Conselho de Arbitragem tem plena confiança em Jorge Sousa e pede equilíbrio de penas

Árbitro do Porto foi suspenso por três jogos devido a palavras dirigidas ao guarda-redes do Sporting B.

Foto
LUSA/JOSÉ COELHO

O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) manifestou esta terça-feira "plena confiança" no árbitro Jorge Sousa, suspenso por três jogos, e alertou para a diferença de penas entre árbitros e demais agentes.

"Findo o período de inibição de nomeação, o Conselho de Arbitragem (CA) voltará a entregar a Jorge Sousa, com plena confiança nas suas qualidades profissionais e humanas, a tarefa de dirigir jogos nas competições profissionais", disse José Fontelas Gomes.

O juiz da associação do Porto foi nesta terça-feira suspenso por três jogos pelo Conselho de Disciplina (CD) da FPF, por palavras dirigidas ao guarda-redes do Sporting B Stojkovic. Fontelas Gomes garante que "o CA respeita a autonomia e independência dos órgãos e cumprirá a determinação do CD, não nomeando Jorge Sousa para o período definido".

"A este competirá, se o entender, exercer os direitos consignados nos Regulamento Disciplinar, nomeadamente o de recorrer", sublinhou Fontelas Gomes, alertando para "a diferença que existe nas molduras disciplinares a que estão sujeitos os árbitros quando comparados com dirigentes, treinadores e jogadores".

Por isso, "o CA apela à Liga e aos clubes para que, tão rápido quanto seja possível, procedam à equiparação de penas e sua aplicação efectiva entre todos os agentes desportivos".

Fontelas Gomes frisou ainda que Jorge Sousa "é um dos mais experientes árbitros portugueses, internacional e primeiro classificado na época passada", com "uma carreira de 24 anos que fala por si e que nenhum momento menos feliz poderá apagar". "Jorge Sousa tem sido - e continuará a ser – um exemplo para os colegas e para todos os jovens que se iniciam na actividade de arbitrar", disse ainda.

Jorge Sousa foi punido em processo sumário, com base no artigo 198.º do Regulamento Disciplinar, referente a comportamento incorrecto dos árbitros, depois de a Comissão de Instrutores da Liga ter elaborado auto por infracção em flagrante delito, requerido pelo presidente do CD da FPF, José Manuel Meirim.

A solicitação do presidente do órgão disciplinar aconteceu depois de terem sido divulgadas imagens do jogo Real Massamá-Sporting B, da terceira jornada da II Liga, em que se vê e ouve Jorge Sousa dirigir-se ao guarda-redes utilizando linguagem grosseira, situação que mereceu reparos do Sporting num comunicado.