Carla Bruni estreia-se em Portugal em Janeiro

Cantora e ex-primeira dama francesa faz dois concertos nos Coliseus, no âmbito da digressão French Touch.

Foto
Carla Bruni fotografada em Paris, em 2012, quando era ainda primeira-dama Eric Feferberg/ Reuters

A cantora franco-italiana Carla Bruni, ex-primeira dama de França, regressa este mês à música e aos palcos, e vai estrear-se em Portugal com dois concertos anunciados para os Coliseus: em Lisboa, a 25 de Janeiro, e no Porto, dois dias depois.

A intérprete tem anunciado para esta sexta-feira, dia 6, o lançamento em França do seu novo álbum, French Touch, e é na sequência dele que a 23 de Outubro iniciará em Atenas uma digressão que se prolongará por 2018 e a fará percorrer mais de vinte países.

No calendário, ressalta o facto de ter apenas uma actuação agendada para França, a 2 de Dezembro, no Trianon, em Paris – talvez porque a sua digressão anterior, em 2013/14, teve várias datas neste país. Mónaco (29 de Novembro), Viena (4 de Dezembro), Londres (9 de Dezembro), Istambul (13 de Dezembro) e Amesterdão (16 de Janeiro) serão algumas das etapas da tournée French Touch, antes da chegada aos dois palcos portugueses.

French Touch – sexto álbum de Carla Bruni desde que em 2002 se estreou com Quelqu’un m’a dit – tem a particularidade de ser inteiramente dedicado à interpretação, muito francesa, de canções icónicas de grandes nomes da pop mundial. São os casos de Enjoy the silence, dos Depeche Mode, Miss you, dos Rolling Stones, ou Crazy, de Patsy Cline – as três canções que se podem já ouvir no site oficial da cantora e nas redes sociais. Mas há também novas versões de músicas dos Abba, The Clash, Rita Hayworth ou Willie Nelson, “interpretadas pela voz da cantora com uma roupagem minimalista”, diz o comunicado que anuncia a sua estreia em Portugal.

A produção de French Touch está a cargo do canadiano David Foster, vencedor de 16 Grammy, e que trabalhou já com nomes como Michael Jackson, Madonna, Bee Gees, Whitney Houston, Beyoncé Knowles ou Andrea Bocelli.

O novo disco marca também um segundo regresso de Carla Bruni à música e aos palcos depois que em 2013 – um ano após o abandono do Palácio do Eliseu, na sequência da derrota nas urnas do Presidente Nicolas Sarkozy e sua substituição por François Hollande – lançou Little French Songs.