Drones podem evitar falhas comunicação como as do SIRESP

Os drones podem acabar com os problemas de comunicação em situações de emergência ao disponibilizar pontos aéreos de acesso à Internet. O projecto que está a ser desenvolvido pelo INESC TEC deve estar pronto em 2019.

Os drones têm recebido atenção negativa devido a situações em que voam na proximidade de aeroportos, mas os aparelhos também podem ajudar a salvar vidas
Foto
Os drones têm recebido atenção negativa devido a situações em que voam na proximidade de aeroportos, mas os aparelhos também podem ajudar a salvar vidas Reuters/FRANCOIS LENOIR

Os drones podem ser a solução para as falhas da rede SIRESP durante os incêndios. Um grupo de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) do Porto apresentou nesta quarta-feira o projecto WISE que utiliza drones para restabelecer e reforçar comunicações sem fios em cenários de emergência. A tecnologia, que começou a ser desenvolvida em Junho de 2016, deve estar pronta em 2019.

O objectivo é recorrer a redes sem fios (Wifi), ou 4G (utilizada nos telemóveis) para criar pontos de acesso aéreos para transmitir informação. “Os veículos aéreos não tripulados [drones] têm emergido como uma tecnologia promissora para oferecer comunicação em áreas remotas sem acesso à rede. São veículos versáteis e seguros que podem ser operados autonomamente por um mecanismo automático ou por um piloto remoto, o que os torna úteis para utilizar em áreas de acesso difícil”, lê-se na apresentação do projecto.

Actualmente, as estações de apoio dependem de bases móveis temporárias que assentam maioritariamente em ligações via satélite com custos elevados. “Isto faz com que haja uma flexibilidade de posicionamento reduzida, na medida em que se está limitado aos locais onde é possível estacionar o veículo”, explica Rui Campos, um investigador do INESC TEC, em comunicado.

O sistema actual de comunicações de emergência do Estado (que funciona com bases temporárias assentes em camiões) já falhou em várias situações, como no temporal de Janeiro de 2013, no fogo que deflagrou em Agosto de 2016 no concelho do Sardoal, e no incêndio em Pedrógão Grande, em Junho de 2017.

Nos últimos meses, os drones também têm recebido atenção negativa devido a situações em que voam na proximidade de aeroportos – só em Junho registaram-se oito ocorrências de drones a cruzarem-se com aviões –, mas tecnologia também já é utilizada para distribuir correio e materiais de apoio médico (como desfibrilhadores e outros aparelhos de reanimação). Em Portugal, o registo de drones e a contratualização de um seguro de responsabilidade civil devem passar ser obrigatórios, de acordo com a proposta de decreto-lei apresentada a semana passada. O objectivo é assegurar uma utilização responsável dos aparelhos que podem ajudar a navegar em situações de emergência.

No futuro, a tecnologia também poderá permitir o acesso à Internet em eventos temporários de grande dimensão como manifestações e festivais. O projecto WISE está a ser desenvolvido em parceira com a empresa portuguesa de fabricação de drones Tekever, com o financiamento do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização COMPETE 2020 e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).