Santander Totta aprova compra do Banco Popular Portugal

O Santander Totta já aprovou a compra da operação em Portugal do Banco Popular, na sequência do resgate do espanhol Banco Popular e aquisição pelo grupo Santander

Foto
O Santander Totta, liderado por Vieira Monteiro, “incorporará juridicamente o Banco Popular Portugal, incluindo a totalidade do seu activo e passivo” LUSA/MIGUEL A. LOPES

“Na sequência da aquisição do Banco Popular Español pelo Banco Santander, no âmbito da medida de resolução aprovada pelo Mecanismo Único de Resolução (…), e no contexto da integração em Portugal do negócio do grupo Banco Popular no Grupo Santander, foram hoje aprovadas” várias operações, disse esta terça-feira o banco liderado por Vieira Monteiro em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A aquisição mais significativa aprovada em conselho de administração é a compra pelo Santander Totta de “100% do capital social do Banco Popular Portugal”, não referindo o comunicado o preço a que se dará a transacção.

A nota ao mercado dá ainda conta da compra pelo Santander Totta ao Banco Popular Espanõl de 84% da seguradora Eurovida, assim como da aquisição pela Totta Urbe - Empresa de Administração e Construções da carteira de activos da Consulteam – Consultores de Gestão.

Ainda segundo o comunicado, foi também aprovada a fusão legal do Santander Totta e do Banco Popular Portugal, pelos conselhos de administração dos dois bancos, sendo que pelo projecto de fusão o Santander Totta “incorporará juridicamente o Banco Popular Portugal, incluindo a totalidade do seu activo e passivo”. Para estas aquisições e a fusão prosseguirem falta agora a ‘luz verde’ de reguladores e supervisores.

A 6 de Junho, o Banco Central Europeu (BCE) decretou que o espanhol Banco Popular não era viável e determinou a sua resolução, tendo então o espanhol Santander acordado comprar o Banco Popular pelo preço simbólico de um euro.

Para permitir a compra, o conselho de administração do Banco Santander concordou com um aumento de capital de sete mil milhões de euros, que garantirão o capital e as provisões necessários para que o Banco Popular possa operar com normalidade.

Esta operação tem impacto em Portugal, onde o Santander detém o Santander Totta, pelo que foi conhecido então que Santander Totta ia integrar a operação do Banco Popular Portugal, incluindo os seus 1.000 trabalhadores.

Em 8 de Agosto, no dia em que a Comissão Europeia deu a aprovação final à compra do Banco Popular pelo Santander, fonte oficial do Santander Totta disse à Lusa que o banco ia então avançar com os procedimentos formais para a compra do Popular Portugal e para a fusão legal e das marcas.

Nota: Notícia corrigida às 19:01 eliminando a frase de que o Santander espera que a operação esteja concretizada até final do ano, uma vez que a concretização da operação está dependente das autorizações dos órgãos reguladores.