Um livro e um disco para celebrar Nova Iorque

Toda a revolução rock nova-iorquina do início da década de 2000 que pôs as guitarras e Nova Iorque de novo na agenda em livro: seis centenas de páginas, em registo de história oral. Pouco antes de os LCD Soundsystem voltarem aos álbuns.

Foto

Lizzy Goodman assistiu à “despedida” dos LCD Soundsystem no gigantesco Madison Square Garden, em Nova Iorque, a 2 de Abril de 2011, e meteu na cabeça que aquela história que ali (supostamente) acabava merecia um livro. “Era um culminar dramático da ascensão deles e de uma reinvenção da música de dança. Parecia um momento de crescendo, todos os címbalos em explosão: ‘Oh meu Deus, estão no Madison Square Garden’”, contou à Pitchfork.

A história dos LCD Soundsystem está em Meet Me In The Bathroom: Rebirth And Rock’n’Roll in New York City, 2001-2011, o livro de Lizzy Goodman (editado pelas reputadas Faber & Faber e Dey Street Books), ao lado da de gente como os Strokes, Yeah Yeah Yeahs e Interpol – ou seja, toda a revolução rock nova-iorquina do início da década de 2000 que pôs as guitarras e Nova Iorque de novo na agenda. São seis centenas de páginas, em registo de história oral (há bocas, rumores, relatos alucinantes de boémia e egos, tudo em discurso directo), que documentam como um grupo de jovens, sabedores das histórias da música e da moda, saiu do anonimato.

PÚBLICO -
Foto
O livro de Lizzy Goodman foi classificado pela Rolling Stone como um “clássico instantâneo”

O livro, classificado pela Rolling Stone como um “clássico instantâneo”, é o produto de seis anos de trabalho e duas centenas de entrevistas. Nele ficamos a saber que Karen O (Yeah Yeah Yeahs) treinava a arte de “engolir” microfones e que James Murphy fundou os LCD Soundsystem para se vingar dos The Rapture, depois de estes deixarem a DFA Records.

Coincidência ou não, Meet Me In The Bathroom é editado pouco antes de os LCD Soundsystem voltarem aos álbuns, sete anos depois de This Is Happening. A ressurreição da banda aconteceu no final de 2015 com um single natalício, a que se seguiram vários concertos, mas agora teremos direito a dez canções, um álbum inteiro: chama-se American Dream e chega a 1 de Setembro. Call the police, LCD clássico, American dream, formosura de sintetizadores cruzados e baixo a meia-luz, quase Angelo Badalamenti, e Tonite, febre dance-punk, a banda em topo de forma na hora de fazer dançar, são as canções já conhecidas.Numa entrevista ao programa de rádio The Best Show, James Murphy prometeu um discurso “mais pesado”, com muitas “canções negras”.