Frances McDormand tem a bacia de John Wayne

Para o seu papel de mãe vingadora que empurra a justiça com as suas mãos, a actriz diz ter-se inspirado no mítico cowboy. O entusiasmo que está a desencadear Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, de Martin McDonagh, faz com que ela junte à Margo de Fargo esta Mildred Hayes.

Fotogaleria
Three Billboards Outside Ebbing, Missouri TWENTIETH CENTURY FOX FILM CORPORATION
Fotogaleria
Three Billboards Outside Ebbing, Missouri TWENTIETH CENTURY FOX FILM CORPORATION
Fotogaleria
Martin McDonagh EUAN KERR/MINNESOTA PUBLIC RADIO
Fotogaleria
Ex-Libris – The New York Public Library ZIPPORAH FILMS
Fotogaleria
Ex-Libris – The New York Public Library ZIPPORAH FILMS
Fotogaleria
Frederik Wiseman ERIK MADIGAN HECK

Frances McDormand diz que não se importa, rendeu-se a uma inevitabilidade: na sua pedra tumular vai rezar que foi a Marge Gunderson de Fargo (1996), filme de Joel e Ethan Coen. Mas o entusiasmo que está a desencadear Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, de Martin McDonagh, prenuncia que ela terá de se decidir: terá de levar para a tumba também Mildred Hayes – o entusiasmo dá-lhe até já outro Óscar.

Começamos por agradecer a Frances ela ter libertado o Clint Eastwood que existe nela. Ela diz que foi John Wayne. No filme nao se vê, explica, porque ficaram fora da montagem, mas havia cenas em que imitava o andar de Wayne, o peculiar movimento que se desprendia da sua bacia. Foi num ícone masculino que se inspirou para a personagem de uma mãe, numa pequena cidade americana, que empurra a máquina policial e judicial, através da compra de provocatório espaço publicitário, para que descubra quem violou e matou a filha. Isto vai desencadear episódios sanguinolentos como nos filmes de Tarantino – ou dos irmãos Coen...

Clint ou Wayne, tanto faz. O que interessa é o aparecimento do cowboy na personagem de Frances, algo que o realizador diz que só ela consegue fazer – além do mais, sublinha, é actriz que não cortou com a sua linhagem operária, e ele, Martin McDonagh, dramaturgo, argumentista, realizador (Em Bruges, 2008; Sete Psicopatas, 2012), escreveu a pensar nisso, a pensar nela.

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri (competição) joga por um lado com o vigilantismo, com a vingança; por outro, com a redenção, escrevendo para as personagem um arco como o de John Wayne, que começava como racista n’A Desaparecida (John Ford, 1956). Martin McDonagh escreveu para gente que conhecia, Frances, Woody Harrelson e Sam Rockwell (polícias da cidade), e “o truque foi...”, diz ele, e depois emenda, “não foi truque”... Mas sim, a boca fugiu-lhe para a verdade, é um truque, dominado, apurado, mas é um truque de argumentista, esse, de apresentar as personagens todas como racistas, violentas, e depois, como coreografia desenhada, começar a mostrar delas, lá para metade do filme, um outro lado, suspendendo finalmente tudo na “humanidade” reencontrada. O espectador, sossegado, sai cheio de divertimento e sem culpa.

Os actores são virtuosos, o argumento dá-lhes palavras e situações que eles valorizam, mas o jogo impede que desça sobre as personagens qualquer dimensão trágica, autodestrutiva – como acontece no cinema de Tarantino, por exemplo, de quem o filme se aproveita mas com quem nunca estará à altura de ser comparado. E impede que o divertimento seja a epifania cinematográfica que por aqui se grita. Esta viagem é sempre uma descoberta decidida do exterior pelos desígnios do cineasta-argumentista. Nunca a sentimos como (des)governada por infernais (e humanas) personagens.

Há algo que se perde, também, em Ex-Libris – The New York Public Library, o novo filme de Frederick Wiseman (cineasta pela primeira vez em concurso em Veneza). Nos três últimos filmes, At Berkeley (2013), National Gallery (2014) e In Jackson Heights (2015), há um olhar sobre instituições, respectivamente uma universidade e um museu (silencioso jogo de olhares, este...), e sobre um bairro (Queens, Nova Iorque), que, se disfarçava o afecto, era permeável a ele. Fundamentalmente, colocavam-se em relação os filmes e as instituições – senão com figuras ou personagens, pelo menos com os movimentos e gestos de um grupo, de uma comunidade. A Biblioteca Pública de Nova Iorque, com as suas 92 divisões espalhadas por Manhattan, Bronx e Staten Island, é uma biblioteca pública mas não é apenas, nem fundamentalmente, um espaço de livros. É um espaço de saber e de acesso ao mundo, ali se concretizam a democracia e os seus valores fundamentais. Por isso surpreende esta espécie de desinteresse, se podemos chamar-lhe assim, de Wiseman por uma dinâmica, pelo seu movimento. Ex-Libris – The New York Public Library é dos mais monolíticos dos seus filmes. O mais institucional do cineasta das instituições.