Reportagem

O que é que Oeiras (não) tem?

Três presidentes (dois "dinossáuricos"), um deles condenado, três listas ditas independentes, duas coligações, um recorde de 13 candidaturas, cinco delas oriundas de divisões à direita. Confuso? Não é o único…

Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Joaquim Raposo é o candidato do PS
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Sónia Gonçalves é independente
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Paulo Vistas, o actual presidente da câmara, recandidata-se como independente
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Isaltino Morais já liderou a Câmara de Oeiras como independente e em nome do PSD
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Ângelo Pereira é o candidato do PSD
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira Heloísa Apolónia é a candidata do Partido Ecologista Os Verdes

No cruzamento junto à igreja de Tercena, há três cartazes de Paulo Vistas, o actual presidente da Câmara de Oeiras. Só um tem a sua fotografia, e pequena. Os outros estão cheios de promessas cumpridas ou para o próximo mandato: a redução da dívida em 40%, a descida do IMI, wi-fi nas praias e jardins, e no futuro o prolongamento dos horários dos ATL para todas as crianças. Mesmo em frente à igreja há um outdoor maior, apenas com duas enormes fotografias: Isaltino Morais e a candidata à freguesia local. Um carro pára no semáforo, apesar de estar verde. É o ex-autarca que atravessa a rua, e o automobilista dá-lhe prioridade. Um prenúncio, tal como as sondagens?

“As pessoas estão muito ansiosas para que eu regresse à câmara”, diz Isaltino ao PÚBLICO. Ali em Tercena, não precisou de andar mais de 200 metros para receber dois fortes sinais de apoio. Uma carrinha da Junta de Freguesia de Barcarena abranda a marcha quando o vê e os seus ocupantes gritam-lhe da janela: “Isaltino, Isaltino”. Como num comício. Na esplanada onde distribui simpatia e jornais de campanha, ouve de uma senhora uma declaração pungente: “Para mim, é o Papa Francisco em Roma, o Marcelo em Portugal e o Isaltino em Oeiras”.

No extremo norte do concelho, o antigo autarca, que governou a câmara durante 24 anos – até ser preso para cumprir uma pena de prisão de dois anos por fraude fiscal e branqueamento de capitais (cumpriu 14 meses, saiu em liberdade condicional em Junho de 2014) – apoia as críticas que ouve de dois munícipes pela demolição do mercado local para dar lugar a uma grande superfície. Uma obra que o seu sucessor, antigo delfim e actual presidente elogiaria menos de uma hora depois, no centro de Carnaxide.

“É uma obra estruturante, excelente”, enaltece Paulo Vistas perante um jovem que, numa esplanada, lhe confessa ter dúvidas sobre o sentido de voto. “Tudo tem o seu tempo, não se pode votar no passado, tem que se votar no futuro”, afirma o cabeça de lista da IOMAF (Independentes Oeiras Mais à Frente), a mesma sigla que o levou à vitória há quatro anos. Mas na qual a primeira palavra foi alterada: antes lia-se Isaltino, agora dizem-se Independentes.

Com esta são três as listas que assim se intitulam e que, não por acaso, derivam da mesma equipa. Além de Vistas e Isaltino, a candidatura “É por aqui, Oeiras”, encabeçada por Sónia Gonçalves, que trabalhou com aqueles dois presidentes na autarquia. Heloísa Apolónia, cabeça de lista pela CDU ao concelho, põe os pontos nos ii: “São pessoas zangadas com o próprio partido e por isso a diversidade não é assim tanta, mesmo em termos de programas”, diz, considerando que a sua é a “única verdadeira alternativa”.

Um case study a céu aberto

Oeiras bem pode ser um case study destas autárquicas: é o concelho com maios candidaturas (13), mais movimentos ditos independentes (3), mais presidentes de câmara como cabeças de lista (além do actual e do anterior, o candidato socialista, Joaquim Raposo, é o antigo autarca da vizinha Amadora). Há cinco listas encabeçadas por pessoas oriundas da direita: além das três independentes, a coligação PSD/CDS/PPM é chefiada pelo social-democrata Ângelo Pereira, vereador com 10 (!) pelouros, e a cabeça de lista do partido Nós, Cidadãos! é a antiga presidente da concelhia do CDS-PP, Isabel Sande e Castro. E é bem capaz de ser o concelho com mais mulheres cabeças de lista: cinco.

Confuso? Não é o único. Nas ruas e nas sondagens, muitos são os munícipes que se dizem confundidos, divididos. As duas sondagens conhecidas sobre o concelho apontam para 20% de indecisos ou abstencionistas, algo perto dos 15 mil eleitores num universo de 147 mil. Mas há também quem esteja até zangado. Como o casal abordado pelo actual presidente na mesa de uma esplanada: a senhora vira-lhe a cara e mantém-se assim enquanto o presidente tenta cumprimentar o marido e dar-lhe um programa eleitoral. “Pode deixar aí”, diz o homem, contrariado.

“As campanhas em Oeiras são sempre aguerridas, nenhuma foi como esta e nenhuma outra será como esta”, diz Paulo Vistas ao PÚBLICO, desdramatizando: “É normal que as pessoas estejam divididas, são muitos candidatos, mas é bom ter uma diversidade tão grande e Oeiras ganha com isso”. Esgrime a obra feita para afirmar a sua convicção na vitória: “Tenho a noção exacta do trabalho que fizemos, da dificuldade que foi governar nestes quatro anos, da situação sólida em que se encontra este município do ponto de vista financeiro e de todas as promessas cumpridas. Portanto, tenho uma fé inabalável e uma certeza quase absoluta que vou ganhar”.

Nas ruas, as duas comitivas parecem claques prontas para um dérbi: o staff de Isaltino veste verde, o de Vistas vermelho. As t-shirts verdes querem “Oeiras de volta”, as vermelhas dizem para “Olhar em frente”. Diz um munícipe que pede o anonimato que, no entanto, “é tudo farinha do mesmo saco”, mas que Isaltino não leva o seu voto porque “tem as mãos sujas e vai-se lamber outra vez”. Mas como é de direita, há-de votar nesta área em qualquer caso.

O boneco e o pára-quedista

Uma alternativa é Ângelo Pereira, o candidato da coligação Oeiras Feliz cujos cartazes, no início, em vez da sua foto tinham apenas um boneco – o Sebastião, em homenagem ao conterrâneo Marquês de Pombal. Fomos encontrar este que é o vereador com mais pelouros do executivo de Paulo Vistas a fazer campanha dentro do edifício do Simas (empresa municipal de águas de Oeiras e Amadora). Vai de gabinete em gabinete cumprimentar quem ali trabalha e levar-lhes um Sebastião com cheiro a baunilha para o carro e o programa específico que fez para os quase dois mil funcionários municipais. “É um eleitorado importante, abrange um universo de umas cinco mil pessoas, pode ajudar a decidir as eleições”, explica o director de campanha ao PÚBLICO.

O candidato prefere afirmar-se como “a verdadeira alternativa” às duas candidaturas que vão à frente nas sondagens, mas que diz serem “o mesmo”: “Paulo Vistas é a continuidade de Isaltino Morais e este será a continuidade da sua continuidade. São o pai e filho desavindos”, nota Ângelo Pereira. Que atira também às candidaturas de esquerda mais fortes, as únicas que costumam eleger vereadores além das de direita. “As pessoas percebem que são pára-quedistas: na lista do PS, dos oito primeiros candidatos só dois são de Oeiras – e nota-se pelas propostas megalómanas -; e na da CDU, dos quatro primeiros só um é de cá. Não percebem as necessidades e anseios dos munícipes”.

Na rotunda de Algés, um outdoor com a sua fotografia fala de uma rede de apoio aos idosos, mas a sexagenária que ali tem uma banca de fruta queixa-se que paga a renda à autarquia e esta não arranja o telhado: “Há anos que chove cá dentro”. Na enorme e confusa praça onde, por baixo dos viadutos, páram os autocarros e se entra para o comboio, os contentores transbordam de lixo debaixo de um cartaz onde se lê que Algés está “No caminho certo”.

É ali que a comitiva do PS vai acabar o dia. Raposo vê a paragem do autocarro para a Amadora e não resiste: leva rosas e beijinhos às suas antigas munícipes, enquanto o staff distribui panfletos com ideias fortes: um interface moderno de transportes com outro enquadramento urbanístico, a “reconstrução” das praias do concelho, milhares de novos lugares de estacionamento. “Desde 2011 que se consomem energias na disputa interna quando é preciso gastá-las na acção executiva”, diz ao PÚBLICO. Será que desta vez vai ser diferente?