Do Chafariz de Dentro voltou a jorrar água pela cabeça de dois cavalos

O centenário chafariz voltou a fazer jus ao nome com a água a jorrar da cabeça dos cavalos. A população aplaude a obra e os turistas aproveitam para se reabastecer de água antes de entrarem nas ruelas de Alfama.

Fotogaleria
A obra custou à autarquia cerca de 68 mil euros Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
A obra custou à autarquia cerca de 68 mil euros Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
A obra custou à autarquia cerca de 68 mil euros Nuno Ferreira Santos

Ver jorrar novamente água da cabeça dos dois cavalos fá-lo voltar aos tempos de meninice quando se banhava nas águas do chafariz. “Parti muitas vezes a cabeça ali. Até me vinham roubar a roupa, ia nu para casa, todo cheio de vergonha”, recorda Arlindo Santos, 58 anos, que hoje é segurança do Museu do Fado.

Ali no Largo do Chafariz de Dentro, em Alfama, outrora fora de percursos turísticos, há uma renovada atracção: o chafariz que lhe dá nome voltou a jorrar água, depois de vários anos a ser “caixote do lixo”. E até as cabeças de cavalo, que em tempos serviam de bica voltaram para lhe fazer jus ao nome antigo: o de Chafariz dos Cavalos.

A recuperação do chafariz está prevista desde 1994, quando foi iniciado o processo de reabilitação do Largo e da “Estação Elevatória de Águas de Alfama”, que alberga o Museu do Fado desde 1998. Numa resposta por escrito ao PÚBLICO, o arquitecto Pedro Moreira, da Direcção Municipal da Estrutura Verde, do Ambiente e Energia da câmara de Lisboa, esclareceu que a “recuperação do chafariz deveria ser a última intervenção no Largo” - depois da reabilitação do edificado envolvente - “por ser a componente mais delicada e sujeita a estragos durante as obras dos edifícios adjacentes”. Só que essa intervenção nunca avançou. No ano passado foram colocados uns tapumes que indiciavam o início dos trabalhos, mas só no início desta semana é que água voltou a jorrar. 

Reza a história que o Chafariz de Dentro já fora chamado de Chafariz dos Cavalos, “um dos mais antigos de Lisboa”, que data do século XIII. E assim se chamava porque as suas águas jorravam da boca de uns cavalos de bronze que adornavam a frontaria e por servir de bebedouro para animais. A história que a população conta é que os tais cavalos de bronze terão acabado nas mãos de castelhanos durante o cerco de Lisboa de 1384. 

Sem cavalos, prevaleceu o nome de “Chafariz de Dentro” por ficar entre as muralhas fernandinas do século XIV. Agora, foram repostas duas cabeças para substituir as originais. Diz Pedro Moreira que já em 1995, a autarquia encomendou ao escultor Jorge Vieira as “Cabeças de Cavalo” que acabaram por ser “executadas postumamente” e só entregues 12 anos mais tarde. 

Além das cabeças no lugar e das pedras limpas, foram reinstaladas duas torneiras de cada lado com água potável para quem se quiser refrescar.

“Não está como antigamente. Antes era só uma bicazinha ali ao centro. As cabeças foram adaptadas agora e estas torneiras também são novas”, explica José António Lopes, 63 anos, que dá uma mãozinha à hora de almoço no restaurante O Cartacheiro. 

“Quando éramos crianças entupíamos os ralos para termos o tanque sempre cheio até cima e tomávamos aqui banho. A água não estava tão limpa como agora”, diz José António, que explica que, para lá de uma porta lateral, há reservatórios que se enchiam de água, “que até era quente”, de uma nascente do castelo. “Quando os reservatórios enchiam, havia água no tanque”, conta, e o chafariz de dentro tornava-se local de divertimento dos catraios do bairro. 

Também Maria Arminda Costa, que nasceu ali em Alfama há 76 anos, hoje vende ginginha a quem passa, e se recorda dos cavalos ali irem beber água, dos aguadeiros que enchiam os barris, e dos “miúdos” que ali tomavam banhos. E até houve quem lavasse ali roupa. 

A obra, que contemplou ainda a instalação de um sistema novo de abastecimento de água da rede pública, de recirculação de água e de escoamento e drenagem, custou à autarquia cerca de 68 mil euros. 

Hermínia Fernandez e a filha, Alexandra Godinho, da casa de petiscos Má Fama, aplaudem a iniciativa. “Ficou muito bonito e agradável. Ao final do dia, as pessoas sentam-se ali na beirinha, os miúdos gostam de ir chapinhar”, diz Alexandra. 

Já os turistas, que se precipitam pelas ruelas de Alfama, aproveitam para abastecer as garrafas de água numa das quatro bicas, com água potável, que foram também recuperadas.

Apesar da obra feita, o dono d’ O Cartacheiro, Alcino Vasco, 54 anos, deixa o recado: “É um património antigo que devia há muito estar arranjado. Mas, como este, ainda há outros chafarizes por aí abaixo” à espera de serem recuperados.