Opinião

A doença que está a encolher o PSD

Se nada for feito pelos seus militantes, o PSD mudará de carácter consolidando a sua deriva à direita, tentado pelo populismo

1. Quem acompanhe o que tenho escrito nos últimos anos não se surpreenderá com o que está a acontecer no PSD. Não digo isto para proclamar que tinha razão, mas, infelizmente para o partido e para os seus militantes, tinha de facto razão. O PSD está numa crise profunda, que não é conjuntural, mas estrutural, e não data de agora. Se nada for feito pelos seus militantes, o PSD mudará de carácter consolidando a sua deriva à direita, tentado pelo populismo, e terá um tamanho médio. Deixou de ser um grande partido para ser um partido médio, numa área em que tinha conseguido resistir à erosão política, as autarquias. O primeiro passo eleitoral da crise foram as autárquicas de 2013, e o último foram as de 2017, mas, mesmo quando se analisa a vitória em coligação com o CDS em 2015, já havia sinais de erosão política, com a perda de muitos votos e da maioria absoluta. Essa erosão era patente nas sondagens e nos estudos de opinião que mostravam a perda de valor da “marca” PSD, isto para utilizar a linguagem que agora se usa. No entanto, a crise eleitoral é apenas um aspecto de uma crise mais geral que nela se revela, mas que nela não se esgota.

2. Referi-me ao que “está a acontecer”, porque tudo ainda está nas suas primeiras fases e o desastre eleitoral de 1 de Outubro vai desencadear um processo cujo termo é ainda impossível prever. Ou não. Pode haver uma ou outra afirmação cosmética, e tudo continuar na mesma, seja com Passos Coelho ou com um seu seguidor e discípulo, ou pode haver alguma mudança, que, mesmo sendo pouca, se for na direcção certa, pode começar a virar uma página negra da história partidária. Não vai ser fácil, exactamente porque não é apenas um problema de mudar de líder, mas sim de mudar de grupo dirigente, principalmente em Lisboa e Porto e, mais importante do que tudo isso, mudar de política. Nos últimos anos, só houve dois ou três momentos de mudança no bom sentido, todos abortados por várias pressões internas. Um foi na direcção de Marcelo Rebelo de Sousa, o movimento de refiliação conduzido por Rui Rio contra o caciquismo e as fraudes no registo de militantes; outro, a crítica política solitária de Manuela Ferreira Leite ao caminho de Sócrates para a bancarrota. Em ambos os casos, foram sujeitos a violentos ataques dentro do partido vindos dos mesmos que foram responsáveis pelo caminho que nos deu agora o resultado de 1 de Outubro, de Menezes a Passos.

3. As componentes da crise do PSD são várias e comunicam entre si. Há um problema ideológico e um problema político, de que resulta um problema de posicionamento e função na sociedade portuguesa. A isto associa-se um outro conjunto de questões que tem que ver com a oligarquização do partido, fenómeno que não é exclusivo do PSD, pois dá-se também do PS. O ascenso do populismo resulta num acantonamento dos partidos e numa perda da sua autoridade em democracia. Apenas o PS conseguiu reverter alguns aspectos (mas só alguns) da sua crise com o processo de eleição aberta que deu a vitória a Costa sobre Seguro, e com a inovação política da “geringonça”.

4. O problema ideológico do PSD é simples de expor: o PPD, depois o PSD, foi fundado de uma forma sui generis, à portuguesa, combinando três tradições políticas: o liberalismo político, o personalismo de origem cristã e a social-democracia. Pretendia ser um partido defensor das liberdades e da democracia, um partido laico que incorporava uma visão do homem como “pessoa”, mais do que como cidadão, e pretendia que o Estado tivesse no seu coração a ideia de que a sua função era, entre outras, a de garantir a solidariedade social a favor dos que mais precisavam, distributivo e actuante em termos da justiça social. Era anticomunista, mas não era anti-socialista, não era conservador, nem economicamente liberal, era a favor do mundo do trabalho e da dignidade do trabalho, na tradição da doutrina social da Igreja, defensor de um sistema fiscal fortemente distributivo e colocava-se entre o centro-direita e o centro-esquerda. Estava mais à esquerda, oscilava para o centro e para a direita, mas nunca, jamais, em tempo algum, se definiu como partido de direita. Até agora.

5. O PSD ou é isto ou não é o PSD, é outra coisa. Os seus grandes sucessos políticos vieram da aplicação deste programa que lhe dava o lugar do partido reformista na sociedade portuguesa. Foi assim com a AD, momento fundamental da alternativa de governação democrática, para equilibrar o sistema político e económico dos anos do PREC, foi assim com Cavaco Silva como primeiro-ministro. O esquecimento colectivo já deixou para trás momentos simbólicos das governações de Sá Carneiro e Cavaco Silva, da distribuição de terras ao Plano de Erradicação das Barracas, já para não falar de posicionamentos que eram simbólicos e não eram apenas abencerragens da época, da JSD dos primeiros anos com o seu jornal “pelo socialismo”, da tentativa de entrada na Internacional Socialista, da exigência do PSD de retirarem o nome de “liberal” do grupo europeu a que pertenceu e colocar o de “reformista”, etc., etc.

6. O que aconteceu nos anos do “ajustamento” sob a direcção de Passos Coelho não foi uma “adaptação” da linha política do passado à situação dos últimos anos, nem às “exigências” da troika (que hoje sabemos foram em grande parte propostas do PSD divulgadas como sendo da troika), mas uma mudança qualitativa. Essa mudança pretendia tornar o PSD um partido neoliberal, tendo como modelo Singapura, considerando que a “economia” eram as empresas e os trabalhadores um “custo” que devia ser domado, apontando como alvo para a austeridade a classe média e deixando os pobres sofrer com o custo dos despedimentos e numa redoma assistencial. A ideia foi parar o elevador social que desde o 25 de Abril existia, mesmo que imperfeitamente na sociedade portuguesa, com o crescimento dos serviços públicos e do Estado social e a criação de uma “classe média” ligada ao Estado, a favor da ideia de que com o agravamento da desigualdade social se criava um pólo de desenvolvimento em cima, que arrastaria os de baixo, desde que estes aceitassem baixos salários e a perda de regalias sociais. O PSD tornou-se o arauto fiel da troika e do Eurogrupo usando as “regras europeias” como mecanismo de poder que nunca levou a votos, nem em 2015, onde fez muitas das propostas que depois veio a atacar no PS.

7. Era um projecto de engenharia social, completamente alheio ao programa social-democrata do PSD, que ruiu quando o PS conseguiu conciliar um certo desenvolvimento económico com a “reversão” de medidas. O PS não fez nenhuma revolução, mas o PSD ajudou a valorizá-lo com a história do “Diabo” e com uma nostalgia absurda dos bons velhos tempos da troika.

 

8. Estas mudanças qualitativas nunca foram assumidas nos documentos oficiais do PSD. Nos últimos congressos, os dirigentes, a começar por Passos Coelho, recuaram nos congressos com juras de “social-democracia” e algumas tentativas programáticas que tentavam incorporar a nova linha “liberal”, ficaram pelo caminho como se não tivessem paternidade. Criou-se assim uma espécie de esquizofrenia política, que não ocultava no entanto o caminho de posicionamento do PSD para uma direita que deixaria horrorizados os fundadores do partido. Este caminho abandonou o centro político ao PS e era só uma questão de tempo até as sondagens e os resultados eleitorais começarem a revelar a usura do PSD reformista do passado a favor de um partido que se sentia bem numa frente de direita com o CDS e cuja linguagem e posições políticas o isolam cada dia que passa.

9. Em 1 de Outubro, o PSD perdeu nas eleições locais e na eleição nacional que foram os resultados de Lisboa e Porto.

(Continua)

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações