Os jovens do Bloco vão dançar contra o racismo e estudar O Capital

“Não somos os jovens da ‘geringonça’, somos os jovens do Bloco”, diz uma das organizadoras.

Izaura Solipa está na organização do acampamento este ano
Foto
Izaura Solipa está na organização do acampamento este ano Mário Lopes Pereira

A festa já fazia parte do programa, antes mesmo de o espaço mediático em Portugal ter sido contaminado pelo tema do racismo, à boleia das declarações do candidato do PSD à autarquia de Loures. Mas, nem de propósito, no acampamento Liberdade deste ano, os jovens do Bloco de Esquerda vão ouvir um concerto do rapper e activista Chullage e depois dançar, noite fora, numa celebração que tem um nome, simples: “Festa anti-racista.”

As festas temáticas são habituais nos acampamentos dos jovens do BE. Tal como noutros anos, também neste haverá festas feministas e queer. Normalmente têm uma decoração ligada ao tema, fotografias, pequenas mensagens escritas e espalhadas pelo espaço, música escolhida a dedo para a ocasião.

Mas nem só de festa se fará o encontro. O sol ergue-se cedo, no Parque de Campismo de São Gião, Oliveira do Hospital, e o dia inclui várias conversas e workshops sobre diferentes temas, muitos dos quais caros ao Bloco. “Para mim, um político que não pense verdadeiramente nas relações todas que existem, como lemos o mundo, como intervir no mundo, em todos os espaços e esferas que frequentamos, um político que não tenha essa reflexão vai ter sempre um lado insuficiente”, diz Izaura Solipa, 25 anos, economista e uma das organizadoras do Liberdade.

Exemplos: as deputadas bloquistas Mariana Mortágua e Joana Mortágua vão falar aos jovens sobre o que é o BE; a eurodeputada Marisa Matias e a investigadora Sofia Roque vão ajudar a uma reflexão sobre a importância da linguagem. Outros bloquistas, como Francisco Louçã, também vão passar pelas rodas que tomam conta do relvado durante o dia – no caso, o ex-dirigente vai falar sobre revolução russa e luta feminista.

Izaura Solipa destaca algumas novidades deste ano, como uma conversa com o médico Bruno Maia e a investigadora Joana Canedo sobre drogas duras e leves. A jovem do BE diz que o debate tem estado muito centrado nesta divisão, que é preciso desconstruir esta dicotomia, “deixar cair essas etiquetas” e focar mais a discussão em políticas de consumo assistido, como salas de chuto, por exemplo.

É proibida a ciganofobia

O bloquista Moisés Ferreira vai participar numa conversa com o investigador Francesco Vachhiano sobre saúde mental e capitalismo. Os jovens pretendem saber mais, por exemplo, sobre a relação entre o excesso de trabalho e a precariedade e a depressão e ansiedade.

Mais dois momentos apenas, num extenso programa: todas as tardes os jovens vão debruçar-se sobre uma parte do livro O Capital, de Karl Marx. Izaura Solipa, que estudou economia no Instituto Superior de Economia e Gestão, em Lisboa, está entusiasmada com o workshop. “É um livro muito complexo”, diz.

Interessada no universo da economia, com um mestrado na área, outro em finanças, e com vontade de seguir um doutoramento, Izaura Solipa conta que encontrou no BE outras perspectivas e horizontes sobre os temas económicos. A chegada ao partido aconteceu, aliás, em 2014, quando acabou a licenciatura: “Sempre fui muito próxima do BE, em termos políticos, e senti que, quando fiz o curso em economia, não era aquilo que eu pretendia, era muito mainstream o ensino.”

O deputado bloquista Jorge Costa também vai falar com os jovens sobre a “geringonça”. O título da conversa chama-se mesmo keeping up with geringonça. Izaura Solipa explica que se pretende falar sobre o processo político que deu origem a esta solução de governo, inédita em Portugal (um governo PS suportado no Parlamento pelo PCP e pelo BE). Querem ouvir o deputado sobre o “papel” do BE, qual o “rumo” que deve seguir. A jovem organizadora defende, por exemplo, que o facto de o BE “estar na ‘geringonça’” não subtrai nada à ideologia bloquista. Pelo contrário, defende: o BE conseguiu “fazer com que alguns desses ideais fossem para a frente”. A ouvi-lo, Jorge Costa terá uns jovens, mas bem definidos ouvidos: “Não somos os jovens da ‘geringonça’, somos os jovens do Bloco”, sublinha Izaura Solipa.

Sobre o acampamento, que acontece entre 26 e 31 de Julho, a bloquista faz questão de lembrar que tem uma filosofia própria: “O Liberdade pretende ser um ensaio do mundo que queremos construir. O Liberdade almeja ser um espaço seguro em que cada um é livre, em que construímos colectivamente, [em que se pensa] como mudamos a sociedade em que estamos para mundo no qual queiramos viver. Não pode haver racismo, xenofobia, sexismo, ciganofobia…”

Qualquer pessoa pode participar no Liberdade – quatro dias custam 40 euros. Para já há 150 inscrições, mas a organização espera que ainda possam aparecer mais 50 a 100 pessoas.