Podcast Planisférico: Pizza em Pyongyang e outras histórias de futebol feminino

A estreia da selecção feminina portuguesa em fases finais, no Euro 2017, é o pretexto para uma visita ao mundo feminino do futebol.

Foto
FPF/André Sanano

O mesmo país que há um ano ainda comemorava a conquista do Euro 2016 vai ter a oportunidade de assistir à histórica estreia de uma selecção feminina em fases finais de grandes competições. O Europeu vai decorrer na Holanda e Portugal estreia-se na quarta-feira contra a Espanha. O favoritismo é todo da Alemanha, campeã olímpica no Rio de Janeiro e vencedora de oito das 11 edições do Euro desde que o torneio passou a ser organizado pela UEFA.

Nesta viagem pelo futebol feminino, o podcast Planisférico recorda histórias que já foram contadas nas páginas do PÚBLICO, como aquela da futebolista inglesa que partiu o braço a um guarda-redes com um remate. Ou a outra, da equipa inglesa, que foi jogar à Coreia do Norte e comeu na única pizzaria de Pyongyang.

Também há aquela jogadora para quem estar num campo de futebol é como dar uma bofetada nos taliban. Nadia Nadim, a primeira imigrante a jogar pela selecção da Dinamarca, nasceu no Afeganistão mas após o assassínio do seu pai pelos taliban teve de fugir com a mãe e irmãs.

Quanto ao jogador favorito do Planisférico – vocês sabem de quem estamos a falar – as novidades são escassas. Mas o Freddy Adu português arranjou clube para a nova época: Fábio Paim (não será Adu que é o Paim americano?) vai para o Paraíba do Sul, do último escalão estadual do Rio de Janeiro. Depois de Portugal, Inglaterra, Angola, Qatar, China, Malta, Lituânia, Luxemburgo e alguns reality shows, o Brasil. Será desta?

Para terminar, a secção de classificados. Primo montenegrino de jornalista português procura clube para relação estável. Dão-se referências.

O podcast do Planisférico também está disponível no iTunes e nas apps para podcasts.