Concentração é o tema desconhecido da Feira do Livro do Porto deste ano

Expositores terão uma organização diferente, o que permitirá que nenhum deles fique para lá da Capela de Carlos Alberto

Os alfarrabistas terão uma nova área onde estarão concentrados
Foto
Os alfarrabistas terão uma nova área onde estarão concentrados Hugo Santos

Se passar pela Feira do Livro do Porto, que este ano decorre entre 1 e 17 de Setembro, vai notar algumas diferenças. A localização, nos jardins do Palácio de Cristal, é a mesma, mas os expositoress estarão mais concentrados e, entre eles, também os alfarrabistas estarão todos na mesma zona, com mais espaço para que, quem passa, possa folhear à vontade os livros que têm para vender.

A feira não encolheu, contando este ano com 130 expositores, em vez dos 104 da primeira edição organizada pela Câmara do Porto, em 2014, mas tornou-se mais concentrada. Foi isso mesmo que explicou o administrador da Porto Lazer, Nuno Lemos, esta segunda-feira de manhã, numa intervenção na Avenida das Tílias: “Este ano decidimos que os expositores não iriam ultrapassar a Capela de Carlos Alberto”, disse. Além disso, acrescentou: “A pedido dos próprios alfarrabistas, eles vão ficar todos juntos, entre a Concha Acústica e o Lago dos Cavalinhos”.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, precisou, logo a seguir, que a organização da feira vai beneficiando com o que se aprende, “de ano para ano”, e de que a situação dos alfarrabistas é um claro exemplo disso mesmo. “Queixaram-se da falta de mesas para as pessoas poderem folhear os livros que querem comprar. Esta actividade, de facto, num sítio que não é acessível, não funciona”, disse o autarca.

Com um orçamento global de cem mil euros, a Feira do Livro tem, este ano, como figura central Sophia de Mello Breyner Andresen. Com vem sendo habitual, desde que a autarquia passou a organizar sozinha o evento, o carácter comercial da feira é extravasado em larga escala pelo programa cultural que lhe está associado e que passa por colóquios, debates, sessões de cinema, exposições e, este ano, como novidade, um conjunto de “Lições” que, segundo Guilherme Blanc, o adjunto de Rui Moreira para a Cultura, serão verdadeiras “aulas dedicadas a obras ou autores e proferidas por especialistas”.

Três delas vão decorrer na Capela de Carlos Alberto, que se junta assim aos espaços dentro do perímetro dos jardins do Palácio ocupados pela Feira do Livro. É aí que irão decorrer as Lições de Carlos Reis, sobre o Memorial do Convento (obra de José Saramago que celebra 35 anos), a 6 de Setembro; de Ana Luísa Amaral sobre Sophia de Mello Breyner Andresen (9 de Setembro); e de Clara Rowland dedicada a Carlos Drummond de Andrade 13 de Setembro).

A programação cultural criada para a Feira do Livro será complementada com a inauguração da exposição Quatro Elementos, também no dia 1, que não será alheia ao trabalho de Sophia. A parte mais visível será a intervenção de Ana Luísa Amaral, dedicada ao elemento Água e que será transversal a toda a exposição, concretizando na audição de poemas, alguns dos quais inéditos e lidos pela própria Sophia de Mello Breyner Andresen, em gravações cedidas pela família.