furacões Harvey, Irma e Maria, que antes de aí chegarem devastaram áreas das Caraíbas.