Luísa Salgueiro usa Cuidados Paliativos Pediátricos para iniciativa eleitoral

Directora da instituição integra a lista da candidata do PS à Câmara de Matosinhos e também a comissão de honra. Um membro da direcção demitiu-se, criticando o uso da instituição para fins políticos.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo pimenta

A candidata do PS à Câmara de Matosinhos usou uma Unidade de Cuidados Paliativos Pediátricos do concelho para gravar uma conversa com a RTP, no âmbito das eleições autárquicas, e nas imagens Luísa Salgueiro aparece ao lado da presidente da direcção, Teresa Fraga, que tem ligações à candidatura.

José Couceiro da Costa, membro da direcção da Associação Nomeiodonada, que gere a Unidade de Cuidados Paliativos Pediátricos Kastelo, que acolhe crianças com doença crónica, demitiu-se no início desta semana com acusações a Teresa Fraga, que integra a lista do PS para a Câmara de Matosinhos e faz parte da comissão de honra de Luísa Salgueiro.

“A minha demissão deve-se a uma insanável divergência sobre a inquestionável isenção e imparcialidade que tem de nortear a direcção de uma Instituição Particular de Solidariedade Social”, afirma o ex-dirigente numa nota tornada pública.

“Não posso admitir que em plena luta eleitoral autárquica qualquer instituição, qualquer IPSS, seja parte da disputa (…) e se proceda à instrumentalização de qualquer instituição”.

Contactado pelo PÚBLICO, o até agora tesoureiro da instituição considera que a unidade de cuidados paliativos, sediada em S. Mamede de Infesta, foi “instrumentalizada” e critica a directora por ter “condicionado a entrada nas instalações da Kastelo a uma parte da contenda [numa alusão a outros candidatos] e que à outra lhe sejam  franqueadas as portas [Luísa Salgueiro] com autorização de captação de imagens do interior”. 

A directora Teresa Fraga tem outra versão do que se passou. Revela que Luísa Salgueiro lhe comunicou que “gostava de gravar uma pequena entrevista com a RTP nas instalações do Kastelo, uma vez que cada um dos candidatos teriam de escolher um local no concelho com que tivessem uma ligação especial e afectiva”. “Atendendo que é madrinha do Kastelo desde que este projecto só existia em papel e tem estado sempre connosco, ajudando em tudo o que precisámos (…) foi-lhe dito que sim”, afirmou a directora numa nota enviada ao PÚBLICO, onde afirma que a instituição “não tem partidos, o único partido que existe são as crianças com doença crónica”.

Segundo disse, a informação foi transmitida a José Couceiro e que “este respondeu que achava muito bem e até referiu que ‘para a drª. Luísa tudo’” pelo que “não” entende a atitude de demissão do tesoureiro.

Empenhada em esclarecer o que aconteceu, Teresa Fraga declara que a instituição “abriu as portas” a outros candidatos à Câmara de Matosinhos: “No dia 4 veio António Parada, no dia 8 foi a vez de Narciso Miranda e no dia 13 esteve José Pedro Rodrigues, da CDU, como se pode verificar no Facebook das respectivas candidaturas. Só, Narciso Miranda não publicou nada, mas visitou  a instituição”. Quanto a sua presença na comissão de honra e na lista à Câmara de Matosinhos do PS, declara: “Isso tem a ver com os meus direitos enquanto cidadã que não podem ser prejudicados pelo cargo que exerço”.

Ao longo da conversa com o PÚBICO, José Couceiro, elogiou o ”excepcional serviço de enfermagem” que é prestado às crianças da Unidade de Cuidados Paliativos de S. Mamede.