BdP aplicou coimas de 1,5 mil milhões entre Abril a Junho

Dos37 processos decididos 27 versaram infracções relativas ao relacionamento com os clientes.

Coimas aplicadas pela instituição liderada por Carlos Costa cresceram.
Foto
Coimas aplicadas pela instituição liderada por Carlos Costa cresceram. Miguel Manso

O Banco de Portugal (BdP) instaurou 46 processo no segundo trimestre e decidiu 37 processos de contra-ordenação, de que resultou a aplicação de coimas no montante de cerca de 1,5 milhões de euros.

Trata-se de um montante muito superior ao do primeiro trimestre, período em que as coimas ficaram em 320 mil euros.

A síntese da actividade sancionatória, divulgada esta segunda-feira, revela que dos 37 processos decididos, 27 versaram sobre infracções de natureza comportamental, ou seja, decorrentes da actividade comercial. Dos restantes, seis foram relativos a infracções de natureza prudencial, e três versam sobre deveres respeitantes à prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo. Um dos processos envolveu a prática de actividade financeira ilícita.

De Abril a Junho, o BdP fez três admoestações e do total 1.455.500 euros de coimas aplicadas, 400.000 euros encontram-se suspensos na sua execução.