Portugal perdeu final de apenas 67 minutos

Jogo entre a selecção nacional de râguebi de sub-20 e o Japão foi interrompido devido ao mau tempo.

Foto
Portugal perdeu com o Japão Rui Gaudencio

Era o jogo mais importante da história do râguebi juvenil português, mas ficará na memória pelos piores motivos. Em Montevideu, Portugal disputou neste domingo a final do World Rugby U20 Trophy e tinha a oportunidade, se vencesse, de entrar, no próximo ano, na elite da mundial do escalão, mas o encontro foi disputado debaixo de uma enorme tempestade que transformou o relvado num enorme lamaçal, levando o árbitro a dar por terminada a partida a 13 minutos do final, quando o Japão vencia por 14-3.

Dez anos depois de a selecção nacional alcançar em Montevideu o apuramento para o Mundial 2007, a capital uruguaia não deixará boas recordações. Após conseguir de forma surpreendente o apuramento para a final do World Rugby U20 Trophy, a equipa portuguesa tinha pela frente no jogo decisivo uma formação nipónica que era favorita, mas teve um adversário inesperado: as péssimas condições do terreno de jogo.

A intempérie que se abateu neste domingo sob Montevideu deixou o relvado do palco da final completamente alagado o que beneficiou o Japão, uma equipa mais forte fisicamente que privilegia o jogo pelo seu “pack” avançado, procurando constantemente o contacto.

Apesar das dificuldades, Portugal dominou na primeira parte e conseguiu superiorizar-se ao Japão, mas os asiáticos, aproveitando um alinhamento na área de 22 metros portuguesa, colocou em prática o seu jogo pelos avançados e chegou ao ensaio.

A perder (0-7), Portugal não entrou bem no segundo tempo e o Japão aproveitou: após três faltas portugueses em formações-ordenadas favoráveis aos nipónicos perto da linha de ensaio nacional, o árbitro assinalou ensaio de penalidade, colocando a selecção nacional a perder, por 0-14.

Portugal, no entanto, soube reagiu e conseguiu pouco depois reduzir, com uma penalidade de Jorge Abecassis (3-14), mas com o agravar das condições meteorológicas (fortes relâmpagos) e das más condições do terreno, o árbitro deu por terminado a partida aos 67 minutos, inviabilizando qualquer recuperação portuguesa.