Há um restaurante em Lisboa acusado de vender gato por lebre e cobrar como se fosse lagosta

O restaurante é acusado de apresentar as ementas sem preços, cobrando, depois, valores “estratosféricos” aos clientes. Deco confirma a existência de reclamações e encaminhou o caso para a ASAE.

Foto
Apesar das críticas nas redes sociais e nos sites de informação turística, o restaurante está a funcionar normalmente Miguel Manso

Um restaurante na Baixa de Lisboa está a ser acusado de enganar os clientes, cobrando-lhes preços astronómicos sem qualquer aviso. As queixas dos clientes avolumam-se mas a gerência mantém-se calada, adiantando apenas que o assunto já foi remetido para um advogado. 

A 27 de Fevereiro, uma família entrou no restaurante Made in Correeiros, na baixa lisboeta, motivados por um “senhor simpático” que estava na rua a “captar clientes” e que lhes disse que o restaurante tinha “uma óptima pizza”. Entraram, escolheram o sabor, mas não tiveram curiosidade de pedir a ementa. Para “surpresa” daquela família de visita a Lisboa, um estafeta entra no restaurante com uma caixa de pizza na mão. Pediram “imediatamente” a ementa e perceberam que pizza era coisa que não era servida naquele estabelecimento.

“Perguntei ao funcionário o preço e porque faziam isso e ele explicou que era para não perder clientes e que tinham uma parceria com outros restaurantes e bla bla bla”. Este é o testemunho descrito numa crítica no site de informação turística TripAdvisor sobre o restaurante Made in Correeiros — que já teve o nome de Portugal no Prato — que, por estes dias, tem sido fortemente criticado nestas plataformas de Turismo e nas redes sociais. É acusado de apresentar as ementas sem preços, cobrando depois, valores “estratosféricos” aos clientes. 

O PÚBLICO visitou o espaço que ocupa o número 58 da Rua dos Correeiros em plena baixa lisboeta, zona de passagem de turistas portugueses e estrangeiros, na tarde desta segunda-feira. E quem lá entra não vê reflexos da má publicidade que tem sido feita ao estabelecimento nos últimos dias. Está bem composto.

Ao PÚBLICO foi apresentada a ementa com preços, escrita em várias línguas (português, inglês, italiano, russo, mandarim), onde constam pratos que rondam os 150 euros. Um café ao balcão custou 1,30 euros.

Mas as queixas que se avolumaram os últimos dias, e que já chegaram à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) e à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), não são de agora. 

Carolina Gouveia, do departamento jurídico e económico da Deco, confirmou ao PÚBLICO que já em Maio do ano passado tinha recebido reclamações do restaurante que, na altura, se chamava Portugal no Prato. “São relatos muito parecidos, sobretudo de estrangeiros. São queixas de que não tiveram acesso às ementas ou então foram convidados a escolher pratos que não estavam na ementa, não sabendo, por isso, os preços”, explicou a responsável. E onde acusam o estabelecimento de apresentar contas de várias centenas de euros. 

“Desde essa altura [Maio do ano passado], não voltámos a receber reclamações”, referiu Carolina Gouveia, admitindo ter conhecimento de que já foram apresentadas queixas à polícia. O caso foi depois encaminhado para a ASAE. Nessa altura, a Deco enviou uma carta ao restaurante, à qual não obteve resposta, notou.

Nas reclamações escritas nas plataformas de turismo e na página de Facebook do restaurante, os clientes queixam-se de que os funcionários os abordam na rua, oferecendo refeições entre os 8 e os 15 euros, mas “logo colocam milhões de extras e oferecem pratos para comer entre amigos a preços absurdos (140 euros)”, escreveu um turista que diz que teve de “negociar durante 15 minutos” com o funcionário para poder saber os “preços reais” dos pratos.

À hora de publicação desta notícia, a página do restaurante na TripAdvisor, que aparece com o nome Portugal no Prato, tinha 529 avaliações, sendo que 91% classificavam o estabelecimento como “terrível”. 

Apesar das queixas partirem, em grande parte, de turistas, também vários portugueses já denunciaram a situação. Num comentário publicado há quatro meses no Zomato, uma plataforma de informação sobre restaurantes e bares, onde o Portugal no Prato apresenta uma nota de 1,7 em 5 valores, um português queixa-se de uma “roubalheira à bruta”. E deixa uma nota: “À porta, o nome que aparece no letreiro é Made In Correeiros, exactamente para fugirem à ‘má fama’ que já têm de centenas de reviews (avaliações) de clientes a queixarem-se de serem verdadeiramente roubados”, lê-se. 

A Deco aconselha os clientes que se sentirem lesados a apresentar queixa à polícia ou a escrever no livro de reclamações. Mas alerta que para evitar situações como as descritas, os “clientes devem pedir o menu, onde todos os preços têm de estar listados. Os preços finais têm de corresponder ao que está nas ementas. O consumidor tem de pagar os preços que estão na ementa”, explicou Carolina Gouveia.