Porto Rico em alerta máximo à espera do furacão Maria

“Perdemos tudo aquilo que o dinheiro pode comprar”, explicou o primeiro-ministro da Dominica, ilha devastada pela quarta grande tempestade no Atlântico em poucas semanas.

As primeiras imagens que chegam de Guadalupe dão conta de fortes inundações
Foto
As primeiras imagens que chegam de Guadalupe dão conta de fortes inundações ANDRES MARTINEZ CASARES/Reuters

Maria, o quarto grande furacão da época no Atlântico, espalhou a devastação na ilha Dominica e, depois de rasar os territórios ultramarinos franceses da Martinica e Guadalupe, onde fez já um morto e dois desaparecidos, avança na máxima força em direcção a Porto Rico e às Ilhas Virgens norte-americanas, onde a população recebeu instruções para procurar abrigo em zonas mais seguras.

Na ilha de Guadaloupe, 80 mil casas ficaram sem electricidade, e na Martinica 50 mil. Ambas são territórios ultramarinos de França. Mas a Dominica, ilha-nação de 72 mil pessoas no Leste das Caraíbas, foi arrasada. “Perdemos tudo aquilo que o dinheiro pode comprar”, afirmou o primeiro-ministro quando a manhã tinha já revelado a dimensão dos estragos. Durante a noite de segunda-feira, Roosevelt Skerrit escrevera no Facebook que o telhado da sua residência oficial tinha sido arrancado pelos ventos de 250 km/h do Maria, que em pouco mais de 24 horas passou de tempestade tropical a furacão de categoria 5 na escala de Saffir-Simpson, comparável ao Irma, que há menos de duas semanas arrasou várias ilhas e a Florida.

“Neste momento não estou preocupado com os danos materiais, que são devastadores, incompreensíveis. A minha preocupação é socorrer quem está encurralado e levar assistência aos feridos”, acrescentou o primeiro-ministro, sublinhando que quase todas as pessoas que conhece ou quem falou ficaram sem telhado nas suas casas.

Em Guadalupe a situação é ainda incerta, com notícias escassas sobretudo das ilhas mais isoladas e expostas à fúria dos ventos. “Temos já algumas informações iniciais sobre cheias, casas inundadas e estradas submersas”, revelou através do Twitter Eric Maire, prefeito do departamento de Guadalupe, recomendando à população para permanecer abrigada até a tempestade passar.  

Nas previsões não há indícios de que o Maria vá perder força em breve – ainda que os ventos no centro da tempestade possam oscilar ligeiramente –, beneficiando da temperatura superior ao normal da água do mar e de correntes favoráveis. O observatório francês de tornados (Keraunos) prevê mesmo que o furacão ganhe força na aproximação a Porto Rico, onde poderá chegar quarta-feira com rajadas de ventos de até 300 km/h.

Se mantiver a força actual, este será o furacão mais forte a atingir a ilha de 3,4 milhões de habitantes desde 1932, adianta o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC), antecipando uma tempestade “potencialmente catastrófica” que inclui também níveis de precipitação muito elevados e uma subida do nível do mar que atingir em algumas zonas os 2,7 metros.

Previsões que levaram as autoridades a abrir centros de acolhimento, a desmantelar gruas por toda a ilha e a ordenar a evacuação obrigatória de 44 municípios na costa Sul. “Vocês têm de sair. De outra forma vão morrer”, avisou Hector Pesquera, o comissário de Segurança Pública porto-riquenho, dirigindo-se aos que recusam abandonar as suas casas, mesmo as menos resistentes ou mais expostas ao furacão. 

As mesmas precauções estão a ser adoptadas nas ilhas Virgens americanas, em particular Santa Cruz, a maior daquele território que acabou por ser poupada pelo Irma, que causou danos muito avultados e várias vítimas mortais nas ilhas mais a norte. O centro do furacão deverá passar a escassos quilómetros da ilha e o governador Kenneth Mapp pediu à população para se deslocarem para os centros de abrigo antes da chegada da tempestade, aconselhando quem optar por ficar em casa e abrigar-se dentro de banheiras, protegendo-se com colchões para o caso de os telhados serem arrancados.

O Maria é a 13ª tempestade do ano, a sétima a ganhar força de furacão e a quarta, em apenas algumas semanas a atingir pelo menos a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, depois do Harvey, Irma e Jose (este último continua activo ao largo da costa leste dos EUA). Em declarações ao jornal Le Monde, o meteorologista Jean-Noël Degrace, explicou que 2017 não é um ano extraordinário no que diz respeito ao número de tempestades – o recorde foi atingido em 2005, ano em que foram registados 26 fenómenos ciclónicos.

“A situação é excepcional porque é extremamente raro ter quatro grandes ciclones tão próximos na mesma região”, explicou o cientista, residente na Martinica, afirmando que a temperatura atmosférica nas Antilhas está a aumentar “acima das médias registadas a nível global”. Sublinha, no entanto, que não há ainda dados consistentes para afirmar que as alterações climáticas estão a aumentar o número de furacões ou a sua intensidade.