Pelo menos 32 mortos num dos maiores sismos de que há registo no México

Terramoto com magnitude superior a 8 na costa Sul do México foi sentido também na Guatemala. Governo alerta para possibilidade de réplicas nas próximas 24 horas.

Reuters/CLAUDIA DAUT
LUSA/str
Reuters/EDGARD GARRIDO
LUSA/str
Reuters/EDGARD GARRIDO
Reuters/CLAUDIA DAUT
Fotogaleria

O México está em alerta, depois de um forte sismo ter atingido a costa Sul do país. O abalo, com uma magnitude de 8,1 escala de Richter, foi registado na região de fronteira com a Guatemala pouco depois da meia-noite, hora local (6h em Lisboa), a 70 quilómetros de profundidade, precisa o Instituto Geológico norte-americano. Já de acordo com o Serviço Sismológico Nacional Mexicano, a magnitude do sismo chegou aos 8,4 na escala de Richter. O Presidente mexicano diz que este é o sismo mais forte do século sentido no país.

Foi confirmada a formação de um tsunami, para o qual estão previstas ondas de 0,7 até três metros acima do nível médio da água do mar, que poderá afectar toda a América Central. Há registo de pelo menos 32 mortos, entre eles duas crianças no estado de Tabasco, informou o governador Arturo Nunez, citado pela Reuters. Outras duas vítimas foram registadas no sul do país, no estado de Chiapas, informou o ministro do Interior (Administração Interna). O número de vítimas mortais continua a subir. O abalo provocou também feridos, mas ainda não existem números oficiais. 

O sismo ocorreu 200 quilómetros a Sudoeste de Tuxtla Gutiérrez, cidade que por sua vez fica a 830 quilómetros da Cidade do México e a quase 600 quilómetros da Cidade da Guatemala, as capitais de ambos os países, onde o abalo também foi sentido. É o sismo mais forte registado desde 1985. A população está a receber indicações para se afastar das zonas costeiras.

Segundo o New York Times, as populações saíram em pânico para a rua. As autoridades mexicanas emitiram logo depois um alerta de tsunami e deram ordem de evacuação das zonas costeiras.

O Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico confirma a formação de tsnuami. Depois de admitir que ondas perigosas podiam atingir as costas de México, Guatemala, El Savador, Costa Rica, Nicarágua, Panamá, Honduras e Equador, durante nas próximas três horas, o instituto confirmou a formação de ondas até cerca de três metros.

Foram ainda sentidas réplicas com magnitude superior a 5 na escala de Richter. As autoridades alertam para a probabilidade de continuarem a ser sentidas durante as próximas 24 horas.

O presidente do país, Enrique Peña Nieto já informou que está a caminho do Centro Nacional de Prevenção de Desestras, e que o Governo mexicano vai “reunir-se de imediato para monitorizar, avaliar e tomar decisões”. O líder mexicano alertou a população para estar preparada para as réplicas e para os riscos de queda das estruturas, bem como ao risco de fugas de gás.

Vários utentes foram retirados do interior de hospitais e as camas foram transferidas para a rua. No estado de Chiapas, várias unidades de saúde ficaram sem energia eléctrica, afirma o governador do estado, Manuel Velasco, cita o Guardian. Foi declarado estado de emergência. Foram também suspensas aulas na maior parte das escolas no Centro e Sul do México, em 11 estados do país, para que as autoridades possam avaliar os danos, escreve o El País.

Segundo os números de Peña Nieto, pelo menos 1,6 milhões de mexicanos estão sem acesso a energia eléctrica. 

Não há portugueses entre vítimas mortais

O embaixador português no México afirma que não deverá haver portugueses entre as vítimas mortais. Também o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, afirmou que, em princípio, não haverá portugueses.

"Em princípio, nós não teremos portugueses naquela região. Contudo, a nossa embaixada, que connosco falou às quatro horas da manhã, transmitiu que continuava a acompanhar todas as informações e em contacto com as autoridades locais", declarou à agência Lusa.