A Sério?

A acupunctura é eficaz para qualquer problema clínico?

Há coisas inacreditáveis que são mesmo verdade e outras que parecem certas mas que não resistem a uma análise crítica. A acupunctura é uma prática antiga e muitas pessoas acreditam que tem bons resultados. Apesar da muita investigação clínica já feita, as provas da sua eficácia são decepcionantes.

Nuno Ferreira Santos
Foto
Nuno Ferreira Santos

A acupunctura consiste na inserção de agulhas em pontos específicos da pele, com o objectivo de tratar ou aliviar os sintomas de uma doença. Pode ser combinada com a aplicação de corrente eléctrica ou a queima de ervas nos pontos de acupunctura. Teve origem na China há milhares de anos, sendo inevitavelmente uma prática pré-científica. É baseada na ideia do qi, uma alegada força vital que anima todos os seres vivos. De acordo com a tradição chinesa, o qi circula pelo corpo através de meridianos e as doenças resultam de bloqueios no fluxo do qi ou de desequilíbrios entre o yin e o yang (dois tipos de qi). O propósito da acupunctura é colocar agulhas em locais-chave para restabelecer o fluxo e o equilíbrio do qi. É uma bela história, mas a existência de uma “energia vital” não tem nenhum fundamento científico.

A acupunctura pode ter milhares de anos e a medicina baseada na ciência apenas algumas décadas, mas nessas décadas a nossa vida melhorou e aumentou incrivelmente. Ao longo do século XX, foram desenvolvidos métodos estatísticos para avaliar a eficácia de um tratamento.

Nos ensaios clínicos, os doentes são divididos aleatoriamente em dois grupos. Neste caso, um dos grupos é sujeito ao tratamento de acupunctura e o outro a um tratamento em tudo igual, excepto naquilo cujo efeito se quer testar, ou seja, a inserção de agulhas em pontos específicos. Para isso, podem-se usar agulhas retrácteis que simulam a inserção na pele (acupunctura simulada). O paciente não deverá saber se está no grupo de acupunctura real ou simulada. Idealmente, o acupunctor também não, mas isso é mais difícil. Avalia-se durante algum tempo o estado de saúde dos pacientes nos dois grupos para ver se há alguma diferença entre aqueles que foram sujeitos ao tratamento de acupunctura ou simplesmente ao teatro da acupunctura.

Mas ainda não chega. É preciso levar em consideração todos os ensaios clínicos bem feitos acerca de um determinado tratamento e juntá-los numa grande amostra combinada, que permita tirar uma conclusão global mais robusta. É isso que se faz nas revisões sistemáticas da literatura médica. É isso que é a medicina baseada na ciência. E é essa a exigência a que é sujeito qualquer medicamento para entrar no mercado.

Uma decepção bem avaliada

Foram já feitos milhares de ensaios clínicos para avaliar tratamentos de acupunctura, de qualidade metodológica muito variável. Uma revisão da literatura científica publicada em 1998 na revista Controlled Clinical Trials mostrou que ensaios clínicos de acupunctura realizados na China, Japão, Hong Kong e Taiwan eram sempre favoráveis à acupunctura, o que sugere um enviesamento de resultados. Não é muito esclarecedor considerar ensaios clínicos individualmente – uma vez que é sempre possível escolher a dedo uns poucos mal concebidos que dão uma ideia distorcida da eficácia da acupunctura –, mas apenas revisões sistemáticas que levam em conta todos aqueles que têm métodos robustos.

Já foram feitas centenas de revisões sistemáticas sobre tratamentos de acupunctura e os resultados são decepcionantes. A acupunctura não mostra ter um efeito superior ao teatro da acupunctura. Sugiro que vá o sítio da Cochrane (uma colaboração internacional de milhares de cientistas que revêm voluntariamente a literatura médica) e faça uma pesquisa com a palavra “acupuncture” e o nome da sua doença favorita. As conclusões são inevitavelmente uma de duas possibilidades: a acupunctura não mostrou eficácia terapêutica no tratamento de determina doença; há indicações muito ligeiras da eficácia da acupunctura no tratamento da doença tal, mas os métodos são inadequados e as amostras demasiado pequenas.

Por exemplo, consideremos a acupunctura para a dor no ombro, numa revisão de 2005 os autores afirmam que “por causa do pequeno número de ensaios e diversidade metodológica, pouco se pode concluir”. Outra revisão de 2015 constata que “não há provas suficientes para se avaliar se a acupunctura é eficaz no tratamento de dor relacionada com o cancro em adultos”. Numa revisão das revisões de acupunctura para o tratamento da dor, feita em 2011 e publicada na revista The Journal of Pain, que levou em conta 57 revisões sistemáticas, os autores concluem que as “numerosas revisões produziram muito poucas provas convincentes de que a acupunctura é eficaz na redução da dor”. Acrescentam ainda que “efeitos adversos graves, incluindo mortes, continuam a ser relatados”.

Ao contrário da crença razoavelmente disseminada, também não há nenhuma prova de que a acupunctura possa ser usada como anestesia. Em 2006, o canal de televisão britânico BBC emitiu um programa que mostrava uma operária de Xangai anestesiada com acupunctura, a ser submetida a uma cirurgia cardíaca. Na realidade, como notou o autor de divulgação científica Simon Singh, tinha sido também dada à paciente uma combinação de três sedativos e grandes quantidades de anestesia local, sendo a presença das agulhas meramente decorativa.

Apesar dos muitos estudos, a acupunctura não consegue apresentar provas consistentes da sua eficácia e segurança, que justifiquem o seu uso para qualquer problema clínico. Nas palavras do crítico das terapias alternativas Edzard Ernst, a acupunctura não passa de um placebo teatral.

 

Bioquímico e divulgador de ciência