Economia portuguesa cresceu 2,9% no segundo trimestre

Dados do INE mostram uma ligeira revisão em alta face à estimativa rápida divulgada a 14 de Agosto.

A procura interna manteve um contributo positivo elevado, diz o INE
Foto
A procura interna manteve um contributo positivo elevado, diz o INE Fernando Veludo/NFACTOS

A economia portuguesa cresceu 2,9% no segundo trimestre deste ano, face a igual período do ano passado, e aumentou 0,3% face ao primeiro trimestre, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Estes valores constituem uma ligeira revisão em alta dos dados divulgados também pelo INE a 14 de Agosto, na sua estimativa rápida, onde o Instituto apontava para um crescimento de 2,8% em termos homólogos e de 0,2% em cadeia.

Com estes resultados, a economia portuguesa continuou, assim, a acelerar, já que no primeiro trimestre do ano, o PIB tinha registado um crescimento de 2,8% em termos homólogos. Já na evolução face ao trimestre anterior, houve uma desaceleração, com a variação em cadeia da economia a passar de um crescimento de 1% no primeiro trimestre para os 0,3% agora divulgados.

Segundo o INE, a evolução de 2,9% da economia no segundo trimestre resulta de um ligeiro contributo "positivo" da procura externa líquida "verificando-se uma desaceleração em volume das Exportações de Bens e Serviços de magnitude idêntica à observada nas Importações de Bens e Serviços". Já "a procura interna manteve um contributo positivo elevado, superior ao do trimestre precedente, em resultado da aceleração do Investimento", sublinha o Instituto.

Em relação à variação em cadeia da economia - face ao trimestre anterior -, o INE sublinha que "o contributo da procura externa líquida" foi negativo, "verificando-se uma ligeira redução das Exportações de Bens e de Serviços". Já o contributo positivo da procura interna aumentou devido "ao comportamento do Investimento, verificando-se contributos positivos da Variação de Existências e da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), embora no último caso menos intenso que o observado no trimestre anterior".