Julho já entrou no top 3 dos mais secos desde 2001

Dados do IPMA fazem balanço da primeira quinzena deste mês. Pior, em termos de seca, só em 2005 e em 2012.

Foto

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) já disponibilizou os dados da primeira quinzena deste mês. E o que eles mostram é que estamos a assistir ao terceiro mês de Julho mais seco dos últimos 17 anos.

Nos primeiros 15 dias do mês, apesar de a seca severa ter registado ligeiras melhorias na região Norte do país (de 72,3% para 70,7%), a seca extrema agravou-se no interior do Alentejo (de 7,3% para 7,6%). Isto de acordo com o PDSI (Palmer Drought Severity Index), um índice de monitorização da seca calculado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) com base na quantidade de chuva, temperatura do ar e capacidade de água disponível no solo.

Comparando os valores globais de Junho com uma avaliação parcial de Julho, “a variação foi pouca”, segundo a meteorologista da divisão de clima e alterações climáticas do IPMA, Vanda Pires.

Se no fim de Junho 79,6% do país estava em seca severa (72,3%) ou extrema (7,3%), em meados de Julho houve uma redução de 1,3 pontos percentuais (70,7% do território em seca severa e 7,6 em extrema) devido à ocorrência de alguma precipitação na região do Gerês, nomeadamente em Montalegre e Cabril (no distrito de Vila Real).

Junho foi considerado um mês muito seco, com a precipitação a 30% do seu valor médio e, “nos primeiros 15 dias de Julho, a percentagem de água no solo registada no Centro e no Sul do país diminuiu”, de acordo com Vanda Pires.

Bem pior em 2005 e 2012

Desde 2001, os índices de seca mais preocupantes datam de 2004/2005, anos que a técnica do IPMA garante terem sido muito complicados devido aos níveis de precipitação extremamente reduzidos.

PÚBLICO -
Aumentar

Julho deste ano entra para o top 3 das secas mais graves em período homólogo desde a viragem do século. Até 15 de Julho os dados mostram-nos que temos 7,6% do território em seca extrema, mas ainda assim, este valor não se compara com os 73% registados em 2005 ou os 58% de 2012, de acordo com os dados do IPMA.

Mas se conseguimos perceber “quando” e “onde” chove mais graças ao IPMA, não é este instituto que nos dá respostas relativamente à disponibilidade real de água, mas o Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH), que disponibiliza mensalmente a situação das albufeiras, de Norte a Sul do país.

Quando a agricultura entra na equação, e passamos a falar de uma seca agrometeorológica (e não apenas meteorológica) temos de ter em conta como a maior ou menor disponibilidade de água condiciona a actividade agrícola. Sem água, o crescimento das diferentes culturas fica comprometido e o que se perde não é apenas o que fica seco, mas também o que subsiste sem as dimensões e qualidade exigidas.

Na primeira reunião da Comissão Permanente da Seca, a 19 de Julho, o ministro do Ambiente dizia que as barragens não registavam níveis tão baixos desde 1995 e que 16 albufeiras estavam a menos de 40% da sua capacidade.

As bacias hidrográficas dos rios Lima, Ave e Arade estão acima do expectável, mas a do Sado é a “dor de cabeça” das populações e dos governantes — com 28,1% da sua capacidade de armazenamento.

O especialista em alterações climáticas, Francisco Ferreira defende que uma das chaves para combater a seca é o estudo do clima, tendo em conta que “a precipitação e a temperatura são condições que determinam a possibilidade de ocorrência e a intensidade deste fenómeno”.

De acordo com as recentes conclusões do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, o director da associação ambientalista Zero diz estarem a reunir-se “as condições ideais para que ocorram ‘mega-incêndios’”. Além das condições meteorológicas e climáticas que não abonam a favor do país, Francisco Ferreira lembra ainda “as características da floresta, que não ajudam”. Embora reconheça que o Governo está a tomar precauções, considera que já houve um atraso na aplicação e articulação das medidas apresentadas.

Texto editado por Andreia Sanches