Trabalhadores da Carris em greve a 31 de Agosto

Trabalhadores contestam os cortes salariais e o incumprimento dos contratos de trabalho.

Fábio Augusto
Foto
Fábio Augusto

Os trabalhadores da Carris vão fazer "uma greve de 24 horas" no dia 31 de Agosto para contestar os cortes salariais e o incumprimento dos contratos de trabalho, anunciou esta sexta-feira o Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM).

"Parece que este Governo está a seguir os 'Passos' do outro que o antecedeu. Aparentemente os contratos, com este Governo, também não são para serem cumpridos. Parece que, na perspectiva do Governo, os cortes salariais são para continuar", declarou o sindicato dos motoristas, referindo que "os trabalhadores da Carris estão saturados de serem desrespeitados sistematicamente".

Neste sentido, a greve convocada para 31 de Agosto vai servir para a realização de um plenário geral centralizado em frente ao Conselho de Administração da Carris, na estação de Miraflores, em Lisboa, para que os trabalhadores, juntamente com o sindicato, decidam o que fazer.

O sindicato SNM sublinhou que os trabalhadores da Carris têm sofrido com os cortes salariais, o congelamento das actualizações salariais e das carreiras profissionais, bem como com o facto de "terem sido obrigados a trabalhar de borla durante a prestação de trabalho suplementar, de não terem sido avaliados conforme o previsto no acordo de empresa e de serem obrigados a fazer deslocações durante o serviço sem que as mesmas sejam consideradas como tempo de trabalho".

"Vem agora este Governo publicar um decreto-lei que simplesmente ignora o acordo de empresa que foi assinado pelos sindicatos e pela empresa, determinando à revelia do acordado, a forma e a fórmula do pagamento dos complementos de pensões de reforma ou invalidez a todos os trabalhadores da Carris", apontou o sindicato dos motoristas.

De acordo com o SNM, nos últimos anos, os trabalhadores da Carris deram "uma lição de serenidade e de compreensão relativamente ao estado a que o país tinha chegado, mas este Governo não pode confundir serenidade e compreensão com fraqueza".

"Chega de tanta falta de respeito por quem trabalha", frisou o sindicato, advogando que o SNM tem vindo a tentar defender quem trabalha através do diálogo e através dos tribunais, "mas infelizmente só o diálogo e os tribunais não chegam".

Assim sendo, o SNM vai passar das palavras ao actos, lamentando que tenha que ser assim, mas defendendo que "tudo na vida tem o seu limite e a paciência é uma delas".

"Caso o Governo insista em não respeitar os contratos que livremente assinou através do Conselho de Administração da Carris, (pois este nunca assinaria nada sem a autorização do Governo) os trabalhadores irão saber dar a devida resposta", declarou o sindicato dos motoristas.

No âmbito da greve, os trabalhadores da Carris exigem "que o Estado seja pessoa de bem e honre com os seus compromissos contratuais, à semelhança do que fazem todos os trabalhadores da Carris".