Raiva levou peixeira a atear fogo

Mulher confessou ter ateado incêndio em Castelo Branco que assumiu grandes proporções e passou para concelhos vizinhos.

A Judiciária deteve 41 pessoas desde o início do ano por suspeitas de fogo posto na floresta
Foto
A Judiciária deteve 41 pessoas desde o início do ano por suspeitas de fogo posto na floresta Mario Lopes Pereira

Uma mulher casada de 50 anos que até há alguns meses vendia peixe no mercado de Castelo Branco confessou ter ateado o fogo que deflagrou no domingo à tarde em Vale do Coelheiro, na freguesia de Santo André das Tojeiras, e se propagou nos dias seguintes aos concelhos de Vila Velha de Ródão e de Nisa, já no distrito de Portalegre.

Motivo? A raiva que sentia da vizinhança, que a acusava de ser a autora de outros incêndios anteriores, no ano passado e também já este ano, disse às autoridades. Segundo fonte ligada ao processo, a mulher estava em casa no domingo a ver uma reportagem televisiva sobre outro fogo, na zona de Coimbra, quando decidiu pegar num isqueiro e ir incendiar uma área de pasto seco e pinheiros a 200 metros da sua residência. Depois voltou para casa. Só que foi vista por um vigilante de um posto de vigia florestal, que forneceu uma descrição sua às autoridades.

Acabou por ser detida esta terça-feira pela Polícia Judiciária, com a colaboração da GNR, tendo admitido ter ateado não apenas este incêndio – que continuava esta quarta-feira ao final do dia activo, combatido por 356 homens auxiliados por 120 veículos e quatro meios aéreos – com um segundo foco de ignição. Desde o início de 2017 a Polícia Judiciária já deteve por suspeitas de incêndio florestal 41 pessoas, 17 das quais foram colocadas em prisão preventiva logo a seguir. No ano passado por esta altura a mesma força policial tinha detido apenas 12 pessoas pelo mesmo crime, e só a duas delas foi aplicada esta medida de coacção privativa de liberdade.