Opinião

Inquisição: duas ou três coisas que sei sobre ela

Ter de entrar numa discussão sobre uma canção do Chico não é de perto nem de longe comparável com a Inquisição ou com ser gay há 20 anos na Europa ou negro nos EUA hoje.

Na Torre do Tombo, à direita da escadaria principal, há um espaço a que chamam “Sala dos Índices”. Quando lá obtive o meu cartão de leitor n.º 212, um dos meus hábitos era passar por esta sala no começo da jornada de trabalho e tirar um dossier ao calhas: por exemplo, da Inquisição de Évora. Folheando ao acaso, ali se encontravam as histórias de quem tinha sido apanhado pelo Santo Ofício. Crimes: judaísmo, heresia, apostasia (a maioria das vezes); feitiçaria e pacto com o demónio; “varrer a casa ao contrário”.

Espera aí — varrer a casa ao contrário?! Ao princípio, julguei que se tratava de um qualquer eufemismo. Foi depois que percebi: não havia equívoco. No século XVII, em Portugal, houve mesmo milhares de pessoas presas pela inquisição por coisas tão simples como varrer a casa ao contrário. Explico: a maior parte das mulheres daquele tempo de casas térreas varria sempre o pó para a porta da rua. Algumas mulheres, no entanto, varriam o pó para o centro da sala e recolhiam-no para o mandar fora depois. Informados sobre os hábitos e rituais judaicos, os inquisidores sabiam que muitas famílias cristãs-novas guardavam ainda um rolo de pergaminho com alguns versículos do Deuteronómio, chamado a mezuzah, junto à ombreira da porta. Varrer para a porta era para estas famílias sinal de desrespeito pela palavra de Deus — e, por consequência, sinal de judaísmo para os Inquisidores. E assim muitas mulheres foram parar ao cárcere, onde eram sujeitas a interrogatórios cerrados, por vezes a tortura, e eram obrigadas a denunciar as suas famílias, por varrer o pó para o interior da sala em vez de o varrer para a porta da rua.

Vem a isto a propósito da crónica de ontem do João Miguel Tavares (olá vizinho!) em que ele se queixa das pessoas que se queixam do suposto machismo da última canção do Chico Buarque. Neste caso, estou com ele e com o Chico Buarque no conteúdo. Mas não na forma. É que a certa altura diz o João Miguel que, com o politicamente correto, estamos “num mundo onde as palavras estão sob uma vigilância que já não se via desde os tempos da Inquisição”, e eu sinto-me obrigado a fazer uma precisão. Desde os tempos da Inquisição, as palavras estiveram sob vigilância cerrada no Absolutismo e nas guerras civis do século XIX, no Estado Novo e no século XX quase todo, e até muito recentemente também. As palavras, os gestos, ou simplesmente andar na rua. O “politicamente correto” pode ser uma chatice para muita gente. Para muita outra gente, uma chatice muito maior era (e, muitas vezes, é ainda) não poder revelar quem se é ou quem se ama, ou ser apresentado às autoridades quando se tem uma cor de pele que por si só suscita uma alta probabilidade de condenação por antecipação.

Quem se queixa da vitimização do politicamente correto não o pode fazer exagerando ele próprio na sua vitimização. Ora, ter que entrar numa discussão acesa sobre uma canção do Chico não é de perto nem de longe comparável com a Inquisição e os seus sucedâneos — nem é sequer comparável com ser gay há vinte anos na Europa ou negro nos EUA hoje. Os combatentes do anti-politicamente correto acabam assim por se tornar apenas comparáveis aos excessos que eles criticam nos combatentes do politicamente correto. Até nos extremos da codificação da linguagem: o João Miguel queixava-se há uns tempos do rebuscado que há numa sigla como LGBT+ e os seus derivados, mas agora trata os adversários (no campo do politicamente correto) como SJW, ou Social Justice Warriors, um termo que apareceu pela primeira vez há uns anos num debate tão pueril em extremo quanto agressivo em extremo sobre, imagine-se, jogos de computador. A continuar assim, um dia precisaremos de um dicionário de abreviaturas para seguir as discussões destes queixosos do politicamente correto. E já agora, precisaremos também de umas escalas para fazer comparações históricas com um mínimo de sentido das proporções, e de tino.