Pedro Sousa é o escolhido

O tenista nacional tem estado em boa forma, tendo conquistado três torneios da categoria challenger.

Pedro Sousa começará a competir na Taça Davis logo na jornada inaugural
Foto
Pedro Sousa começará a competir na Taça Davis logo na jornada inaugural jose sarmento matos

Cabe ao “clã” Sousa iniciar o play-off entre Portugal e Alemanha, que decidirá qual a selecção que irá estar no Grupo Mundial da Taça Davis, em 2018. Pedro foi o escolhido pelo capitão Nuno Marques para actuar com João nos dois singulares de sexta-feira, no court central do Jamor. Uma decisão que resguarda Gastão Elias para o par de sábado e para uma eventual chamada para o último singular de domingo.

"Pensei no que é melhor para a equipa, tem a ver com o contexto, com o adversário”, justificou Marques. Depois de João Sousa (57.º) abrir a eliminatória, às 11 horas, com Cedrik-Marcel Stebe (90.º), será a vez de Pedro Sousa (107.º) defrontar Jan-Lennard Struff (54.º).

"Sempre que venho à Taça Davis estou pronto para jogar. Vou tentar ganhar o meu jogo, que é o mais importante", disse Pedro Sousa na véspera de disputar o 10.º encontro de singulares na Taça Davis. Mas, em toda a carreira, o lisboeta só disputou um em mais de três sets: em 2013, frente ao Benin. "Não estou habituado a jogar a cinco sets, mas não sei se vai ser melhor ou pior, não pensei muito nisso", admitiu. Certo é que o tenista lisboeta atravessa o seu melhor momento de forma, com a conquista de três torneios challenger, todos em terra batida.

Struff é menos experiente na Taça Davis, com presenças em apenas duas eliminatórias, tendo, no entanto, no seu currículo, 14 encontros decididos em quatro e cinco sets. “Bate forte na bola e tem um bom serviço", avaliou Pedro Sousa.

O mais cotado nesta eliminatória é João Sousa (57.º) que já leva 26 singulares disputados em mais de três sets. O vimaranense dividiu com Stebe os dois duelos realizados, em 2009 e 2013. O alemão tem estado a fazer uma boa época com dois títulos conquistados no Challenger Tour, mas, na Taça Davis, a sua experiência resume-se a três encontros realizados em 2012.

"É o mais experiente e tem vindo a fazer bons resultados. Já joguei com ele há muitos anos. Temos uma equipa muito forte mas eles também e vêm para vencer. Vamos dar o melhor e tentar já amanhã [sexta-feira] vencer os dois singulares", disse o número um português.

Uma das atracções desta eliminatória é Boris Becker, recém nomeado responsável pelo ténis masculino na federação alemã. “Portugal tem uma equipa forte, sobretudo em casa. Têm um número um muito bom, que eu já conheço há vários anos do circuito, e o apoio do público, mas nós vamos dar o nosso melhor ao longo dos três dias”, afirmou o ex-número um mundial e detentor de seis títulos do Grand Slam.