ADN desmente pretensão de suposta filha de Salvador Dalí

Exame aos restos mortais do pintor catalão não confirmou a paternidade reivindicada por Pilar Abel Martínez.

Foto
Salvador Dalí Reuters

Afinal, Pilar Abel Martínez não é filha de Salvador Dalí (1904-1989), como a cartomante catalã vinha reivindicando desde há uma década, e que em Julho passado conseguiu mesmo a exumação do cadáver do pintor surrealista no âmbito do processo judicial que interpôs num tribunal de Madrid exigindo o reconhecimento desse seu vínculo familiar.

Citando fontes da Fundação Gala-Salvador Dalí, os jornais espanhóis ABC e El País noticiam esta quarta-feira o resultado dos exames ao ADN recolhido aquando da exumação do corpo embalsamado do pintor, na noite de 20 para 21 de Julho, do túmulo instalado no Teatro-Museu Dalí em Figueres, localidade catalã onde o autor de A persistência da memória nasceu em Maio de 1904.

Fica assim definitivamente anulada a pretensão de Pilar Abel Martínez, que diz ter nascido em 1955 “fruto de uma relação de amizade que se converteu num amor clandestino” entre a sua mãe, Antonia Martínez, e o pintor. Esta mulher, hoje com 87 anos, paralisada e que continua a viver em Figueres, trabalhava então como empregada doméstica para uma família na vila costeira de Cadaqués, e foi aí que terá conhecido e terá mantido uma relação passional com Dalí.

Como não conseguiu documentar este episódio e esta relação de outra forma, a filha de Antónia, Pilar Abel, recorreu ao tribunal pedindo os exames de ADN. Contra a vontade da Fundação Gala-Salvador Dalí, o tribunal de Madrid aceitou a sua pretensão, e a verificação foi feita tendo em vista o julgamento que ficou entretanto agendado para 18 de Setembro.

Com os resultados agora conhecidos, realizados nos institutos forenses de Madrid e de Barcelona, fica esfumada a pretensão de Pilar Abel passar a utilizar o apelido Dalí, mas também de se candidatar a receber dois terços da herança do pintor e aceder aos direitos de autor associados à sua obra e património, que entretanto – e porque o pintor não deixou descendência – transitaram para o Estado espanhol e para a fundação com sede em Figueres.