Foram crianças com cancro. E contrariam a ideia de que “não se sai daqui vivo”

Sofia Sousa e Andreia Barros são duas das caras da exposição 40 Anos, 40 Rostos de Esperança, do Serviço de Pediatria do IPO do Porto. Como se cresce num local assim?

Foto

“Com força e pensamento positivo, até o cancro conseguimos vencer”, assegura Sofia Sousa, 16 anos, o rosto de olhos grandes e brilhantes, que representa o ano 2003 na exposição de fotografia que é inaugurada neste sábado, no IPO do Porto. Mais 39 antigos doentes dão a cara por cada um dos anos do Serviço de Pediatria da instituição. Como a autora das fotografias, Andreia Barros, de 31, que gostaria de “contrariar a ideia errada de que não se sai daqui vivo”.

A verdade, diz, é que muitas das crianças que por aqui passaram nestas quatro décadas são “agora adultas, já têm filhos e uma carreira profissional”.

Quando Sofia Sousa, de Paredes, e Andreia Barros, de Paços de Ferreira, percorrem os corredores do IPO, não sentem as pernas a tremer nem carregam “o coração nas mãos”. É como “uma segunda casa” para elas, com 40 camas, que recebe, por ano, cem crianças e onde a taxa de sobrevivência é da ordem dos 80%. Aqui viveram e brincaram. “Foi a nossa casa durante muito tempo e no primeiro ano só fomos, durante duas semanas, à nossa em Paredes”, conta Alexandrina Dias, a mãe de Sofia.

Sofia deu entrada no IPO com 20 meses, depois de lhe terem diagnosticado “massa nos pulmões” durante uma ida à urgência num hospital. “Foi um choque. Fomos lá porque ela tinha engolido uma moeda e nem queríamos acreditar que uma criança tão pequenina teria neuroblastoma torácico”, lembra a mãe. “Mas a doença já estava muito avançada. E pedi para ela ir para um sítio onde a curassem.”

No IPO passou parte da infância até entrar na escola primária, entre um autotransplante de medula óssea aos três anos, tratamentos e muitos exames. Uma nova recaída aos cinco obrigou-a a fazer novamente quimioterapia. “Entrei em pânico quando me mostrou uma mão-cheia de cabelos. Ela não percebia bem o que se passava”, conta Alexandrina Dias.

Sofia tem “flashes de memória” dessa altura, assim como de quando esteve em isolamento e fez o autotransplante da medula óssea. “Recordo o carinho dos médicos, dos enfermeiros e das educadoras.”

A agulha da borboleta

Os tempos de angústia já lá vão: os tratamentos acabaram há dez anos e foram substituídos pelas consultas e pelos exames de rotina anuais. As mazelas resultantes da quimioterapia são visíveis: “Perdi parte da audição e tenho de usar uma prótese, além dos problemas nos dentes”, conta Sofia, enquanto a mãe atira: “Graças a Deus, isso é o menos!” Afinal, reitera a filha: “Sinto-me muito feliz, porque venci a doença.” Não é à toa que num móvel, com um aquário, na sala lúdica do Serviço de Pediatria, se lê: “Por mais longa que seja a noite, o sol volta sempre para brilhar.” Hoje, Sofia é uma aluna de sucesso na escola que quer ser psicóloga.

É tudo uma questão de “acreditar”, palavra que salta à vista num dos desenhos coloridos das paredes do serviço, assinados pelos doentes. Para Sofia e Andreia, a esperança mora ali e é essa a mensagem que neste sábado a Pediatria do IPO quer passar nas comemorações dos seus 40 anos com a exposição.

Por estes dias, Andreia Barros voltou “ao local onde foi feliz apesar da doença” e fá-lo sempre que pode, porque faz parte do grupo de veteranos constituído, em 2012, por ex-doentes para apoiar pais e crianças com os testemunhos.

“Eu contava os dias que faltavam para a próxima ida ao IPO, porque tinha saudades das brincadeiras e do carinho da equipa médica e das educadoras.”

Guarda na memória os balões feitos a partir das luvas e de todas aquelas vezes em que lhe diziam que iam colocar a agulha da borboleta para a convencerem a por o soro. “Parecia mesmo uma borboleta.”

Por tudo isto, Andreia nem pestanejou quando lhe perguntaram se queria fotografar os rostos de outros 40 ex-doentes de cancro que passaram pelo Serviço de Pediatria e que contam histórias “com um final feliz”. É esse o objectivo da exposição de fotografia 40 Anos, 40 Rostos de Esperança, no serviço do IPO.

A história de Andreia começou quando nasceu com um tumor maligno na cabeça com diagnóstico de “morte certa”. Hoje é educadora de infância, tem um estúdio de fotografia e tem andado numa roda-viva com os médicos, enfermeiros e educadoras para estar tudo a postos para a inauguração da exposição. “Trouxe a iluminação, a tela de fundo e o material fotográfico do meu estúdio”, conta, entusiasmada.

Tem sido um turbilhão de emoções: “Acabou por ser um reencontro de pessoas que já não se viam havia muitos anos e uma partilha de experiências.” Ainda que as suas memórias de quando teve cancro sejam as da mãe, porque Andreia deu entrada na Pediatria com apenas seis meses com o diagnóstico de fibrossarcoma. “O importante é que foi aqui que me salvaram a vida quando me removeram o tumor. Já tinha sido operada duas vezes noutro hospital.”

Às vezes ainda se assusta: “Sempre que aparece um sinal ou um simples abcesso, é logo motivo de alarme para ir ao IPO por precaução.”

É por todos estes doentes que “a equipa do IPO dá o litro”, diz o director do Serviço de Pediatria, Armando Pinto.

“Sempre que um novo doente dá entrada é como se fosse um incêndio em que temos de activar todos os canais para apagar o fogo”, explica Armando Pinto.

A parte relacional humana é essencial num  serviço “que agora tem melhores instalações, meios auxiliares de diagnóstico e medicamentos, e tratamentos novos”, prossegue. Há mais esperança de vida numa instituição que faz mais de cinco mil consultas anuais na consulta externa e mais de 600 internamentos por ano para quimioterapia ou operações. “Há doentes, dos zero aos 18 anos, que andam aqui há dez anos a serem acompanhados”, diz Armando Pinto. “Um terço das crianças que surgem com cancro em Portugal tem menos de cinco anos de idade. E uma das características do cancro da criança é que são tumores de crescimento rápido.”

Os dois tipos mais comuns são leucemias e linfomas que aparecem juntos em mais de um terço das crianças. Seguem-se depois os tumores do sistema nervoso central.

Taxa de sobrevivência era 50%

O pediatra Bernardo Sodré, o então primeiro e único médico do serviço em 1977, foi o fundador desta unidade no IPO que começou com um gabinete de enfermagem, dois consultórios e um hospital-de-dia, distribuídos por 50 metros quadrados. Muito mudou deste então. “Sob a minha responsabilidade estiveram duas mil crianças ao longo dos 27 anos à frente do serviço”, conta o médico que também foi presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria. “Nos anos 1960 e 1970 a taxa de sobrevida, para a generalidade dos casos, não ia além dos 50%. Hoje já ronda os 70 por cento.”