Corticeira Amorim adquire grupo francês Bourrassé

Com a aquisição de 60% do grupo francês, por 29 milhões de euros, a Amorim aumenta a sua actividade em Portugal, França, Espanha, Itália e Chile

Foto
neg nelson garrido

O grupo Corticeira Amorim acordou adquirir, através da participada Amorim e Irmãos SGPS, 60% do capital da empresa francesa Établissements Christian Bourrassé, pelo montante de 29 milhões de euros, anunciou esta quarta-feira a cotada portuguesa, após o fecho do mercado.

“Os restantes 40% [do capital social] serão adquiridos posteriormente, até 2022, por um preço que, tomando por referência o valor já pago pelos primeiros 60%, dependerá ainda da evolução da performance da Bourrassé nos próximos anos”, adianta o comunicado da Corticeira Amorim disponível no site da CMVM.

O montante de 29 milhões de euros pelos 60% da Bourassé que a Amorim acordou pagar na primeira fase do negócio avalia, hoje, a empresa francesa em 48,33 milhões de euros.

Com sede em França (Tosse), a Établissements Christian Bourrassé “detém integralmente o capital da sociedade Socori – Sociedade de Cortiças de Riomeão, S.A. (Riomeão, Portugal) e da sociedade Corpack Bourrassé S.A. (Santiago, Chile) – as três em conjunto designadas por Bourrassé”, adianta a comunicação da Corticeira ao mercado.

“A Bourrassé desenvolve a sua actividade sobretudo em França, Espanha, Itália e Chile” e consolidou, em 2016, um volume de negócios de 55 milhões de euros, segundo os dados divulgados pela Corticeira Amorim. O grupo francês “conta com uma equipa de cerca de 450 colaboradores”.

“Detentora da marca internacional “Bourrassé”, explica a nota da Corticeira Amorim, a Bourrassé procurava uma solução de sucessão da actual gestão, pelo que pretendia um accionista cooperante que entendesse a indústria e desse continuidade ao projecto”. E, justifica, “dado que o grupo Corticeira Amorim e a Bourrassé partilham uma visão de mercado muito similar, com uma gama de produtos que responde à segmentação e aos requisitos exigidos pelos clientes, a Corticeira Amorim, S.G.P.S., S.A. surgiu como o parceiro natural”.

As acções da Corticeira Amorim encerraram esta quarta-feira, antes do anúncio do negócio com a Bourassé, a perder 2,12%, para 12,26 euros.