Torne-se perito

Parlamento de Caracas pede aos outros países que não reconheçam a Constituinte

Oposição de Maduro pede à comunidade internacional para que a chamada revolução bolivariana seja impedida de pedir empréstimos, assinar contratos, contrair dívidas.

Fotogaleria
LUSA/MIGUEL GUTIERREZ
Fotogaleria
Reuters/Carlos Garcia Rawlins
Fotogaleria
Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Reuters/ANDRES MARTINEZ CASARES
Fotogaleria
Reuters/ANDRES MARTINEZ CASARES

O parlamento venezuelano, com larga maioria da oposição, pediu neste sábado à comunidade internacional que não reconheça o resultado da eleição da Assembleia Constituinte, que decorre domingo sob elevadas medidas de segurança.

O presidente da comissão de Política Externa da Assembleia Nacional, Luis Florido, informou, em comunicado, que o pedido foi feito “a todas as chancelarias do mundo”.

Neste documento, o parlamento venezuelano pede aos governos que, a concretizar-se a Constituinte convocada pelo Presidente, Nicolás Maduro, “se tomem acções de apoio ao povo venezuelano”.

“Chegou a altura de a comunidade internacional dar o seu apoio decidido, sincero, franco, para que este processo não se possa realizar”, disse Florido, dirigente da formação opositora Vontade Popular (VP), que assegura que as alterações constitucionais que o executivo de Maduro quer “impor” são rejeitadas por “90% do povo da Venezuela”.

O responsável recordou que os governos dos Estados Unidos, Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru pediram formalmente a suspensão da Constituinte e que se estabeleça um processo de negociação política para a saída da crise.

Assim, o parlamento apelou à comunidade internacional para que, uma vez constituída a Assembleia Nacional Constituinte (ANC), a chamada revolução bolivariana não possa pedir empréstimos ao mundo, assinar contratos, contrair dívidas e que “a Constituinte não lhes sirva absolutamente para nada”.

A coligação opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) rejeitou participar nesta votação, que considera fraudulenta, e critica que não tenha sido convocado um referendo prévio, como ocorreu em 1999 quando foi aprovada a actual Carta Magna.

No domingo, os opositores protestarão em todo o país, os apoiantes do “chavismo” acudirão às urnas, sozinhos, para definir os 545 representantes que integrarão a ANC, que terão poderes ilimitados para reformar o Estado e alterar o ordenamento jurídico.

Esta eleição decorre entre uma onda de protestos que começou a 1 de Abril e que já causou quase 110 mortos, centenas de feridos e cerca de 5000 feridos.

Sugerir correcção