Alerta terrorista em Portugal? Grau de ameaça continua moderado, dizem autoridades

Secretária-Geral do Sistema de Segurança reage a rumores que circulam desde ontem. PSP diz que ameaça "em princípio é informação falsa".

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda
Foto
A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda LUSA/TIAGO PETINGA

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna garante que Portugal não alterou o grau de ameaça terrorista e que este "se mantém em grau moderado".

"Portugal não alterou o grau de ameaça, que se mantém em grau moderado", informou em comunicado o serviço dirigido por Helena Fazenda.

A Secretária-Geral do Sistema de Segurança Interna informa ainda que "todas as forças e serviços de segurança que integram a Unidade de Coordenação Antiterrorismo estão a trabalhar em completa articulação e em cooperação com as suas congéneres, acompanhando o contexto internacional no âmbito da ameaça terrorista".

Contactada pela agência Lusa, Helena Fazenda explicou que o comunicado foi emitido porque estavam a circular "rumores" sobre a subida dos níveis de alerta contra o terrorismo em Portugal. 

O PÚBLICO sabe, porém, que não são apenas rumores: as autoridades estão preocupadas com aquilo que é descrito como sendo uma “eventual ameaça” terrorista, tendo tido lugar esta quarta-feira uma reunião da Unidade de Coordenação Anti-Terrorista para discutir o problema. Helena Fazenda não nega a existência do encontro desta unidade, onde estão representadas as principais forças de segurança, mas desvaloriza-a: “Se reunimos, é porque reunimos. Se não reunimos, é porque não reunimos”, disse ao PÚBLICO.

Ainda antes do comunicado da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, a PSP negou ao PÚBLICO a existência de um alerta terrorista em Lisboa, que tem vindo a circular por mensagens de telemóvel e nas redes sociais desde quarta-feira. "A PSP não confirma esse dado, em princípio é uma informação falsa que circula na internet", disse o porta-voz do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, Hugo Abreu. Os rumores chegaram à Câmara de Lisboa que não confirma a existência de uma ameaça, remetendo para as autoridades.

O porta-voz da PSP explicou ainda que o "nível de alerta se mantém inalterado" e que as "medidas preventivas são as mesmas que têm vindo a ser tomadas e que foram amplamente noticiadas", acrescentou.

Desde o atentado de Barcelona que começaram a ser implementadas algumas medidas preventivas, com a colocação de blocos de cimento em algumas artérias da cidade e com mais polícias nas ruas. Aliás, houve um "reforço" em algumas zonas destas medidas preventivas que já estavam a ser tomadas, mas devido a eventos que se vão realizar no próximo fim-de-semana. 

Em declarações à Lusa, o porta-voz da direcção nacional da PSP, Hugo Palma acrescenta que se "aproxima um fim-de-semana com muitos eventos", sublinhando que as medidas preventivas prevêem o alargamento dos perímetros de segurança em redor dos acontecimentos, com colocação de barreiras específicas e que "não surgiu nada de novo". "Da parte da PSP, não há identificação de qualquer risco ou ameaça em termos de terrorismo", reforçou.

No Porto espera-se que assistam este fim-de-semana à Red Bull Air Race perto de um milhão de pessoas, razão pela qual foi mobilizado todo o pessoal do comando metropolitano da PSP, num total de cerca de 3500 agentes. Neste contingente incluem-se os homens da Unidade Especial de Polícia, que não foi, porém, alertada para nenhuma ameaça relacionada com o terrorismo. Equacionada a visibilidade que terá este policiamento no Porto, foi decidido reforçar também, por uma questão de equilíbrio, o patrulhamento em Lisboa.