Egipto reabre museu dedicado a um dos favoritos de Hitler

É uma gruta numa colina com vista para o Mediterrâneo, mas é também um museu. Foi o quartel-general do homem que comandou as tropas do Eixo no Norte de África – Erwin Rommel, o mesmo que o Führer forçou ao suicídio.

Foto
Erwin Rommel (ao centro, de cachecol) na Líbia, em Novembro de 1941 DR

A notícia vale, sobretudo, pela história que permite lembrar – a de um hábil e carismático oficial nazi que planeou conquistar o Norte de África a partir de uma gruta no Egipto e perdeu. Chamava-se Erwin Rommel e as lendas que se construíram à sua volta fascinaram académicos e ficcionistas, dando origem a muitos livros e filmes.

Parte da carreira deste homem que comandou várias unidades do Exército alemão, esteve ao lado de Hitler durante a invasão da Polónia e tem uma extensa lista de condecorações graças aos seus méritos como estratega volta agora a estar mais acessível a todos os que visitarem o museu que lhe é dedicado e que foi reaberto este fim-de-semana, depois de ter estado encerrado seis anos para renovação.

Está instalado precisamente no local de onde Rommel comandou o Afrika Korps (o corpo expedicionário alemão que foi enviado para o Norte de África para ajudar as tropas de Mussolini a conterem o avanço dos britânicos naquele território e que ali acabou por combater os aliados entre 1941 e 1943) – uma caverna do tempo dos romanos numa colina de Marsa Matruh, cidade turística à beira do Mediterrâneo, a 500 quilómetros do Cairo, a capital.

A data escolhida para esta reinauguração coincide com o 75.º aniversário das batalhas de El Alamein, que ditaram o princípio do fim do Eixo em África, cenário de guerra em que este general, um dos favoritos de Hitler, cimentou definitivamente a sua popularidade e ganhou o “cognome” por que ficaria conhecido graças aos seus audaciosos ataques surpresa – Raposa do Deserto.

“Este é um acto cheio de simbolismo”, disse ao diário espanhol El Mundo o ministro das Antiguidades egípcio, Khaled al Anani, evocando o aniversário e o facto de esta gruta – que os romanos usavam para armazenar cereais e que hoje guarda artefactos militares e objectos pessoais do homem que o Führer nomeou marechal de campo e depois forçou ao suicídio – ter estado fechada boa parte da última década. O material exposto, esclarece Al Anani, “foi cedido pela família Rommel, pela polícia local e pelo Ministério das Antiguidades”.

Adversário corajoso

Do acervo exposto ao longo das galerias deste pequeno complexo subterrâneo fazem parte, por exemplo, uma bússola e um casaco de cabedal comprido que pertenceram ao general, uma arca de madeira onde guardaria a roupa e vários esboços de planos de batalha onde se torna evidente a sua competência enquanto líder militar astuto, versátil, atento e perfeccionista, características referidas em muitos dos perfis que sobre ele se podem ler e reconhecidas pelo inimigo. “Nós enfrentamos um adversário corajoso e hábil”, disse o primeiro-ministro britânico Winston Churchill ao falar sobre Rommel no Parlamento.

Caixas com ficheiros dos soldados que faziam parte do Afrika Korps, condecorações várias, fotografias, exemplares do jornal produzido pelas tropas alemãs estacionadas no Norte de África, armas, uniformes e outros equipamentos militares estão distribuídos pelo percurso expositivo, que tem vitrinas novas e sistemas de iluminação e segurança actualizados, enumeram o diário espanhol ABC e dois jornais da região.

Segundo a directora dos museus do Ministério das Antiguidades, Elham Salah, a gruta de Rommel, musealizada desde 1998, existe para “prestar homenagem à carreira” do marechal de campo alemão, “fomentar o turismo” e “aumentar os conhecimentos de História da população egípcia”. Aparentemente, “homenagear” nestas circunstâncias um oficial do Exército nazi não causa qualquer desconforto às entidades oficiais.

A gruta que se converteu no quartel general das tropas do Eixo naquele cenário de operações e a praia ali bem perto que tem o nome do general alemão, não são, infelizmente, os únicos vestígios do conflito naquela região costeira. Além do cemitério onde estão sepultados mais de quatro mil soldados que Rommel comandou e que parece uma fortaleza, há, assegura ainda o diário El mundo, inúmeros exemplares dos 17 milhões de minas e outros dispositivos explosivos ali “plantados” durante a Segunda Guerra Mundial, muitos deles ainda activos. Os beduínos e camponeses que ali vivem e trabalham são, muitas vezes, deles vítimas.

Segundo um censo que é feito desde 1982 e, por isso, é parcial, mais de 700 pessoas morreram e 7600 ficaram mutiladas na sequência de explosões esporádicas, números que levam a população local a chamar Jardim do Diabo àquelas dunas do deserto egípcio onde o Eixo de Erwin Rommel e os Aliados de Bernard Montgomery se defrontaram. São quase 300 mil hectares na província de Marsa Matruh, a 180 quilómetros de El Alamein, e as responsabilidades na transformação deste território num campo de morte são partilhadas pelas duas partes (segundo os dados da ONU, o Egipto está entre os países com mais minas antipessoais e antitanque do mundo).

De herói a conspirador

Perante as dificuldades crescentes no abastecimento e a exaustão que afectava há muito os soldados ali deslocados, Rommel, que obtivera vitórias importantes no Norte de África, pediu a Berlim que autorizasse a retirada das suas tropas. Em vez de aceitar o pedido, Hitler deu ordens para que atacassem o Cairo e o Canal do Suez no Verão de 1942, com os resultados conhecidos – os britânicos travaram as forças italo-alemãs em El Alamein, em combates duríssimos, e o Führer acabou por determinar que regressassem a casa em Março do ano seguinte.

Rommel foi então colocado em França, com o encargo de proteger a linha de costa. Mas Hitler e outros oficiais mais graduados discordaram dos seus planos – ignoraram, por exemplo, quando o general defendeu que um ataque aliado se faria, muito provavelmente, tendo as praias da Normandia por entrada – e acabaram por pôr em causa a “muralha” alemã.

Perante isto, Rommel começou a duvidar do discernimento de Hitler e da sua capacidade para estabelecer um acordo com as potências aliadas. Depois dos desembarques da Normandia, em Junho de 1944, aliás, chegou a dizer ao líder do III Reich que a guerra estava perdida e que era preciso encontrar uma solução para a paz.

Conhecedora da sua opinião, a oposição a Hitler, clandestina, naturalmente, propôs ao general que dirigira o Afrika Korps assumir o cargo que pertencia ao ditador nazi na eventualidade de este vir a ser deposto, mas sem nunca revelar que tencionava assassiná-lo. Rommel, dizem os livros de História, não rejeitou a proposta, mas nunca teria concordado com tal plano – executar alguém por motivos políticos era algo que nunca aceitara, nem às ordens de Hitler (que o diga o capitão britânico Roy Wooldridge, capturado durante uma missão de reconhecimento na Normandia,  que foi salvo pelo general de um pelotão de fuzilamento e enviado para um campo de prisioneiros, não sem que antes Rommel lhe oferecesse uma farta refeição, uma cerveja e um maço de cigarros, depois de perceber que o militar nada diria sobre os planos aliados, conta a BBC).

Em Julho de 1944, o carro onde seguia foi atingido durante um bombardeamento aéreo, o que lhe provocou graves ferimentos na cabeça. Estava ainda a recuperar em casa quando dois oficiais lhe bateram à porta. Acusado de conspirar para matar o Führer – alegavam que fora cúmplice da tentativa de homicídio falhada de Von Stauffenberg, a 20 de Julho –, os militares deram-lhe a escolher entre um julgamento público, com a pena de morte como desfecho certo e a sua família enviada para um campo de prisioneiros, e um suicídio discreto com a garantia de que a sua mulher e o seu filho não seriam perseguidos. Desta vez sem surpresas, Rommel escolheu a segunda hipótese, sem deixar claro que papel tivera no golpe contra Hitler. Tomou veneno e foi enterrado com todas as honras militares.

Foi Manfred, o filho que na altura tinha 15 anos, que doou boa parte dos objectos pessoais que agora se podem ver no renovado museu. Lembra-se bem, disse em 2011 ao diário britânico The Guardian, dessa última e breve conversa com o pai, antes de Rommel entrar no carro com os dois oficiais que deveriam levá-lo a Berlim: “Estarei morto dentro de um quarto de hora”, disse-lhe, antes de se despedir.

The Desert Fox, filme de 1951 dirigido por Henry Hathaway, concentra-se precisamente nestes conturbados últimos meses do general que os aliados temiam e, aparentemente, respeitavam. E, passados poucos mais de cinco anos do fim do conflito, não foge a retratá-lo, em parte, como um herói. Erwin Rommel foi, além de um militar brilhante, uma figura no mínimo controversa, mas isso não parece inquietar os egípcios. Não há vestígios de qualquer desconforto nas notícias dos meios de comunicação regionais em língua inglesa sobre a reinauguração deste museu dedicado a um general que esteve entre os eleitos de Hitler.