Depois de Cannes, Água Mole em Festival Internacional de Cinema de Toronto

A curta-metragem de animação Água Mole, de Laura Gonçalves e Xá, vai ser apresentada no programa Short Cuts, na 42.ª edição do certame.

Água mole é uma curta de animação feita com recurso a gravura, que combina relatos reais e uma narrativa ficcionada sobre a desertificação do interior do país.
Foto
Água mole é uma curta de animação feita com recurso a gravura, que combina relatos reais e uma narrativa ficcionada sobre a desertificação do interior do país. DR

A curta-metragem de animação Água mole, realizada por Laura Gonçalves e Xá (Alexandra Ramires), vai integrar a competição da 42.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF) que se realiza de 7 a 17 de Setembro, no Canadá. A curta-metragem portuguesa vai ser apresentada no programa Short Cuts, sob o título Drop by Drop.

O programador da secção de curtas-metragens do festival e crítico de cinema, Jason Anderson, descreve o filme da dupla portuguesa como uma “combinação requintada de animação desenhada à mão e documentário de áudio, no qual os últimos habitantes de uma vila moribunda reflectem o destino da sua casa e o seu legado", pode ler-se no site do TIFF

Água mole, com produção da Bando À Parte e Rodrigo Areias, é uma curta de animação feita com recurso a gravura, que combina relatos reais e uma narrativa ficcionada sobre a desertificação do interior do país. Aquando da estreia na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, no passado mês de Maio, as realizadoras, Laura Gonçalves e Xá, recordaram ao PÚBLICO o processo de construção do filme que começou com uma viagem pelo interior de Portugal. “Eu sou de Belmonte”, começa Laura, “tinha estado em contacto com a emigração e a desertificação. Fomos encontrando pessoas, que apenas por falta de oportunidade não saíam dali. E foram elas os pilares da construção do filme, o lado documental. Depois construímos uma ficção”, com caretos e tudo, em que a memória é uma ilha rodeada de esquecimento: é a história dos últimos habitantes de uma aldeia que não se deixam submergir.

A curta de animação caracteriza-se por conjugar a imagem recriada (40 por cento feita com a técnica de ponta seca, agulha a desenhar sobre o acetato e o restante através da recriação em digital dessa técnica de gravura) com o som das vozes das pessoas que Laura e Xá conheceram nas quatro aldeias que visitaram. Além da apresentação em Cannes, Água Mole foi, também, exibida no Festival Internacional Curtas de Vila do Conde, no final de Julho.

Para o Festival de Toronto estão igualmente seleccionadas as curtas-metragens brasileiras Damiana, de Andrés Ramírez Pulido, e Namoro À Distância, de Carolina Markowicz.

Suburbico, o mais recente filme de George Clooney, escrito com Joel e Ethan Coen, Submergence, de Wim Wenders, Downsizing, de Alexander Payne, First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia, de Angelina Jolie, e Victoria & Abdul, de Stephen Frears, que apenas chegarão às salas de cinema a partir de Outubro, foram anunciados para as "exibições especiais" do certame. A programação completa do TIFF será anunciada no próximo dia 22.