Opinião

Trump e os ciganos

A linha vermelha não está em calarmos situações inaceitáveis que são permitidas a um número significativo de ciganos.

Eu não aprendo nada com a versão do populismo que acompanha movimentos de extrema-direita como é o caso da Frente Nacional. Pelo contrário, aprendo com a versão do populismo que está por detrás de Donald Trump. Por detrás da Frente Nacional está a extrema-direita francesa, proto-fascista, mergulhando as suas raízes nos aspectos mais negros da história de França. E não faltam aspectos desses, na França anti-Dreyfus, na França cagoulard dos anos 30, na França colaboracionista, na França anti-semita do Vel d’Hiver, na França da “Argélia francesa”, da tortura generalizada, por aí adiante. A Frente Nacional é a genuína herdeira desta França, sempre mais importante do que nós pensamos com a nossa visão republicana e iluminista da história francesa.

Trump é outra coisa. É um homem dos nossos tempos, compreendendo como ninguém o actual sistema mediático, a conjugação entre a crise da comunicação social “séria” e a invasão do entretenimento, a substituição da vida pelo reality show, a dissolução da procura da verdade na mobilização prosélita de quem só quer ouvir o que lhe agrada, a ascensão de uma nova ignorância agressiva e fechada sobre si própria, e uma serie de “redes” a que chamamos sociais, talvez com alguma ligeireza, mas que funcionam como a vozearia populista e o reservatório dos piores sentimentos humanos da inveja, do ressentimento, da mesquinhez petulante. Como uma das sombras negras que está por trás de Trump, Roger Stone, disse: o “ódio é mais forte do que o amor” e as redes sociais são o melhor exemplo disso mesmo.

E Trump compreendeu, e isso é sinal de uma considerável intuição política, que havia uma América “esquecida” e que essa América não era a da lista das minorias que Hillary Clinton enunciava, nem de raça, nem das causas de género, nem contra-culturais, nem proto-identitárias, nem “comunitárias”, por aí adiante, mas os americanos pobres, presos em regiões e cidades cuja paisagem é a de fábricas mortas, minas fechadas, perda de capital social e de oportunidades de uma vida melhor. A maioria eram brancos, mas muitos eram também negros, mulheres, homossexuais, latinos e votaram por Trump. E como se passa com este tipo de voto sitiado, ele não muda facilmente, como os democratas estão a perceber. Ele é um voto muito mais identitário do que o voto dos latinos, das mulheres, dos nativos americanos, da comunidade LGBT, para quem Hillary Clinton falava.

Trump mostrou que, no tratamento dos fenómenos populistas, o “politicamente correcto” é um ecrã que nos tapa uma parte da realidade com uma série de palavras abstractas que fazem parte de uma ortodoxia moderna que a esquerda não consegue ultrapassar e na qual fica acantonada, abandonando muitos dos que constituíam a sua clientela tradicional. A acusação de elitismo é uma acusação perigosa, na qual cabem muitas coisas que não deveriam lá estar — é por isso que estamos a falar de democracia e não de demagogia —, mas o elitismo de uma linguagem patrulhada pela ortodoxia faz com que se deixe de ver os problemas dos “outros”, daqueles que perderam a voz e acabam apenas por a encontrar no populismo mais ou menos carismático.

Vem tudo isto a propósito da polémica que atravessa os meios de comunicação sobre as declarações de um candidato autárquico do PSD (era também do CDS, mas o CDS retirou-lhe o apoio) sobre os ciganos. Na verdade, declarações desse candidato sobre os muçulmanos já tinham no passado provocado reacções idênticas, embora seja diferente quando ditas na actual qualidade. E, mais uma vez, o que se verifica é que a violenta reacção contra essas declarações oculta o facto de que os problemas de que ele fala existem, e, como mostra o que aconteceu nos EUA, deixamos essas questões à exploração populista. Depois não vale a pena queixar-nos que as declarações lhe trouxeram muitos votos.

A linha vermelha não está em calarmos situações inaceitáveis que são permitidas a um número significativo, infelizmente significativo, de membros da comunidade cigana; está em considerarmos que eles fazem o que fazem porque são ciganos. Na verdade, eles fazem o que fazem porque a sociedade, as forças da ordem, os políticos, a comunicação social, lhes permitem que o façam e penalizam quem queira impor o primado da lei, como sendo “racista”. E o mais absurdo é que grupos que ideologicamente deveriam falar não o fazem em nome de um anti-racismo puramente subordinado à luta política. O caso mais flagrante é o da condição feminina, a que voltaremos adiante.

A comunidade cigana é a comunidade mais excluída e marginalizada de Portugal, muito mais que os negros, os muçulmanos e outras comunidades como a chinesa, a paquistanesa, a nepalesa, etc. Em todas estas comunidades há casos de abusos, como basta andar no Alentejo para se perceber, com formas de trabalho quase a roçar a escravatura, mas são processos que são mais ignorados, e mal, do que escondidos. E existe uma correlação entre a marginalização e o crime, e os ciganos, frequentadores habituais dos tribunais nos processos de tráfico de droga, sabem bem disso. 

Há igualmente fenómenos culturais que acompanham, aliás em toda a Europa, a marginalização dos ciganos. São vistos como gente que não tem higiene, que vive promiscuamente, que ocupa terrenos que não lhes pertencem e cometem vários abusos contra a propriedade. Este tipo de estereótipos tem a ver com a sua condição de nómadas numa sociedade sedentária, embora hoje a vida nómada tenha no caso português menos relevância na conflitualidade do que a sua colocação em bairros sociais que funcionam como guetos.

A exclusão e a marginalização explicam a elevada incidência de subvenções estatais contra a pobreza, que são vistas pela população igualmente pobre, mas muito menos excluída, como sendo os ciganos gente “que não quer trabalhar”. O que o silêncio patrulhado que existe sobre os desmandos de alguns grupos de ciganos, principalmente nos subúrbios como Loures e Odivelas, oculta, é que não é a classe média, e muito menos os ricos, que contactam com eles, mas os mais pobres e menos protegidos dos portugueses. É aí que nasce o populismo, no facto de para muita gente, cuja condição económica não é muito diferente da de muitos ciganos, isto parecer ser uma profunda injustiça. E são também eles que presenciam e testemunham muitas pequenas violências de grupo, impondo o número e uma ostentação de ameaça, para quem está numa fila para receber a sua reforma numa estação de correios, ou numa sala de espera de um hospital, ou numa escola onde um problema de disciplina escolar com um aluno cigano atrai comportamentos de imediata agressão. Pode-se dizer que o contrário também sucede, e é verdade, mas estamos a falar de locais e incidentes onde há significativo número de ciganos e famílias ciganas como acontece em certos bairros sociais e escolas de Setúbal. E, como qualquer estudioso do populismo sabe, são muitas vezes este tipo de pequenos incidentes, repetidos diante da inacção e do medo das autoridades, que têm um efeito devastador nos sentimentos anti-ciganos.

Há, porém, problemas mais graves, e esses passam ao lado dos mesmos que reagem com fúria a ciganos que não respeitam uma fila de espera, e que são a preocupação dos verdadeiros heróis desta história, alguns professores, alguns militantes católicos e um infelizmente muito pequeno grupo de ciganos. É o caso da situação escolar, e depois social, das raparigas ciganas que, em nome da tradição, são retiradas das escolas mal atingem a puberdade. Estão numa idade em que a escolaridade é obrigatória, e muitas famílias com subsídios sociais têm como condição de os receber manter os seus filhos na escola, mas, mesmo assim, as raparigas ciganas, e por outras razões muitos rapazes, são forçadas a abandonar a escola, condenando-as a uma situação de inferioridade e dependência para toda a vida.

Os nossos mais vocais grupos feministas e anti-racistas e muita gente à esquerda que abraça causas de género não faz um centésimo dos protestos indignados que fazem com as declarações do candidato do PSD para denunciar a situação de menoridade imposta às mulheres ciganas. Num estado democrático, as tradições não estão acima da lei.