Descoberta nova partícula subatómica no CERN

Composta por dois quarks pesados e um mais leve, a existência da partícula foi divulgada agora.

No túnel onde fica o acelerador de partículas LHC, na fronteira franco-suíça
Foto
No túnel onde fica o acelerador de partículas LHC, na fronteira franco-suíça DENIS BALIBOUSE/Reuters

Os cientistas do grande acelerador europeu de partículas, localizado na fronteira entre a França e a Suíça, descobriram uma nova partícula, que já tinha sido proposta teoricamente mas nunca detectada.  

A partícula, cuja existência foi divulgada esta quinta-feira, apareceu durante umas fracções de segundo durante as colisões de partículas no acelerador conhecido como LHC (Large Hadron Collider), afirmou o físico Guy Wilkinson, que participou na experiência. Trata-se de um barião, uma partícula subatómica composta por outras mais pequenas, os quarks. Os protões e os neutrões são exemplos de bariões.

A nova partícula descoberta, que se supõe ter um papel na maneira como a matéria é composta, tem dois quarks pesados e um mais leve. Normalmente, os bariões costumam ter apenas um quark pesado.

Os dois quark pesados que compõem a nova partícula estão permanentemente envolvidos numa espécie de dança, como se fossem dois sóis no centro de um sistema solar, em roda dos quais orbita o quark mais leve.

“Há muito tempo que se procurava”, admitiu Guy Wilkinson, considerando que a descoberta do Laboratório Europeu de Física de Partículas Nuclear (ou CERN) abre a porta ao estudo de uma nova variedade de bariões.