Tal como nós, os corvos também fazem planos para o futuro

Até agora, acreditava-se que apenas humanos e grandes símios eram capazes de planear o futuro. Um artigo publicado na revista Science vem trazer novidades — os corvos conseguem fazer planos como crianças de quatro anos.

Os corvos conseguem fazer planos como uma criança de quatro anos
Foto
Os corvos conseguem fazer planos como uma criança de quatro anos PAULO RICCA / PUBLICO

É possível que nunca tenha reflectido sobre a extraordinária capacidade humana — e não só humana, já lá vamos — de planear. O dia-a-dia ou o futuro, o que vamos comer ou vestir, o trabalho que temos para fazer, o jantar, um fim-de-semana de descanso, as férias ou a reforma. Não temos todos a mesma habilidade na hora da organização, mas todos temos a capacidade cognitiva de planear. Parece coisa simples, mas é uma característica quase única dos humanos. Até agora, acreditava-se que apenas nós e os grandes símios o conseguíamos fazer, mas um estudo publicado esta quinta-feira na revista Science vem revelar que também os corvos conseguem planear o futuro em diferentes tipos de situações. E ainda têm a paciência como arma: estão dispostos a renunciar a uma recompensa imediata para ganhar uma melhor mais tarde.

Os corvos são animais fascinantes. Essa conclusão não é de hoje: são bichos sociais e inteligentes — tanto como os chimpanzés, segundo um estudo publicado há cerca de um ano na Royal Society Open Science pelos mesmos autores da investigação agora divulgada, que descobriram a inteligência estava menos relacionada com o tamanho do cérebro e mais com a sua densidade neuronal e estrutura. Mas o assunto agora é outro. Os corvos, concluiu-se, são os únicos animais não hominídeos que mostraram ter capacidade de planear para além do momento presente — para ter uma ideia mais clara, eles conseguirão fazê-lo tão bem como uma criança de quatro anos.

Numa série de quatro experiências, Can Kabadayi e a sua equipa, da Universidade de Lund, na Suécia, investigaram se os corvos (Corvus corax) conseguiam planear de forma flexível. Cada teste implicava duas condições — uma técnica e uma social — para as quais os corvos não têm predisposições comportamentais: o uso e troca de ferramentas com humanos.

Os corvos não são habituais utilizadores de ferramentas e a negociação é algo nunca observado na vida selvagem. Mas a investigação com Rickard, Siden, Juno, None e Embla, os cinco corvos “cobaias” deste estudo, devolveu resultados surpreendentes. Inicialmente, os animais foram treinados para usar uma ferramenta capaz de abrir uma caixa onde estava uma recompensa. Depois, foram confrontados com a caixa mas sem acesso à ferramenta. Uma hora mais tarde, a caixa foi removida e os corvos foram confrontados com a chave que a abria e vários elementos que tinham como função causar distracção.

Aconteceu que quase todos foram capazes de escolher a ferramenta correcta para abrir o aparelho — e mesmo quando esta lhes era dada 15 minutos depois, eles usavam-na para abrir a caixa com uma taxa de sucesso de 86%. A maioria (78%) também teve resultados positivos em experiências semelhantes onde tinham de usar uma ficha para conseguir mais tarde uma recompensa.

Como os corvos e os grandes símios não têm antepassados comuns há mais de 300 milhões de anos, é provável que a capacidade cognitiva de planear tenha surgido nas aves num caminho evolutivo separado. E, em alguns pontos, eles já ultrapassaram os primatas: segundo a investigação, os corvos planeiam as suas negociações com mais precisão do que os símios e igualam-se a eles quando têm tarefas que implicam o uso de ferramentas, apesar da sua falta de predisposição para as manipular.

Depois dos primeiros testes com as caixas, os cinco animais foram então confrontados com a chave de abertura, elementos para os distrair e uma recompensa imediata — e a obrigação de optar por uma delas. Aí os corvos consideraram a recompensa imediata menos apelativa do que a existente na caixa, o que demonstra uma capacidade de auto-controlo semelhante à encontrada nos símios. Alguns demonstraram essa capacidade num intervalo temporal que chegou às 17 horas. E, como nós, planeiam com base na memória de experiências passadas.