Medidas adoptadas para prevenir suicídios

Dotar comboios com um sistema semelhante ao airbag e recorrer a iluminação com tonalidade azul são algumas das várias sugestões.

Foto
Uma das medidas propostas passa por equipar as frentes dos comboios com arbaigs Nélson Garrido (arquivo)

Além da criação de um sistema de classificação de suicídio comum à ferrovia internacional, a equipa da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto que se tem dedicado a estudar o assunto apresentou um apanhado de medidas preventivas, algumas já no terreno em vários países, para travar o fenómeno e diminuir o seu impacto na tripulação. Eis alguns exemplos:

  • Construir vedações para impedir o acesso à ferrovia e garantir a manutenção das vedações existentes
  • Promover nos hospitais psiquiátricos a sensibilização para o factor traumático nos maquinistas em consequência dos suicídios
  • Utilizar câmaras de videovigilância e sinalética, inclusive sonora, para dissuadir potenciais suicidas
  • Conectar as câmaras de vigilância dos hotspots (áreas com maior prevalência de suicídio) aos hospitais psiquiátricos das redondezas
  • Equipar as plataformas de embarque com botões de alarme para que os passageiros avisem caso detectem comportamentos suspeitos
  • Equipar as portas com portas de vidro deslizantes de modo a apenas abrirem após a paragem do comboio
  • Equipar as frentes dos comboios com um sistema semelhante ao arbaig para minimizar lesões
  • Divulgar o sofrimento e a agonia como meio dissuasor para potenciais suicidas
  • Demolir plataformas de embarque fora de serviço usadas várias vezes como trampolim
  • Encerrar passagens de nível ou melhorar a sua segurança
  • Utilização de iluminação com tonalidade azul devido ao seu efeito tranquilizador