Opinião

Chico Buarque, o perigoso machista

Os estilhaços dessa literalidade idiota chegaram agora às canções do pobre Chico, antes amado por entender como nenhum outro a condição feminina. Se até ele é machista, nenhum homem está a salvo.

Francisco Buarque de Hollanda decidiu apresentar o seu próximo disco com o lançamento de um tema chamado Tua Cantiga. O que ele foi fazer. Tua Cantiga, história singela de um homem de família perdidamente apaixonado por outra mulher, tem lá pelo meio os seguintes versos: “Quando teu coração suplicar/ Ou quando teu capricho exigir/ Largo mulher e filhos e de joelhos vou te seguir.” Foi o que bastou para o artista que em tempos foi classificado como “unanimidade nacional” ser acusado de estar a promover em 2017 o velho machismo de 1977. Escreveu Luciano Trigo no Globo: “Chico parece preso a uma visão da mulher – e da relação homem-mulher – dos anos 70 do século passado (…), cujo romantismo se baseava na desigualdade e na assimetria de papéis entre homens e mulheres.”

Parece que a mulher trabalhadora brasileira com menos de 30 anos já não vai em conversa de amores assolapados, e que proferir frases como “na nossa casa serás rainha” (também consta da letra) é uma ofensa para qualquer mulher devidamente empoderada. “Largar mulher e filhos? Que cafajestada é essa?”, pergunta Luciano Trigo. A produtora Flávia Azevedo, escrevendo no HuffPost Brasil, concorda: “Essa mulher que ele evoca, não sou eu. Nem a que somos nem a que queremos ser. Essa que precisa ser salva, que sonha com o reino do lar, essa que goza ao ouvir ‘largo mulher e filhos’.” A obsessão com a linguagem por parte da esquerda mais progressista está a ter esta consequência estranhíssima: torna o seu discurso muito próximo do da direita conservadora. Mesmo um defensor de Chico Buarque disse que Tua Cantiga era uma “canção sobre dois adúlteros”, expressão que já não ouvia desde os tempos em que o arcebispo de Braga tomava posições públicas sobre O Império dos Sentidos.

Chico Buarque já respondeu à polémica, com a inteligência e o humor que Deus lhe deu, reproduzindo no seu Facebook um diálogo que diz ter “entreouvido na fila de um supermercado”: “Será que é machismo um homem largar a família para ficar com a amante? Pelo contrário. Machismo é ficar com a família e a amante.” A piada é boa, mas não chega a ser verdadeira. Ficar com a família e a amante não é machismo, tal como ficar com a família e o amante não é feminismo – é apenas traição. E a traição, até há bem pouco tempo, era algo que somente dizia respeito aos envolvidos. Contudo, num mundo onde as palavras estão sob uma vigilância que já não se via desde os tempos da Inquisição, não só uma simples canção ficcional passa a ser um manifesto machista, como a argumentação alegadamente “feminista” e “empoderada” é ridiculamente parecida com a do Catecismo da Igreja Católica.

Os grupos oprimidos e seus defensores, SJW (Social Justice Warriors) para os amigos, estão diariamente a bombardear o muro que separa as palavras dos actos, fazendo equivaler uns e outros. Que isto seja típico de uma mentalidade totalitária parece não lhes passar pela cabecinha. Os estilhaços dessa literalidade idiota chegaram agora às canções do pobre Chico, antes amado por entender como nenhum outro a condição feminina. Se até ele é machista, nenhum homem está a salvo. Antigamente, eram só os cristãos que iam à missa pedir perdão por pensamentos, palavras, actos e omissões. Os novos sacerdotes do politicamente correcto não querem menos do que isso – exigem que nos ajoelhemos aos pés dos infinitos deuses dos SJW e peçamos perdão não só pelo que fizemos, mas também pelo que dissemos, pensámos e cantámos no duche.