Justiça

"A lei pinta o suspeito de negro"

José Semedo Fernandes recorda uma das muitas situações em que, à saída do Bairro de Santa Filomena, onde cresceu, foi mandado parar por um polícia. Nesse dia quis saber qual o fundamento que o tornava suspeito. O polícia respondeu-lhe de forma directa: "um preto é sempre um suspeito."

Agora advogado, José acredita que esta visão ainda perdura. É assim que explica os cartazes espalhados pela Amadora, onde as câmaras de videovigilância do concelho são anunciadas recorrendo a uma família branca e ao slogan "Olhamos por si". "Uma pessoa branca que olhe para isto vai pensar que está a ser protegida de pessoas como eu", acusa.

Neste primeiro trabalho da série Racismo à Portuguesa, analisa-se o panorama do sistema judicial português, desde a actuação policial até às prisões, onde se verifica uma sobre-representação dos cidadãos negros.

Ao longo das próximas semanas iremos publicar a série Racismo à Portuguesa, sempre ao sábado, sobre diversas áreas que dão uma aproximação às desigualdades raciais em Portugal. O objectivo é o leitor ficar com uma ideia do que é o racismo institucional e estrutural na sociedade portuguesa.

É a segunda parte da série Racismo em Português, sobre o colonialismo português em África e centra-se, por isso, no racismo contra os negros. Justiça, habitação, emprego, educação, activismo e as marcas do colonialismo em Portugal são as áreas abordadas.

 

Sugerir correcção