Wolsfwinkel, o goleador de uma equipa em crise

O antigo avançado holandês do Sporting está agora no Basileia e é uma das principais ameaças à baliza do Benfica nesta quarta-feira.

Foto
Wolfswinkel soma actualmente sete golos na Liga suíça DR

Ser o goleador de uma equipa em crise não é um papel que seja estranho a Ricky van Wolfswinkel. Com sete golos marcados, o avançado holandês é o melhor marcador do Basileia, que defronta nesta quarta-feira o Benfica na segunda jornada do Grupo A da Liga dos Campeões (19h45, SPTV5), mas não se pode dizer que o campeão suíço das últimas temporadas esteja propriamente a fazer uma grande época. Na liga suíça, mesmo com o holandês no topo dos goleadores, é quarto e o arranque da Champions também não correu nada bem, derrota por 3-0 com o Manchester United. Era mais ou menos assim a vida de Wolfswinkel no Sporting entre 2011 e 2013, avançado goleador de uma equipa a atravessar um dos piores momentos da sua história.

Nesses tempos de trevas “leoninas”, o holandês teve números bem interessantes, 25 golos na primeira época e 20 na segunda, que lhe valeram uma transferência para a Premier League e para o Norwich City. Marcou um golo no jogo de estreia e foi mesmo o único que marcou em toda a época. Passou pelo St. Etiénne, voltou ao Norwich~e ainda esteve emprestado ao Bétis de Sevilha, mas o “lobo” holandês só voltou a ser um goleador importante quando regressou ao futebol holandês, ao clube onde se formou e onde começou a dar nas vistas, o Vitesse.

A última época foi mesmo uma das melhores da sua carreira, com 23 golos, dois deles na final da Taça da Holanda que valeram o primeiro troféu na história do clube. Da Holanda aterrou no futebol suíço, com a missão de substituir Seydou Doumbia, que se transferiu para o Sporting no último Verão. E holandês continua com números interessantes no Basileia, onde, tal como nos tempos do Sporting, também é o “dono” dos penáltis” – dos sete golos que já leva na liga suíça, três foram da marca dos 11 metros.

Onde o holandês de 28 anos ainda não se estreou a marcar foi na Liga dos Campeões, já que apenas fez a sua estreia em Old Trafford na primeira jornada e ficou a zeros, tal como o Basileia – o seu registo na Liga Europa é, no entanto, bastante razoável, com dez em 26 jogos. E Wolfswinkel já sabe o que é marcar golos ao Benfica, um golo em quatro jogos. Foi um penálti convertido com sucesso que valeu ao Sporting um triunfo em Alvalade sobre os “encarnados” a 9 de Abril de 2012.

Da equipa “encarnada” desse tempo restam Luisão, Jardel e André Almeida. No banco está um treinador diferente, Rui Vitória, que não irá dedicar uma atenção específica ao holandês, mas reconhecendo-lhe capacidades goleadoras. “Normalmente, temos uma atenção a tudo o que pode fazer a diferença no outro lado. Conhecemos bem o Basileia e o seu ponta-de-lança, e estamos preparados, não há uma preocupação especial com um, é com todos.”

Na perspectiva de Wolfswinkel, o seu passado sportinguista servirá como motivação extra para os dois confrontos com o Benfica . “É um jogo especial para mim”, contou o holandês numa entrevista recente ao jornal “Record”. “Parte do meu coração ainda está com o Sporting, onde passei um período fantástico. Por isso, defrontar o Benfica dá-me algo mais.”