Famílias esperam gastar menos com compras de regresso às aulas

Estudo do Observatório Cetelem revela que o gasto previsto por família é de 399 euros. Há dois anos era de 528 euros. Confederação dos Pais diz que "números não são de estranhar" devido aos "manuais gratuitos".

Foto
Das 600 pessoas inquiridas, 40% têm filhos em idade escolar João Henriques

As famílias contam gastar menos nas compras de regresso às aulas em 2017 do que em anos anteriores, revelam os dados do último estudo do Observador Cetelem sobre as intenções de compra dos portugueses para este período a que o PÚBLICO teve acesso. Em média, o gasto previsto por família é de 393 euros quando no ano passado se situava em 455 euros e em 2015 subia para 528.

PÚBLICO -
Aumentar

Para o presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE), Rui Martins, “estes números não são de estranhar já que no próximo ano lectivo todos os alunos do 1.º ciclo do ensino público vão ter manuais gratuitos” cedidos pelo Ministério da Educação. Esta medida, que em 2016/2017 abrangeu apenas os alunos do 1.º ano de escolaridade, irá agora beneficiar cerca de 320 mil estudantes.

Não é o único factor que contribui para “aliviar o orçamento das famílias”, frisa Rui Martins, que aponta também para o crescente apoio das autarquias, que passa pela “oferta dos passes escolares e de manuais de outros ciclos de escolaridade”.

Pedro Camarinha, director de distribuição do Cetelem, reconhece que o alargamento da gratuitidade dos manuais escolares terá “efeito nos gastos das famílias”, mas considera que “aquele que parece ser o principal factor [para esta redução] são as promoções realizadas nas semanas que antecedem o regresso às aulas, que são cada vez mais vantajosas para os consumidores”. 

Mais concorrência no sector

Acrescenta também que existe hoje “uma oferta cada vez mais alargada, desde papelarias, hipermercados e lojas online, que vieram aumentar a concorrência no sector e, consequentemente beneficiar o consumidor”.  

O estudo mostra que, apesar de existirem cada vez mais bancos de trocas de manuais, a maioria das pessoas continua a preferir comprá-los novos. É isso que tencionam fazer 90% dos inquiridos

PÚBLICO -
Aumentar

O Cetelem é uma instituição financeira de crédito que realiza anualmente estudos sobre as tendências de compra dos consumidores. O inquérito de 2017 respeitante ao regresso às aulas foi feito com base numa amostra de 600 pessoas, entre os 18 e os 65 anos, que a empresa apresenta como sendo representativa da população. Destes, 40% têm filhos em idade escolar, sendo que em 38% dos casos estes estão entre o pré-escolar e o secundário. As entrevistas foram realizadas em Maio.

Entre o tipo de compras que as famílias contam fazer, a categoria predominante é a que respeita a material escolar essencial, o que abrange mochilas, cadernos e canetas: 95% dos inquiridos dizem que tencionam comprar. No ano passado surgiam em primeiro lugar o vestuário/calçado e artigos de desporto, que agora estão respectivamente em quarto e segundo lugar.

PÚBLICO -
Aumentar

Mais compras online

Por comparação a anos anteriores, verifica-se também um aumento da intenção de utilizar o cartão de crédito nestas compras. São 36% os que admitem vir a utilizá-lo. No ano passado eram 28% e em 2013 desceu para 23%.

Regista-se também um aumento dos pais que dizem ter poupanças para a educação dos filhos: 48% por comparação a 30% em 2016 e 13% em 2014. Por outro lado, a proporção dos que afirmam não ter poupanças para este efeito e que não tencionam ter desceu de 65% para 30%.

PÚBLICO -
Aumentar

E quais são os hábitos de consumo? Dos inquiridos, 49% referem que tentam comprar os manuais ao mesmo tempo que o restante material escolar. Mas ainda há muitos que ainda fazem estas compras em mais do que um lugar. Tanto para uns como para outros as papelarias tradicionais continuam a ser o seu sítio de eleição: 81% afirmam que vão recorrer a estas, enquanto a opção também por hipermercados ou supermercados é apontada por 70%. Por comparação a 2016, assiste-se a uma duplicação dos que pretendem fazer estas compras também por via da Internet: de 22% passaram para 43%.

“As famílias procuram fazer as compras de uma só vez e o mais comodamente possível e estas são características proporcionadas pelas lojas online, apesar de não exclusivamente”, comenta a este respeito Pedro Camarinha, que refere ainda que este aumento “poderá também demonstrar uma maior familiaridade e confiança em fazer compras na Internet”.

Para 41% dos inquiridos, a altura certa para comprar o material escolar é duas semanas antes do início das aulas, mas 17% dizem que só farão estas compras depois do início do ano lectivo.

PÚBLICO -
Aumentar

Público e privado satisfazem

Quanto às características da amostra, repita-se que dos 600 entrevistados só 40% têm filhos em idade escolar e são estas vozes activas neste estudo. Destes 40%, 30% têm os filhos em escolas públicas e 10% no ensino particular. No ano passado eram 5%. E tanto uns como outros tencionam manter os filhos onde estão.

Mais concretamente, 99% dos que têm filhos no público dizem que pretendem que eles continuem neste sector de ensino e 92% dos pais com descendentes no privado também os tencionam manter aí. A proporção dos que dizem pretender que os filhos continuem na escola pública tem-se mantido igual nos últimos anos, mas no que respeita ao privado esta tendência para a “imobilidade” aumentou de 70% em 2015 para os 92% de 2017.

A vontade dos pais manterem os filhos onde estão é vista pelo presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, como um sinal de “confiança [das famílias] na escola que escolheram, seja ela pública ou privada”. “Não temos que ter uma guerra entre o público e o privado. O ensino privado satisfaz os seus clientes. E o ensino público também satisfaz, e muito bem, os seus”.

Também o director executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, Rodrigo Queiroz e Melo, considera que estes dados mostram que “as pessoas estão satisfeitas com o que conhecem”. Esta tendência, lembra Queiroz e Melo, teve uma quebra na altura da crise económica, mas que agora está a mudar, “como mostram os números oficiais da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência [DGEEC], que dão conta do crescimento do ensino privado, o que confirma que os portugueses têm confiança na qualidade” deste sector.  

Segundo dados da DGEEC, entre 2013/2014 e 2015/2016, último ano com resultados, o ensino privado recuperou quase oito mil alunos.  

O director de distribuição do Cetelem, Pedro Camarinha, refere que “só alterações económicas significativas, como uma crise, têm impacto neste tipo de decisões” por parte dos pais. “Neste período de estabilidade económica, as famílias mantêm-se fiéis à sua decisão uma vez que nada justifica uma alteração que ponha em causa a educação dos filhos”, especifica.   

No conjunto os resultados deste inquérito traduzem aliás, para o Cetelem, uma “situação de retoma de confiança dos portugueses”.

O que este estudo mostra também é que 41% das famílias não fazem nada para preparar o regresso às aulas ou seja, não tomam iniciativas para com vista à adaptação ao horário escolar, como deitar e levantar mais cedo. E só 4% fazem uma visita à escola dias antes do início das aulas.

Mas nas férias a escola continua presente para muitos por via dos trabalhos para casa, que contudo não bateram à porta de 39% dos inquiridos. Outros 44% têm filhos que os foram fazendo ao longo das férias. Apenas 3% admitem que esta tarefa existia mas não foi realizada.

Quando as aulas começarem, 57% tencionam levar os filhos à escola de automóvel, 34% utilizarão os transportes públicos e 16% irão a pé.