Balsemão: 80 anos, um império em risco e um Marcelo no sapato

A biografia do patrão da Impresa elaborada por Joaquim Vieira mostra um homem que desafia o establishment político e social em que nasceu e ergueu um império de media, hoje em risco.

Francisco Balsemão e Sá Carneiro estiveram juntos desde a "ala liberal" em 1969
Francisco Balsemão e Sá Carneiro estiveram juntos desde a "ala liberal" em 1969 DR
Já como primeiro-ministro, Balsemão chama Marcelo para o Governo
Já como primeiro-ministro, Balsemão chama Marcelo para o Governo DR
Balsemão tem a fama (e o proveito) de playboy
Balsemão tem a fama (e o proveito) de playboy DR
Fotogaleria

Nasceu em berço de ouro, no seio de uma família enquistada na ditadura, faz hoje 80 anos. Teve sempre a fama (e algum proveito) de playboy. Mas tornou-se, pela sua própria obra, uma das personalidades portuguesas mais influentes do século XX. “Se o mundo se divide em actores e espectadores, Francisco Balsemão foi um actor, quando tudo o empurrava para a confortável posição de espectador”, escreve Joaquim Vieira no epílogo da biografia não autorizada lançada esta semana pela Planeta.

O subtítulo do livro serve de epitáfio ao biografado – “O patrão dos media que foi primeiro-ministro” – e centra de imediato o foco naquilo que é a grande obra de Francisco Pinto Balsemão: o império criado a partir do Expresso e que se tornou “uma grande nau” com a SIC, onde pontua uma vasta carteira de títulos de revistas agora ameaçada de venda ou extinção. Mas antes de ser patrão – e antes mesmo do 25 de Abril -, Balsemão surge como jornalista lúcido, com uma visão muito clara da importância do jornalismo para a democratização da sociedade, a par da abertura do regime aos partidos políticos.

Desde que recebeu em herança, aos 27 anos por morte do pai, uma quota do Diário Popular – detido na maior parte pelo tio -, que Balsemão começou a revolucionar o título de que se tornou, na prática, director. Em 1971 edita “Informar ou Depender?”, um livro acerca do estado da comunicação e do jornalismo no mundo e em Portugal, no qual apoia o projecto de Lei de Imprensa que apresentara juntamente com Francisco Sá Carneiro em Abril de 1970, na Assembleia Nacional.

“A grande inovação do documento de Balsemão e Sá Carneiro consistia na extinção da censura prévia, excepto para notícias de natureza militar enquanto durasse a guerra em África. Também se preconizava a livre formação de empresas de comunicação, a liberdade de recolha e difusão de informação e o fim do julgamento dos crimes de liberdade de imprensa por tribunais especiais. Incentivava-se ainda a formação de conselhos de redacção e elaboração de um código deontológico dos jornalistas”, escreve Joaquim Vieira.

Balsemão tinha chegado à Assembleia Nacional com a anuência do próprio Marcello Caetano, numa lista de 20 nomes para as eleições de 1969, encomendada para passar a imagem de que havia alguma oposição ao regime no Parlamento. Claro que o facto de o jovem licenciado em Direito ser administrador do jornal mais influente à época foi decisivo.

A campanha desta lista dita renovadora – com Francisco Sá Carneiro, Miller Guerra, José Pedro Pinto Leite – foi bem sucedida, elegeu 19 dos 20 nomes e cedo foi baptizada de “ala liberal”. Sentados ao lado um do outro por imposição alfabética, os Franciscos - Balsemão e Sá Carneiro - identificam-se de imediato. A liberdade de expressão e de imprensa era apenas um dos pontos em comum. A questão colonial e a abertura aos partidos políticos eram outras em que os dois deputados acabariam por apresentar propostas legislativas conjuntas, sempre chumbadas. E que os puseram em evidente rota de colisão com o marcelismo.

“Foi já em fase de aberto conflito político entre os liberais e o presidente do Conselho que surgiu, na Primavera de 71, uma generosa proposta de compra do Diário Popular pelo Banco Borges & Irmão”, encabeçado por uma das famílias dominantes da economia e muito próxima da ditadura. O jornal acabou vendido e Balsemão começou a preparar a sua nova aventura: o Expresso, que veria a luz do dia a 6 de Janeiro de 1973.

Marcelo, o enfant térrible

É na fase final da preparação do Expresso que surge o jovem licenciado em Direito Marcelo Rebelo de Sousa, filho do ministro Baltazar, que se tornará um compagnon de route de Balsemão, primeiro no semanário e depois no governo, mas ao mesmo tempo uma permanente pedra no seu sapato. Marcelo obtinha informação privilegiada de dentro do regime e utilizá-la-ia profusamente nas suas análises, nas notícias e na secção ‘Gente’”, de que se tornou editor.

Desde o arranque do Expresso que as relações com a censura foram apertando, mas o pico foi atingido com a edição de 2 de Junho de 73. Balsemão deixara Marcelo a fechar o jornal e este optou por ignorar os 54 cortes da censura, publicando tudo na íntegra, além de terem sido recuperados textos antes eliminados pelo lápis azul. “Tratou-se de uma edição incendiária, com notícias, na primeira página, dando conta de uma divisão política entre os combatentes em África”, por exemplo, e que Rebelo de Sousa defendeu dizendo. “Foi uma opção!”.

A consequência foi a exigência de prova de página durante dois meses, o que significava que ao Exame Prévio já não iam os artigos soltos, mas em página inteira, já maquetada. Isso implicava um trabalho brutal a cada corte e poderia mesmo inviabilizar o jornal, por atrasar o fecho da edição e poder pôr em causa a sua distribuição e venda. Não foi a única vez que aconteceu.

A "barriga de aluguer" do PPD

O 25 de Abril salva o Expresso da falência, escreverá mais tarde Balsemão, lembrando que o semanário estava mais uma vez sujeito ao regime de prova de página. A revolução não salva só o jornal, coloca-o antes no epicentro da mudança política. Da janela da Duque de Palmela, muitas personalidades assistiram à revolução – André Gonçalves Pereira, Miller Guerra, Magalhães Mota, passam por lá os advogados Jorge Sampaio, José Manuel Galvão Teles, Vasco Vieira de Almeida. “Pelo Expresso, e pela mão do seu proprietário, passa a grande corrente da transição para a democracia”, escreve Vieira. No dia seguinte, Sá Carneiro surge no Expresso e avança com a ideia da criação de um partido “à direita do PS mas sem conotações direitistas”.

O semanário “acaba por ser a barriga de aluguer da formação em gestação, como explicará Marcelo Rebelo de Sousa, falando desses ‘frenéticos’ dias iniciais de Maio: ‘No Expresso fazia-se, naqueles momentos, mais política partidária do que jornalismo’”. Ali nasceu o Partido Popular Democrático (PPD, mais tarde rebaptizado PSD). Em 1975, Balsemão e Marcelo são eleitos para a Assembleia Constituinte, mas depois ficam fora das listas para as legislativas de 76, acusados de estarem entre os críticos de Sá Carneiro, embora o neguem. Os dois continuam a ser a “espinha dorsal do conteúdo do Expresso”, conta a Vieira Vicente Jorge Silva: “O Marcelo e o Balsemão tinham as cachas [jornalísticas] porque sacavam aquilo nos mentideiros dos bastidores políticos. Era uma coisa feita assim, o resto era verbo de encher”.

Apesar da proximidade entre ambos e de Balsemão se divertir com as cenas loucas de Rebelo de Sousa, Marcelo estava “constantemente a morder na canela do Balsemão”. O cúmulo aconteceu em Agosto de 78, quando no meio de uma das notas da secção ‘Gente’, escrita por Marcelo, aparece a célebre frase “O Balsemão é lelé da cuca”. O incidente resultara – narra Vicente Jorge Silva, de uma aposta com a Margarida Salema, “com quem tinha um namoro”. Balsemão ficou furioso mas não o despede. Marcelo pediu desculpas e disse-lhe que o via “como um pai”. Mas as marcas são profundas.

"Matar o pai"

Ainda assim, é a Marcelo que Balsemão deixa a direcção do Expresso quando vai para o governo, primeiro como ministro de Estado adjunto do primeiro-ministro, em 1980, e no ano seguinte como primeiro-ministro, após a morte de Sá Carneiro. “Esta decisão acaba por ser terrível: Marcelo publica coisas que não agradam, faz críticas e acaba por surgir uma instabilidade dentro do governo”, conta Vieira ao Sol.

Quando Balsemão se demite de primeiro-ministro e a AD volta a ganhar eleições, o proprietário do Expresso chama Marcelo para o novo governo, acreditando que ele era menos perigoso ali do que no semanário. “O jornal andava a matar o pai, no sentido mais freudiano da palavra. Uma das razões por que [o] chamei para o governo foi para o afastar do jornal”, disse Balsemão numa entrevista a Clara Ferreira Alves.

Mas cedo o primeiro-ministro se apercebe de que era ele a origem de muitas fugas de informação. Balsemão acaba por convidar Marcelo a demitir-se mas é este quem escolhe o timing: “Lamentar-se-á Balsemão acerca do gesto de saída do seu irrequieto ministro: ‘Apresentou a demissão quatro dias antes das autárquicas, com a promessa de nada revelar até às eleições, mas no próprio dia ou no dia seguinte a notícia estava no Expresso”, conta Vieira.

Balsemão haveria de sair pouco depois de Marcelo, empurrado pelo abandono inesperado de Freitas do Amaral do Governo logo a seguir às autárquicas. Foi um fim de ciclo muito difícil: Eanes dissolveu o Parlamento, mas o processo de transição até ao governo liderado por Mário Soares havia de durar cinco meses. Freitas do Amaral não aceitou mesmo prolongar a permanência no Governo, fez-se substituir por Ricardo Bayão Horta, mas escreveu a Balsemão propondo-se “colaborar na elaboração dos diplomas legais exigidos pela Lei de Defesa”, mas “como jurista privado que terá de ganhar a sua vida”. A carta manuscrita é uma das revelações desta biografia.

Depois de sair do governo, no regresso ao Expresso – e apesar da independência que sempre jurou assegurar às suas direcções editoriais -, Balsemão fez uma lista de três pessoas que estavam proibidas de colaborar no semanário. Um deles era Marcelo Rebelo de Sousa “porque lhe tinha feito patifarias”, nas palavras de José António Saraiva.

SIC, a grande nau

O mais ambicioso objectivo para onde Balsemão há muito apontava era o da criação de uma estação privada de televisão – só permitida após a revisão constitucional de 1989. Vieira revela que desde 1986 que os documentos internos da Sojornal abordavam tal projecto. Nesse ano comprou uma máquina de impressão, adquire A Capital e cria a holding Controljornal, para gerir as participações que vai adquirindo. Nos anos seguintes o grupo cresce: integra várias revistas, adquire uma das maiores rotativas do país, entra na distribuidora VASP, cria empresas para importar papel, para o mercado da publicidade e na área do vídeo.

Mas quando o grupo vai de vento em popa, o “navio almirante” Expresso é abalado por uma forte crise: Vicente Jorge Silva, Jorge Wemans e um importante grupo de jornalistas – cerca de metade, mais serviços de apoio - saem para fundar o PÚBLICO, depois de Balsemão ter recusado transformar o semanário em diário. Recompõe-se, enfrenta a concorrência do novo diário e também do Independente, semanário criado em 1988 por Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas, mas consegue chegar ao fim dos anos 80 com uma posição consolidada. 

Dirá o próprio Balsemão: “Em 87 comecei a insistir com a televisão privada”. Bastava só aguardar que o governo abrisse concurso para candidaturas a canais privados. A favor do projecto televisivo, sacrificou mesmo manter-se na política activa. E perdeu três oportunidades de se candidatar à Presidência da República.

Em 1990, cria a super-holding Impresa e apresenta a candidatura a um dos canais privados de televisão cujo concurso abre nesse ano, criando para isso a empresa Sociedade Independente de Comunicação Social (SIC), SA. “O principal obstáculo à criação de raiz de uma estação de TV em Portugal era de ordem financeira”, explica Joaquim Vieira, que revela como Balsemão recorreu a um “testa de ferro” para contornar a proibição legal de investidores estrangeiros deterem mais de 10% de empresas de comunicaç��o social.

Desenhado o modelo, contratados os principais rostos – Emídio Rangel vai acumular de início as direcções de programas e de informação -, a SIC vai para o ar a 6 de Outubro de 1992, muito antes da concorrente TVI. Mas a afirmação junto do público tardou a chegar. Só ao fim de três anos e muito dinheiro pedido aos accionistas a SIC começou a liderar as audiências. Escreve Vieira: “A fórmula com que o canal privado triunfou, ultrapassando a RTP em audiências a partir de 1995, foi aquela que a estação de serviço público já antes praticava: Telejornal às 20h, seguido de telenovela da Globo e depois programa de entretenimento”.

O caminho não cumprido para Belém

Com uma sólida carreira em termos políticos e empresariais, Balsemão era, no início dos anos 90 – com pouco mais de 50 anos – uma das figuras mais prestigiadas da sociedade portuguesa e ainda com ambições políticas. Em Fevereiro de 1991, afirma em entrevista que “em política, nunca ninguém se reforma totalmente” e diz Vieira que, nessa altura, “só poderia almejar a um objectivo: a Presidência da República”. No entanto, falham todas as oportunidades: a primeira seria em 1996, no final dos mandatos de Mário Soares, devido ao avanço do ex-primeiro-ministro Cavaco Silva, que então perde para Jorge Sampaio.

Pondera depois avançar cinco anos depois: “Foi na recandidatura de Sampaio que o Balsemão me pareceu mais interessado”, conta Saraiva, relatando uma reunião em Estremoz onde esteve também Emídio Rangel, Luís Vasconcellos e a Margarida Marante. “O Rangel disse logo que a SIC o apoiava”, afirma Saraiva, enquanto Vieira recorda que poucos anos antes, já como director da SIC, Rangel afirmara que uma televisão tanto pode vender um sabonete como um Presidente da República”. Mas posteriormente Balsemão “disse que pensou e achava que não”. Durão Barroso terá chegado a sondar o dono da SIC nessa altura, mas sem sucesso. E cinco anos depois o nome de Balsemão terá voltado a circular, mas de novo era Cavaco Silva o candidato prioritário na área da direita.

"Um império com pés de barro"

Já com a SIC de vento em popa, Balsemão vai juntando outros títulos ao seu portfolio, como a Caras (1995), a Blitz (1994) ou a Visão (1999). Pelo caminho, no entanto, teve de socorrer-se de vários empréstimos bancários e operações financeiras. No início do século XXI, a “grande nau” em que a Impresa se tornara estava nas mãos dos bancos. “Grande nau, grande tormenta”, escreve Vieira.

Os anos seguintes são ainda mais difíceis: o desafio do digital e da gratuitidade inerente, a quebra das receitas da publicidade e a dependência do financiamento bancário – sobretudo face ao BES, que acabaria por colapsar – arrastam a nau para mares tumultuosos de onde ainda não conseguiu sair, como mostra a ameaça de encerramento das revistas do grupo até ao final do ano. Conclui o biógrafo: “No fim, Balsemão deixa aos herdeiros um império com pés de barro, um grupo que continua sem capitais próprios e que lhes poderá acarretar, no mínimo, enormes dores de cabeça”.