Falou-se de todas as casas de Lisboa, mas pouco da de Medina

Habitação, mobilidade e turismo. Lisboa parece reduzida a estes três problemas. Toda a primeira parte do debate foi dominado pela habitação.

Fotogaleria
Debate decorreu no Convento do Beato Miguel Manso
Fotogaleria
Debate decorreu no Convento do Beato Miguel Manso
Fotogaleria
Debate decorreu no Convento do Beato Miguel Manso
Fotogaleria
Debate decorreu no Convento do Beato Miguel Manso

A habitação voltou a ser tema que marcou o debate na RTP que opôs os 12 candidatos à presidência da câmara de Lisboa e que decorreu no Convento do Beato, em Lisboa. Falou-se de todas as casas de Lisboa, mas a mais falada dos últimos dias ficou fora da discussão. O apartamento nas Avenidas Novas que o presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, comprou a uma das herdeiras do grupo Teixeira Duarte ainda foi trazido à baila por Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), mas Fernando Medina limitou-se a afirmar estar “a cumprir escrupulosamente o que a lei obriga”, referindo ainda que disponibilizou a informação referente à compra da casa no seu site da campanha (Medina2017.pt). E rematou o assunto dizendo que as recentes polémicas, que envolvem a não declaração da compra do ‘duplex’ ao Tribunal Constitucional e a compra de um apartamento numa zona nobre da cidade por um preço inferior ao que a vendedora tinha pago, também há dez anos é uma “uma campanha de insinuação”. Teve a ajuda da candidata social-democrata, Teresa Leal Coelho, que arrumou o assunto quando disse que não tinham vindo ao debate “para discutir casos”. 

Daí para a frente, as intervenções circularam à volta da oferta de casas na capital. Leal Coelho começou por acusar Fernando Medina e o PS de ter deixado a habitação municipal fora das prioridades nos últimos dez anos, ignorando “as pessoas que estão em situação mais vulnerável”. E acusou a autarquia de ter mais 2000 fogos desocupados e por vender património municipal “em hasta pública contribuindo para a especulação imobiliária”. 

A crítica foi partilhada pelo candidato comunista, João Ferreira, que acusa a gestão socialista de ter uma “visão que deixou a cidade nas mãos dos especuladores imobiliários”. Criticou ainda a extinção da Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL). Fernando Medina defendeu-se ao afirmar que durante este mandato foram entregues 1200 casas e que foi lançado “o maior programa de reabilitação de bairros municipais” e que prevê avançar, dentro de “alguns meses”, a reabilitação de edifícios na rua de São Lázaro, que disponibilizará casas para 123 famílias. 

Por sua vez, o candidato do Bloco, Ricardo Robles, estende as críticas sobre o problema da habitação em Lisboa a Assunção Cristas, referindo-se à Lei das Rendas, aprovada no governo PSD/CDS. O candidato defende que esta legislação contribuiu para que “mil famílias” fossem “despejadas” da cidade desde o início do ano. O bloquista acusa ainda Fernando Medina de ter entregado “2500 casas a fundos privados”. Também Joana Amaral Dias acusou Fernando Medina de estar “refém dos interesses imobiliários”. 

O candidato do PCTP/MRPP, Luís Júdice, por seu turno, alertou para o facto de o debate se realizar na zona do Beato, “que está situada numa das zonas mais degradadas da cidade”. “Vão visitar a Vila Dias e depois falamos de habitação”, atirou, responsabilizando “todos os partidos do arco parlamentar” pela “expulsão de mais de metade da população da cidade”. 

As críticas ao executivo socialista continuaram com a candidata pela coligação CDS/MTP/PPM (Nossa Lisboa), Assunção Cristas, a afirmar que “durante dez anos não houve nada a ser feito na habitação” nem se tentou atrair mais pessoas para a capital. E acrescentou que “o património municipal deve ser alocado para habitação”, a preços moderados, mas, ressalvou que a habitação não é apenas o problema que está a impedir a chegada de mais pessoas à capital realçando, por exemplo, que Lisboa é “o pior concelho do país em relação à cobertura de creche”.

Na segunda parte do debate, a mobilidade e o turismo dominaram as intervenções. Mas enquanto a habitação acaba por reunir algum consenso, embora haja diferenças quanto ao papel dos privados nesta questão, já em relação aos transportes as opiniões dividem-se. A gestão da carris e a circulação de carros dentro da cidade são alguns dos temas onde as divergências são evidentes.