Portugal é o único país da UE que rejeita sanções contra a Venezuela

O El País noticia que 27 dos 28 Estados-membros da União Europeia mostraram abertura à aplicação de sanções a Caracas, caso seja convocada a Assembleia Constituinte por parte de Maduro.

Foto
LUSA/Miguel Gutiérrez

Portugal é o único Estado-membro da União Europeia que rejeita a possibilidade de aplicar sanções ao regime venezuelano, caso seja convocada a Assembleia Constituinte defendida por Nicólas Maduro. A notícia é do El País, que cita fontes diplomáticas não identificadas.

O diário espanhol explica que depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, Alfonso Dastis, ter sido o único governante europeu a propor sanções a Caracas, se forem aprovadas alterações à Constituição venezuelana, Frederica Mogherini, chefe da diplomacia europeia, garantiu que essa possibilidade está “em cima da mesa”.

Mas fontes diplomáticas revelaram ao El País que um documento da delegação da União Europeia presente na capital venezuelana refere que 27 dos 28 Estados-membros estão dispostos a avançar com as referidas sanções. O único que se expressou claramente contra foi Portugal.

No passado domingo, mais de sete milhões de venezuelanos desafiaram o Presidente Nicolas Maduro num referendo convocado pela Assembleia Nacional, dominada pela oposição, e a quase totalidade dos participantes (98%) rejeitou a proposta do chefe de Estado para a convocação de uma Assembleia Constituinte de forma a alterar a Constituição vigente no país.

A consulta popular, encarada como um desafio ao regime de Caracas e considerada ilegal por Maduro, decorreu por todo o país e em cerca de 600 cidades no estrangeiro.