Ser uma it girl aos 65

Em 2008, o fotógrafo e blogger Ari Seth Cohen iniciou um blogue para dar expressão ao estilo feminino de mulheres com mais de 60 anos. Lyn Slater e Maye Musk – mãe do dono da Tesla – já foram sujeito de publicações e têm, por sua vez, milhares de seguidores nas próprias redes sociais.

A primeira pessoa que Ari Seth Cohen conheceu em Nova Iorque, acabado de chegar de San Diego, na Califórnia, foi uma mulher. Estava “nos seus 90” e tinha um estilo “incrível”. Corria o ano 2008 — Barack Obama concorria pela primeira vez à presidência dos Estados Unidos, a falência do Lehman Brothers lançava ondas de choque pelo mundo e na Internet começavam a ganhar popularidade os blogues de estilo — mas “não se via imagens pulsantes de pessoas mais velhas”. Quatro meses depois, o fotógrafo começou a documentar “o estilo de rua inspirador dos nossos respeitados anciãos”. Deu ao blogue o nome Advanced Style.

Nove anos, dois livros e um documentário mais tarde, soma hoje mais de 208 mil seguidores no Instagram e viaja pelo mundo de lente apontada — esteve recentemente em Sintra. Mas o espaço que ocupava sozinho em 2008 é hoje habitado por dezenas de mulheres de cabelo grisalho — e as suas centenas de milhares de seguidores.

É o caso de Judith Boyd, enfermeira psiquiátrica reformada de 74 anos, que vive no Colorado. Foi co-gestora de uma loja de chapéus nos anos 1980 e agora publica no blogue Style Crone conjuntos com chapéus fabulosos. Já Valerie Von Sobel protagonizou a capa do segundo livro de Cohen (Advanced Style: Older & Wiser) e divide hoje o tempo entre as redes sociais, o trabalho de filantropia e as peças que escreve para o HuffPost.

Maye Musk — além de instagramer é mãe de um dos empresários mais mediáticos do mundo, Elon Musk, dono da Tesla —, é modelo há cinco décadas e garante que hoje, com 69 anos, está “a trabalhar mais do que nunca”. E Lyn Slater deu o nome Accidental Icon ao blogue quando, durante a semana de moda de Nova Iorque, um conjunto de fotógrafos e pessoas na rua a confundiram com alguém famoso e desde aí não parou — no Instagram tem uma audiência de 251 mil.

Embora Lyn Slater não se considere modelo “no sentido tradicional”, esta professora no curso de Serviço Social começou em Janeiro a ser representada pela agência londrina da Elite. Lyn criou o Accidental Icon em 2014. “Estava a sentir-me aborrecida com a vida académica”, conta ao P2, e queria “ter formas de me expressar criativamente”. Partindo da sugestão de começar um blogue, pensou em formas de fazer “algo diferente”, pegando nas competências que desenvolveu ao longo da carreira, na sala de aula — nomeadamente a capacidade “de manter-se actual aos olhos dos estudantes mais novos”. Algo que se provou decisivo no espaço competitivo dos blogues de estilo.

PÚBLICO - Imagens retiradas da conta de Instagram de Lyn Slater, que tem o blogue Accidental Icon
Imagens retiradas da conta de Instagram de Lyn Slater, que tem o blogue Accidental Icon
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

Se grande parte destas plataformas são feitas de roles intermináveis de imagens de um conjunto de roupa sob todos os ângulos possíveis e imaginários, com uma ou duas linhas de texto, Accidental Icon é essencialmente o oposto. Geralmente, Slater publica uma ou duas fotografias dos conjuntos dignos de editoriais de moda — fotografados pelo seu parceiro, Calvin — acompanhados de textos provocantes, que normalmente terminam com uma interrogação.

De cabelo branco até ao queixo, aparece ora numa elegante escadaria alcatifada com um longo casaco de veludo, ora sentada em escadas de rua vestindo umas calças de ganga rasgadas e uma gabardine metalizada. A lista cuidadosamente programada de estilistas vai de emergentes como Yajun aos mais emblemáticos Issey Miyake e Dries van Noten. “[Tenho] um guarda-roupa único, que não se vê nas lojas ou nas grandes marcas”, conta.

Slater trabalha com algumas marcas, mas recusa ainda hoje publicidade na sua plataforma, pelo menos no sentido tradicional. “Preciso de ter controlo criativo sobre como é feito”, explica, acrescentando que hoje é bem mais importante o nível de “engagement” (envolvimento) nas redes sociais, do que o número de seguidores. Por isso, preocupa-se acima de tudo com a qualidade do conteúdo e autenticidade do mesmo.

A relação performativa que tem com a moda vem da infância, dos tempos do colégio católico — quando passava horas em casa com um hábito emprestado, a imaginar como seria ser freira. Estávamos na década de 1950 e as mulheres que a rodeavam preenchiam os papéis tradicionais do sexo feminino — “eram mães, ficavam em casa”. Lyn conseguia perceber que muitas delas não estariam necessariamente felizes e “via as religiosas como uma possibilidade diferente de feminilidade”. As freiras “pareciam estar sempre em controlo”, explica ao P2 numa conversa telefónica. “De certa forma, governavam a escola.”

Slater resiste à ideia de estar a representar algum grupo da sociedade e não gosta de falar em idades, mas contenta-se com a noção de ser um exemplo positivo. “O que parece ter acontecido — especialmente com jovens — é que tenho sido vista numa perspectiva diferente de como as pessoas podem pensar no envelhecimento”, aponta. “Em vez de ser tudo tão negativo”, podem ver-se antes “as oportunidades que [a idade] pode oferecer”. “Diria que 98% dos meus seguidores têm entre 13 e 35 anos”, revela.

PÚBLICO -
Foto
O Advanced Style nunca teve que ver com consumismo, moda ou estilo mas sim com a atitude. Estas mulheres têm o poder de inspirar as pessoas a viver de uma forma mais vital, vibrante, activa.” Ari Seth Cohen

Está tudo na atitude

“No outro dia recebi uma mensagem de uma rapariga de 26”, conta, por sua vez, Ari Seth Cohen. Tinha acabado de soprar as velas do bolo e estava preocupada por estar a envelhecer. Depois de ver o documentário Advanced Style — onde Cohen retrata sete nova-iorquinas, como Ilona, que aos 90 anos começou um espectáculo de cabaret —, a tal rapariga escreveu-lhe para contar que “mal podia esperar por ser como aquelas mulheres”.

A “esperança” é a palavra-chave, reconhece Cohen. “Mostro mulheres que fazem pilates com 100 anos e recebo emails de pessoas a dizer assim: ‘Estava a chegar aos 60 e a começar a pensar que a minha vida ia acabar, mas vi esta mulher e percebi que há tanto mais à minha frente’”, conta. Para Cohen, o Advanced Style nunca teve que ver com consumismo, moda ou estilo. “Tem mais que ver com a atitude. Estas mulheres têm o poder de inspirar as pessoas a viver de uma forma mais vital, vibrante, activa.”

Maye Musk corrobora. “Trabalhar, continuar a ter estilo e sentirmo-nos bem parece ser aquilo com que as pessoas se entusiasmam”, comenta ao P2 por telefone, de Los Angeles. Curiosamente, são em grande parte as raparigas mais novas a abordá-la com mensagens de gratidão. 

PÚBLICO - Imagens retiradas da conta de Instagram de Maye Musk, modelo há cinco décadas e com uma agenda preenchida aos 69 anos
Imagens retiradas da conta de Instagram de Maye Musk, modelo há cinco décadas e com uma agenda preenchida aos 69 anos
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

Àquilo que partilha no Instagram chama boasts, uma mistura de post e do verbo boast (gabar-se, em português). “Tento ter algum sentido de humor”, conta Musk. O feed é um misto de fotografias do dia-a-dia, campanhas de publicidade — para marcas como Virgin Atlantic e Clinique —, dezenas de produções de moda — que já fez para Vanity Fair, Vogue Korea e Elle Quebec, entre outras. E, mais esporadicamente, fotografias ao lado de Ellon Musk — “Eu fui famosa primeiro!”, costuma dizer em entrevistas, meio a brincar.

Enquanto o filho ocupa o tempo com o futuro dos carros eléctricos — e com a colonização de Marte —, a agenda de Maye tem estado cada vez mais preenchida, sobretudo depois de ter assinado recentemente contrato com a IMG Models, uma das mais prestigiadas agências de modelos do mundo. No Instagram é seguida por quase 58 mil pessoas e gosta do “poder” que isso lhe dá. Sobre uma coisa esta avó de dez netos não tem dúvidas: há “definitivamente” mais procura de modelos acima dos 60. “As pessoas estão a dar valor a mulheres mais velhas”, confessa.

Nas passerelles, em Fevereiro, durante as apresentações semestrais dos criadores de moda, a diversidade de idades foi maior do que alguma vez tinha acontecido, com modelos acima dos 50 a participar em apresentações como as de Gareth Pugh, Simone Rocha, Dries Van Noten e J. Crew. De acordo com o theFashionSpot, 21 modelos nesta faixa etária desfilaram em Nova Iorque, Paris, Londres e Milão. Por comparação, na temporada anterior, tinham sido contratadas apenas 13.

A semana da moda de Nova Iorque, neste Setembro, deu continuinidade à crescente tendência da diversidade na passerelle, com desfiles como o de Christian Siriano — que incluiu uma série de modelos plus size e modelos que desafiam as noções de género. Lyn Slater e Maye Musk desfilaram ambas para diferentes marcas, como Just In Case e Zero + Maria Cornejo, respectivamente

Natural do Canadá, Maye começou cedo a trabalhar como modelo e chegou a ser finalista no concurso Miss África do Sul, em 1969 — para onde foi viver com os pais, aos cinco anos, e onde passou grande parte da sua vida. Entretanto, concluiu um mestrado em Dietética e outro — já de volta a Toronto — em Ciências de Nutrição. A carreira de modelo foi sempre secundária ao trabalho. “Não pensava muito sobre isso, porque era dietista e tinha uma clínica privada”, conta. Os anos foram passando e os pedidos para trabalhos de modelo continuaram a chegar. “Era bom porque era uma mãe solteira.”

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

Do casamento efémero com o engenheiro Errol Musk nasceram três filhos. Elon é o irmão mais velho de Kimbal e Tosca Musk, que trabalham em restauração e televisão, respectivamente. Ao 50 anos, Maye mudou-se do Canadá, para onde tinha ido viver com os filhos depois da África do Sul, para Nova Iorque — numa altura em que a carreira deu um salto, com trabalhos para a Clinique e a Revlon — e aos 60 decidiu celebrar a ocasião deixando de pintar o cabelo. E assim mesmo, grisalha, foi o rosto de uma campanha da Virgin America e capa da New York Magazine. Em Março deste ano, a Vanity Fair chamou-lhe it girl.

O lugar na moda

A perspectiva de Ari Seth Cohen sobre a idade sénior nunca foi igual à da maioria. Passou a infância em San Diego ao lado da melhor amiga, a avó — que descreve como uma mulher inspiradora e com estilo. A sua morte, em 2008, deixou-o “um pouco perdido” e o caminho que tomou levou-o a Nova Iorque, onde começou a ser constantemente exposto a mulheres nos seus 80 ou 90 anos, impecavelmente bem arranjadas e com “vidas entusiasmantes”.

Ao mesmo tempo, reparava que não eram representadas pelos media, nem tão-pouco apareciam nos blogues de streetstyle. Algo que o deixava estarrecido. “Não se conseguiam relacionar com o que estava a acontecer na moda”, diz. Cohen olhava com estranheza para o facto de ninguém estar a prestar atenção e também para a forma como a conversa sobre o envelhecimento era sempre “negativa, clínica ou deprimente”.  Respondeu com acção: começou a abordar pessoas nas ruas, a ouvir as histórias e a tirar fotografias e procurou enquadrar o projecto “de uma maneira que sabia que iria inspirar as pessoas do mundo da moda”.

O Advanced Style “era uma forma de estar ligado à minha avó e de fazer algo criativo, mas também inspirar as pessoas que conhecia a olharem para o envelhecimento de forma diferente”. 

Em Portugal, o cenário é um pouco diferente. Entre as principais agências de modelos contactadas pelo P2, a opinião é consensual: a procura de modelos mais velhos é praticamente inexistente e nem tão-pouco existem modelos a trabalhar consistentemente na indústria da moda — como é o caso de Musk, que faz essencialmente editoriais, campanhas de moda e também alguma passerelle.

À excepção de casos pontuais, os modelos agenciados acima de uma certa idade fazem um trabalho comercial. “Infelizmente, não conseguimos que vinguem. Algumas até poderiam brilhar, mas não temos abertura de espírito para isso”, aponta Fátima Carlos, head booker da Just Models. Tó Romano, um dos directores de Central Models, explica que “é raro uma revista de moda fazer um editorial com personagens de 70 anos”. “Logo”, continua, “não temos aqui alguém especificamente para trabalhar só nesse campo”.

Fátima Carlos acredita que se trata de uma tendência que “a longo prazo” chegará também a Portugal. “Haverá ex-modelos com idades mais avançadas que continuam bonitas e que poderiam fazer este tipo de trabalho”, aponta, citando o caso de Kimberly Ribeiro, uma ex-bailarina agenciada na Just Models, com perto de 60 anos, que trabalha como modelo comercial. Para Tó Romano, é impossível ignorar o facto de que a esperança média de vida do ser humano é cada vez maior: “É absolutamente natural que a moda e a publicidade tenham ficado sensíveis a este fenómeno e deixem de fazer fotografia que tenha única e exclusivamente a superjuventude como referência.”

Já Hélio Bernardino, da Elite Lisbon, mostra-se mais céptico. “Aqui chega sempre tudo depois, já sabemos. Não existe ainda essa tendência e não sei se irá existir”, diz. “Duvido, porque as tendências de moda têm sempre que ver com as publicitárias e comerciais. E nós temos uma situação económica complicada — as pessoas com mais de 60 anos estão com dificuldades.” Para já, garante que não é negócio. “Só para pôr uma pessoa na agência é um investimento enorme, em sessões fotográficas. Não vale a pena estar a investir para depois fazerem um ou outro editorial.”

Mas há casos que fogem à regra, como, por exemplo a recente campanha do criador português David Ferreira, com uma série de modelos, inclusive Conceição Rhodes, de 69 anos, da L’Agence. “Representamos muita gente acima dos 60 anos, tanto homens como mulheres. Estes agenciados fazem sobretudo trabalhos comerciais. Pontualmente fazem trabalhos editoriais, desde que sejam solicitados pelo mercado”, diz a directora da agência, Elsa Gervásio.

Diversidade além da idade

Lyn Slater é muitas coisas ao mesmo tempo e nenhuma em específico. Na página de apresentação do blogue tem uma longa lista de frases que caracterizam o tipo de mulher que é — alguém que “repudia a invisibilidade”, lê-se por exemplo. Odeia ser “categorias”, diz. “Nunca fui só uma coisa, sempre fui alguém que está constantemente a mudar. Por isso a minha identidade é muito fluida.”

Apesar de não ter começado o blogue com uma mensagem política em mente, Lyn reconhece que está numa posição privilegiada para dar exposição a quem não a tem — mas, continua, “não acho que esteja a representar mulheres mais velhas”. Antes, “qualquer mulher ou homem dispostos a correr riscos, que procuram reinventar-se, que procuram resistir a definições de outros”. “Em vez de dizermos à moda ‘devem começar a ter modelos mais velhos’, devíamos estar a dizer ‘têm de ter pessoas reais como modelos’.” E isso significa tudo: “Género, etnicidade, idade, sexualidade, deficiência...”

São temas sobre os quais já se tem tentado falar nos últimos 30 anos. “Uma das razões que me têm levado a interessar cada vez mais por redes sociais e pelo mundo visual é porque acho que as pessoas estão cansadas de ter a mesma conversa de sempre. Novas imagens de seres humanos têm de começar a emergir. E acho que as pessoas vão estar muito mais interessadas em ter conversas se não tiverem de levar sermões”, desabafa.

“Quando as pessoas me perguntam ‘como é que se sente em relação à idade?’, eu digo ‘olhem para as minhas fotografias, não tenho nada a dizer.”

Este artigo encontra-se publicado no P2, caderno de Domingo do PÚBLICO