Centenas de militares e veículos espanhóis no combate aos fogos em Portugal

Membros de unidade das Forças Armadas operam há dois meses no nosso país. Meios aéreos do país vizinho já fizeram 525 horas de voo e 1814 descargas de água. Neste momento existem 20 aeronaves espanholas em Portugal.

Foto
Paulo Cunha/Lusa

Mais de cinco centenas de militares (551) e 128 veículos da Unidade Militar de Emergências (UME) de Espanha já estiveram a combater os incêndios em Portugal desde 19 de Junho.

No total, segundo revela esta unidade das Forças Armadas espanholas na sua página da Internet, foram feitas quatro intervenções ao abrigo do mecanismo da Protecção Civil da União Europeia accionado pelo Governo português, por duas vezes, e do Protocolo de Cooperação Técnica e Assistência Mútua, subscrito entre Portugal e Espanha, por duas outras ocasiões.

As intervenções dos militares UME aconteceram nos incêndios em Pedrogão Grande, entre 18 e 24 de Junho, Guarda, entre 18 a 20 de Junho e Mação e Niza, de 25 a 29 de Junho. Os militares daquela unidade estão actualmente em operações em curso em Vila do Rei, intervenção que começou a 13 de Agosto. Esta participação da UME foi a maior de sempre realizada em Portugal.

Estes números dizem apenas respeito à participação desta unidade das Forças Armadas espanholas, não incluindo outras ajudas de Espanha, nomeadamente de bombeiros, ou membros de unidades de protecção civil.

Deputados supreendidos com militares

Neste sábado, alguns deputados da Comissão Parlamentar de Defesa, manifestaram ao Expresso estranheza pela presença de veículos militares espanhóis no incêndio de Pedrogão Grande, em Junho, e levantaram dúvidas sobre a sua legitimidade. Disseram ainda que foi evidente a surpresa e desagrado de elementos militares portugueses ao depararem-se com a presença espanhola.

As missões da UME integraram militares pertencentes aos batalhões I, II, IV e V, com sedes em Madrid, Sevilha, Saragoça e Leão, respectivamente, e do Regimento de Apoio a Intervenção de Emergência e Batalhão de Transmissões, com sede em Madrid.

Segundo revela esta unidade na sua página da Internet, o método de trabalho no nosso país teve sempre o mesmo procedimento: após a chegada à zona estabelecida por Portugal, o dispositivo coloca-se às ordens de quem chefia o combate aos incêndios no local, que determina qual o trabalho a realizar pela força espanhola.

A acção desta força tem sido variada: ataque directo às chamas com camiões cisterna, defesa de pontos sensíveis e habitações, abastecimentos de água, vigilância e extinção de reacendimentos, arrefecimento de terrenos e penetrações no combate aos incêndios com ferramentas manuais.

A UME revela ainda que as suas deslocações entre os dois países têm sido feitas por via terrestre, com excepção de uma deslocação feita por meio aéreo, com um avião Hercules que partiu de Saragoça.

A UME foi criada pelo Governo espanhol em 2005, “para melhorar a resposta do Estado em emergências, sendo a primeira unidade de intervenção das Forças Armadas nestas situações”.

Forte intervenção aérea

O trabalho desta força tem sido complementado com a participação de 12 hidroaviões Canadair, pertencentes ao ministério da Agricultura, Pescas, Alimentação e Meio Ambiente de Espanha e operados por tripulações do grupo 43 das Forças Aéreas do Exército do Ar.

Segundo o jornal espanhol La Vanguardia, que cita números oficiais divulgados pela agência noticiosa Europa Press, os meios aéreos espanhóis realizaram, até 20 de Agosto, 525 horas de voo nos combates aos incêndios em Portugal tendo efectuado 1814 descargas de água.

O número de incêndios em que os meios aéreos espanhóis combateram em Portugal, representa 3,7% do total de combates feito por esta força. Em relação ao número de horas de voo no nosso país, estas representam 14,7% das realizadas por estes meios no total este ano.

Segundo a Autoridade Nacional de Protecção Civil revelou ontem ao PÚBLICO, neste momento Espanha tem em acção no combate aos fogos em Portugal dois aviões médios de carga, dois aviões médios anfíbios, seis aviões pesados anfíbios, quatro helicópteros ligeiros, quatro helicópteros médios e dois helicóptero pesados. Com Liliana Valente