Direcção do Centro Ciência Viva de Sintra demite-se e aponta culpas à câmara

Falta de apoios por parte da autarquia levaram à demissão de dois directores, que dizem que o centro está em risco.

Centro foi inaugurado em 2016
Foto
Centro foi inaugurado em 2016 Daniel Rocha

Dois directores do Centro Ciência Viva de Sintra, inaugurado em Novembro de 2006, demitiram-se acusando a câmara de Sintra de, já há vários anos, não apoiar a estrutura, condenando-a a reduzir a sua actividade e equipa, denunciam estes responsáveis em carta de demissão enviada aos funcionários.

A demissão, apresentada na Assembleia Geral da Associação que decorreu a 28 de Junho, por parte do director executivo Francisco Motta Veiga e do presidente da direcção Carlos Romão é justificada pela recusa da Câmara de Sintra, que um dos associados da estrutura, “em assegurar a transferência do valor mínimo necessário às despesas fixas para o ano 2017”. Queixam-se ainda de falta de diálogo e colaboração. Carlos Romão refere ainda que a atitude da Câmara resulta “objectivamente na asfixia do CCVS”.

Ao PÚBLICO, Carlos Romão diz que este não é um problema de agora, tendo-se verificado já com a direcção anterior do Centro que, por sua vez, também se demitiu invocando as mesas razões. A Câmara Municipal de Sintra demonstra uma “atitude constante de não colaboração”, acusa, por sua vez, Francisco Motta Veiga. Os problemas de comunicação entre ao equipamento e a autarquia são destacados no documento enviado aos trabalhadores, salientando-se que esta falta de diálogo é mais um entrave para a resolução dos problemas.

Além da falta de apoio, a atitude da câmara de Sintra em relação ao Centro também já levou a que esta perdesse a oportunidade de se candidatar a fundos europeus através do Programa Operacional Capital Humano do Portugal 2020. Francisco Motta Veiga adianta que a Câmara não respondeu às tentativas de contacto por parte do Centro, não possibilitando o desenvolvimento deste processo. De acordo com a carta de demissão, esta ausência de resposta não permite “explorar outras fontes de financiamento do CCVSintra” que poderiam ser uma alternativa à falta de apoios por parte da autarquia.

O problema já vem desde 2015, ano em que a câmara deveria ter transferido 102.000 euros para o CCVS, valor estipulado como mínimo indispensável para manter o seu funcionamento, e transferiu 65.500 euros. O caso repetiu-se nos dois anos seguintes. “A Câmara cortou grande parte do financiamento”, afirma Carlos Romão.  

O PÚBLICO tentou obter um comentário da Câmara Municipal de Sintra acerca dos cortes no financiamento do Centro, mas sem sucesso. O antigo presidente da direcção do Centro Ciência Viva de Sintra refere que, num primeiro momento, o argumento apresentado em 2015 pela autarquia foi de que, por lei, só poderiam apoiar o funcionamento básico do centro - e daí terem cortado as transferências para metade -, uma legislação que entretanto foi alterada. No entanto, Rosalia Vargas, presidente do Ciência Viva, assegura que este é um caso único uma vez que em toda a rede de centros Ciência Viva, as autarquias, como parceiras desta rede, cumprem e sempre cumpriram com a sua quota parte de financiamento.  

Rosalia Vargas diz, como responsável desta rede de divulgação científica, há todo o interesse "em manter a colaboração com todos os associados em Sintra e, em especial, com a Câmara Municipal de Sintra.” Mas lamenta que a situação tenha chegado a este ponto e que a direcção demissionária tenha tido que levar o seu esforço ao limite.

As dificuldades financeiras traduzem-se “numa real degradação” do funcionamento do CCVS e na redução do quadro de pessoal, o que dificulta a realização das actividades, realça a nota enviada aos trabalhadores. Francisco Motta Veiga refere que, sem o orçamento mínimo, não consegue responder a todos os pedidos de visitas de escolas devido à necessidade de estar sempre presente uma monitora a acompanhar cada grupo de crianças, assim como os funcionários que estão responsáveis pelas actividades. “No ano anterior, o centro encerrou com 40.000€ de défice, exactamente o que a câmara não colocou no centro”, disse o ex-director executivo.

No documento, os directores salientam que há um sério risco de que o CCV Sintra feche as portas devido à “asfixia financeira” que tem enfrentado nos últimos anos.

Existem 20 centros a nível nacional. A rede foi criada há 20 anos e tem uma média de 550 mil visitantes anuais. Um dos mais visitados é o Pavilhão do Conhecimento em Lisboa, com 220 mil visitantes por ano.

Texto editado por Ana Fernandes